Stress no trabalho: como garantir o bem-estar laboral?

Todas as previsões indicam que o número de pessoas afetadas pelo stress no trabalho é suscetível de aumentar, acarretando elevados custos para a saúde.

Stress no trabalho: como garantir o bem-estar laboral?
As despesas de saúde causadas pelo stress no trabalho são enormes.

O stress faz parte da vida de todos nós e ninguém está isento de experienciar stress no trabalho, no entanto, parecem estar mais suscetíveis todos aqueles que iniciam as suas carreiras com elevadas expectativas, motivação e investimento pessoal e se sentem futuramente defraudados, menosprezados e experienciam conflitos laborais.

Compreender o stress e a ansiedade


stress no trabalho mulher com ansiedade

Todos nós experienciamos diariamente sentimentos de stress, preocupação, tensão e nervosismo. Contudo, a ansiedade apenas se torna um problema quando é desproporcional face à situação, ou seja, quando ocorre em situações que não representam ameaça ou perigo, e quando para além de extrema é também antecipatória, impedindo-nos de agir (por exemplo, ansiedade sentida antes de uma entrevista de emprego).

Resumidamente, a ansiedade pode constituir um problema quando:

  • É excessiva;
  • É fora de proporção face à realidade;
  • Persiste apesar de evidências em contrário;
  • Gera comportamentos desagradáveis, como evitamentos e preocupação excessiva;
  • Causa stress e incapacidade significativos na vida diária.

As principais causas da ansiedade podem dividir-se em:

  • Fatores biológicos (vulnerabilidade para desenvolver perturbações de ansiedade pode ser hereditária);
  • Fatores psicológicos (o estilo de vida de cada pessoa é determinante, ou seja, os tipos de stressores enfrentados por cada um e as estratégias de enfrentamento utilizadas).

 

Como encarar o stress no trabalho


stress no trabalho homem stressado

Vivemos uma época marcada por profundas alterações ao nível da estabilidade e segurança laboral, daí que o stress no trabalho seja sentido por muitos de nós. De facto, o stress é a segunda causa mais frequente de problemas de saúde relacionados com o trabalho (estima-se que afete cerca de 22% dos trabalhadores na Europa).

O stress no trabalho tem lugar quando o profissional se sente incapaz de controlar as condições de trabalho; quando não possui estratégias de confronto adequadas e adaptadas à situação e, por fim, quando não possui qualquer fonte de apoio social que o ajude a lidar com as dificuldades colocadas pela sua profissão.

Os estudos têm vindo a demonstrar que os trabalhos que contêm determinadas características motivadoras, como variedade de competências, autonomia (por exemplo, decidir como organizar o próprio trabalho), feedback acerca do desempenho e suporte social no trabalho, produzem maior satisfação e menores níveis de stress no trabalho.

Por outro lado, o stress no trabalho tende a ser maior perante altas exigências (quantidade de trabalho e esforço intelectual), baixa autonomia (pouca possibilidade de tomar decisões na realização do trabalho) e perante a presença de instabilidade no contexto laboral.

A carga de trabalho parece ser especialmente determinante. Uma carga de trabalho elevada tende a esgotar os recursos físicos e emocionais do colaborador, podendo originar alterações ao nível do bem-estar e da saúde. O trabalho realizado por turnos ou no período da noite tende a ser particularmente desgastante.

Outros dos aspetos que podem ser indutores de stress no trabalho estão relacionados com o ambiente físico onde se desenrola o desempenho das tarefas laborais: a iluminação; a temperatura; a higiene; a disposição do espaço físico.

Como garantir o bem-estar no trabalho?


stress no trabalho harmonia no trabalho

Tendo o stress no trabalho um impacto tão grande ao nível da saúde, importa tentar reduzir as fontes de stress no trabalho, bem como ajudar os colaboradores a gerir o stress, de forma a evitar as consequências negativas ao nível da saúde.

Determinadas práticas organizacionais podem ajudar a quebrar o crescendo de stress no trabalho, nomeadamente:

  • Diminuir a carga de trabalho ao contratar mais colaboradores;
  • Disponibilizar apoio psicológico e de saúde aos colaboradores;
  • Disponibilizar consultas médicas de clinica geral para os colaboradores;
  • Garantir um relacionamento de qualidade com o supervisor;
  • Garantir autonomia, feedback e apoio social;
  • Implementar programas de gestão do stress dos colaboradores;
  • Promover o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal dos colaboradores;
  • Manter uma comunicação aberta (definir com clareza funções e expectativas);
  • Reconhecer o sucesso de forma regular.

 

Veja também:

Psicóloga Ana Graça Psicóloga Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Para além da Psicologia é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que proporcione felicidade!

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].