Enfermeira Isabel Silva
Enfermeira Isabel Silva
06 Out, 2017 - 11:20

Catapora ou varicela: o que é, sintomas e tratamento

Enfermeira Isabel Silva

A catapora é uma das doenças com maior nível de contágio da infância. Na maioria dos casos a sua evolução é benigna, afetando em especial crianças dos 3 meses aos 10 anos de idade.

Catapora ou varicela: o que é, sintomas e tratamento
O artigo continua após o anúncio

A varicela, também conhecida como catapora, é uma infecção altamente contagiosa. É provocada um vírus, o Varicella-Zoster. As manifestações clínicas mais evidentes e comuns desta virose são febre e erupções cutâneas.

A catapora é a doença mais contagiosa da infância. Geralmente benigna, afeta crianças principalmente dos 3 meses aos 10 anos de idade.

O que é a catapora?

o que e a catapora

A catapora, ou varicela, é uma virose altamente contagiosa. O responsável é o Varicella-zoster, pertencente à família dos herpes vírus, que também pode provocar herpes e mononucleose.

A transmissão do vírus é feita através de gotículas expelidas pela boca ou nariz. O nível de contágio da catapora é tão alto que entre pessoas que moram na mesma casa, a probabilidade de apanhar a doença é de cerca de 90%. Para além da via respiratória, a doença também pode ser transmitida através do contato com objetos contaminados. O líquido proveniente das bolhas da varicela é altamente contagioso.

O período de incubação do vírus é de 10 a 20 dias. O indivíduo portador torna-se contagioso desde cerca de 48 a 72 horas antes do início dos primeiros sintomas.

Após uma primeira infeção o indivíduo desenvolve imunidade para a toda a vida. Ou seja, se já teve varicela, há muito pouca probabilidade de voltar a ter.

Durante a infância esta infeção é muito comum. Em crianças saudáveis, a varicela costuma ter um baixo índice de complicações e mortalidade. Já nos adultos, ou indivíduos imunodeprimidos, pode trazer complicações mais graves.

Quais são os sintomas da catapora?

menina a medir a febre

Primeiros sintomas da varicela:

Cerca de 24 horas após o início destes sintomas, surgem as lesões cutâneas típicas da catapora. As lesões são inicialmente pequenas pápulas avermelhadas que se transformam em bolhas cheias de líquido. Com o passar do tempo as bolhas vão secando e deixando crostas que acabam por cair ao fim de 1 a 2 semanas.

O artigo continua após o anúncio

O rash próprio da infeção provoca muita comichão, pelo que é normal que a criança se queira coçar. No entanto, é fundamental evitar rebentar as bolhas para evitar a contaminação das lesões por microorganismos naturais da pele.

O perigo de contágio mantém-se até que todas as bolhas já tenham secado e formado crostas.

Quais são as possíveis complicações?

menino com pneumonia

São raras as complicações da catapora em crianças saudáveis. No entanto, elas existem:

  • Pneumonia;
  • Hepatite;
  • Encefalite (infecção do cérebro);
  • Miocardite (inflamação do coração);
  • Síndrome de Reye.

Como se trata a catapora?

pomada para tratar a varicela

Esta infeção não tem um tratamento específico, pelo que este passa pelo controlo e alívio dos sintomas. A comichão provocada pelas lesões pode ser aliviada recorrendo à utilização de loções à base de calamina ou ainda com a realização de banhos de água morna.

As dores e a febre são normalmente aliviadas e controladas com a utilização de analgésicos e anti-piréticos. A utilização de ácido acetilsalicílico (aspirina) não é aconselhado para o tratamento da catapora porque pode levar à ocorrência síndrome de Reye.

No caso de ser necessário, podem ser usados fármacos anti-histamínicos com o objetivo de controlar a comichão.

Nos casos mais graves poderá ser necessário o recurso a medicamentos antivirais. Para além disto, é recomendado que o doente permaneça em repouso.

Como se previne a catapora?

prevencao com vacina

Visto que se trata de uma virose com alto nível de contágio, o primeiro passo é isolar a criança infetada com catapora até que todas as lesões cutâneas sequem completamente.

O artigo continua após o anúncio

Existe uma vacina, fora do Plano Nacional de Vacinação, disponível para compra nas farmácias. Ainda que esta não garanta 100% de proteção contra a doença, faz com que, no caso da ocorrência da mesma, a infeção seja muito mais leve.

A vacina pode ser administrada a partir dos 12 meses de vida, sendo necessária apenas uma dose. Se a vacinação for após os 13 anos de idade, são necessárias 2 doses, que deverão ser administradas com um intervalo de 6 a 10 semanas entre cada uma.

Está contraindicada em indivíduos imunodeprimidos, crianças com idade inferior a 1 ano, grávidas e indivíduos submetidos a tratamento com salicilatos. Após a vacinação, deve aguardar pelo menos 6 semanas até à administração de salicilatos.

Assim como a maior parte das vacinas, esta pode provocar alguns efeitos secundários no local de administração como vermelhidão, inchaço ou febre baixa.

Veja também: