Psicóloga Ana Graça
Psicóloga Ana Graça
03 Jan, 2020 - 18:32

Como reencontrar o amor após uma relação mal sucedida?

Psicóloga Ana Graça

Todos nós, em algum momento das nossas vidas, vivemos o fim de uma relação amorosa. Porque não minimizar o impacto negativo e tratar de seguir em frente. Saiba, então, como reencontrar o amor.

Como reencontrar o amor após uma relação mal sucedida?
O artigo continua após o anúncio

Terminar uma relação é quase sempre doloroso. Por vezes, os casais crescem em diferentes direções, vivem a velocidades diferentes ou têm paixões e interesses incompatíveis. Seja por que motivo for, o fim de uma relação amorosa é, geralmente, difícil, e implica, não raras vezes, um confronto com sentimentos de fracasso, rejeição, tristeza e perda da pessoa amada e da relação idealizada.

As relações amorosas assumem um papel central na nossa vida, pelo que é deveras importante que cada um de nós tente minimizar o sofrimento provocado por uma relação mal sucedida e seja capaz de seguir em frente e ter em mente como reencontrar o amor ou, pelo menos, uma relação íntima mais estável e feliz.

Como reencontrar o amor: o poder do amor nas nossas vidas

Como reencontrar o amor após uma relação mal sucedida?

A compreensão da experiência do amor é uma das mais complexas e desafiantes. É um fenómeno sobejamente estudado, para o qual existem inúmeras definições e teorias. Certo é que o amor assume uma dimensão complexa e poderosa na vida de todos nós e que, quando vivido de forma feliz e positiva, promove o nosso bem-estar e o bem-estar da pessoa amada.

De forma simples, quando dizemos que amamos alguém, pretendemos expressar a essa pessoa que a desejamos, que nos diverte, que queremos estar próximos, que cuidamos, nos preocupamos e que é uma prioridade na nossa vida (1).

O desejo de viver um amor romântico e a fantasia de que esse sentimento será correspondido vive na maioria de nós. Mais ainda, os estudos têm mostrado que numa relação amorosa procuramos características como:

  • Confiança mútua;
  • Diálogo sincero;
  • Respeito;
  • Fidelidade;
  • Beleza física
  • Identificação
  • Satisfação
  • Sentimento de segurança
  • Alguém responsável e que tenha uma boa autoestima e um futuro profissional promissor

Todavia, por vezes, estão presentes aspetos que dificultam o estabelecimento de relações amorosas felizes e bem-sucedidas, tais como:

  • Falta de respeito
  • Traição
  • Desconfiança
  • Ciúmes exagerados
  • Excesso de responsabilidade
  • Priorização da vida profissional
  • Desrespeito pela individualidade do parceiro (2)

Por fim, os estudos têm mostrado que os casais felizes tendem a prestar mais atenção às características que trazem bem-estar e satisfação à relação, perdoam com maior facilidade e minimizam as falhas um do outro, contrariamente a casais infelizes, que tendem a focar mais nas características que trazem insatisfação à relação (3).

Alguma vez experimentou os sites de encontros? Conheça alguns testemunhos de quem encontrou o amor online >>

Como reencontrar o amor após uma relação mal sucedida?

Como reencontrar o amor após uma relação mal sucedida?

Quando a relação amorosa em que tanto investimos termina e a pessoa com quem até então partilhávamos todas as nossas alegrias e tristezas não está mais disponível, o desânimo, a solidão e a tristeza podem surgir. No entanto, o fim de uma relação amorosa não tem necessariamente que ser um evento desastroso na nossa vida e há estratégias que nos podem ajudar a promover emoções e pensamentos mais positivos e, quem sabe, a encontrar um novo e melhor amor:

1. Priorizar as emoções positivas

Se a relação amorosa que mantinha não desenvolveu da forma que imaginava e se nota que após o fim da relação o seu desenvolvimento pessoal está em crescendo, talvez o fim desta relação não tenha sido um evento assim tão negativo. Deixe de lado todos os episódios negativos, faça um balanço dos aspetos positivos que esta experiência lhe trouxe e lembre-se que é possível aprender com o fim de uma relação e que essa aprendizagem pode traduzir-se em melhores relações amorosas no futuro (4).

2. Não ficar fechado em casa

Parece mais fácil ficar o dia dentro de casa? Talvez, mas essa atitude não vai trazer nada de bom. Sair de casa, conviver, procurar ocupar-se e distrair-se são boas estratégias para superar o fim de uma relação amorosa, bem como para dar oportunidade ao surgimento de um novo amor.

3. Manter-se saudável

Para superar emocionalmente o fim de um relacionamento e estar preparado e alerta para um possível novo amor é importante que se sinta bem e não se negligencie. Durma bem, coma bem, pratique atividade física e envolva-se em novas atividades que lhe tragam prazer.

4. Ajustar expectativas

As expectativas irrealistas, os mitos e os fracassos das relações passadas devem ser deixados no passado. Todos temos a nossa bagagem emocional, mas importa garantir que esta não é demasiado pesada e que não está a interferir no nosso futuro.

Nunca é demasiado tarde, nem demasiado cedo, para começar uma nova relação, o importante é que as expectativas colocadas neste novo relacionamento sejam realistas e não sejam condicionadas pelos erros do passado. O novo parceiro não será certamente capaz de ler mentes, nem de antecipar todas as suas necessidades. Mantenha o diálogo e dê-se a conhecer (5).

5. Dar uma nova oportunidade ao amor

Depois de focar nas emoções positivas, cuidar de si, reforçar a esperança no futuro e ajustar as suas expectativas, chegou a hora de voltar a namorar. Vá-se dando a conhecer de forma gradual e dê uma nova oportunidade ao amor (6).

Em suma…

Quando um relacionamento romântico chega ao fim é comum o medo de se deixar envolver numa nova relação. É igualmente comum o medo de nunca mais vir a encontrar o amor. Há até quem desista e assuma que tem azar ao amor. Nada disso, o fim de uma relação amorosa, apesar de habitualmente doloroso, não tem necessariamente que ser um marco negativo. Importa cuidar de nós e não fechar portas ao amor.

O artigo continua após o anúncio
Veja também

Fontes

1. Duarte, R. (2012). Do amor e do desamor: variedades de experiências de ruptura e reparação e, regulação de necessidades na aliança amorosa de casais. Universidade de Lisboa, Departamento de psicologia. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/7823/1/ulfpie0043044_tm.pdf
2. Smeha, L., & Oliveira, M. (2013). Os relacionamentos amorosos na contemporaneidade sob a óptica dos jovens adultos. Psicologia: teoria e prática , 33-45.). Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ptp/v15n2/03.pdf
3. Seligman, M. E. P. (2004). Felicidade autêntica: Usando a nova psicologia positiva para a realização permanente. Rio de Janeiro: Objetiva. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/paideia/v22n53/15.pdf
4. American Psychiatric Association. Breakups aren’t all bad: Coping strategies to promote positive outcomes. Disponível em: https://www.apa.org/research/action/romantic-relationships
5. Tartakovsky, M. (2018, Julho, 8).6 Steps to Finding New Love. Disponível em: https://psychcentral.com/blog/6-steps-to-finding-new-love/
6. Tartakovsky, M. (2018, Julho, 8).6 Steps to Finding New Love. Disponível em: https://psychcentral.com/blog/6-steps-to-finding-new-love/