Publicidade:

Síndrome de Tourette: viver com tiques motores incontroláveis

A síndrome de Tourette, muito conhecida pelos tique e pelas palavras obscenas, é mais comum do que aquilo que pensamos. Saiba mais sobre esta síndrome.

 
Síndrome de Tourette: viver com tiques motores incontroláveis
Esta patologia afeta mais o sexo masculino.

A síndrome de Tourette, descrita pela primeira vez em 1825, é uma patologia neuropsiquiátrica que habitualmente tem início na infância. Esta perturbação tem um grave impacto na vida de quem dela padece e dos seus familiares, pelo que importa conhecê-la.

Compreender a síndrome de Tourette


livro sindrome de Tourette

Até há bem pouco tempo esta síndrome era considerada rara, no entanto, dados recentes têm vindo a mostrar outra realidade. Estas investigações indicam que a taxa de prevalência da síndrome de Gilles de La Tourette pode variar de 1% a 2,9% em alguns grupos.

Foi em 1825 que foi descrito o primeiro caso desta síndrome. O paciente em questão apresentava tiques múltiplos e comportamentos fora do comum, tais como uso involuntário ou inapropriado de palavras obscenas e repetição involuntária de um som, palavra ou frase proferida por outra pessoa.

Esta síndrome ocorre em todo o mundo e a prevalência nos indivíduos do sexo masculino é três a quatro vezes maior do que no sexo feminino. Surge frequentemente associada a outras patologias do foro mental, tais como hiperatividade com défice de atenção e transtorno obsessivo compulsivo.

Causas e sintomas da síndrome de Tourette


A síndrome de Tourette é um distúrbio genético, de natureza neuropsiquiátrica, associada a alterações neurofisiológicas e neuroanatómicas.

As suas causas ainda não estão totalmente explicadas e inúmeras investigações continuam a ser feitas, inclusive no sentido de perceber qual a influência de fatores ambientais como o tabagismo, o stress, infeções e disfunção auto-imune, que podem surgir no período pré, peri ou pós-nata.

Caracteriza-se pela presença de comportamentos compulsivos, que resultam numa série repentina de múltiplos tiques motores e um ou mais tiques vocais. Geralmente, os portadores desta síndrome apresentam, inicialmente, tiques simples, que vão evoluindo para tiques mais complexos, no entanto, o quadro clínico pode variar de pessoa para pessoa.

Estes tiques são movimentos anormais, rápidos, súbitos, sem propósitos e irresistíveis, que tendem a agravar em quantidade e exuberância nas situações de ansiedade e tensão emocional. Pelo contrário, tendem a atenuar em situações de repouso e em situações que exigem concentração.

A. Tiques motores

  1. Piscar os olhos;
  2. Realizar movimentos de torção de nariz e boca;
  3. Imitação de gestos realizados por outras pessoas;
  4. Gestos obscenos;
  5. Caretas faciais;
  6. Estalar a mandíbula;
  7. Trincar os dentes;
  8. Movimento dos dedos das mãos;
  9. Sacudidelas de cabeça, pescoço, ou outras partes do corpo;
  10. Manutenção de certos olhares;
  11. Bater palmas;
  12. Saltitar, rodar ou rodopiar.

B. Tiques verbais

  1. Emissão de sons (pigarrear; fungar; gritar);
  2. Palavras obscenas;
  3. Repetição de palavras ou frases;
  4. Repetição involuntária de frases proferidas por outras pessoas;
  5. Uso repetido de palavras aleatórias.

C. Tique sensitivo

  1. Sensação somática nas articulações, nos ossos e nos músculos que obrigam o portador da síndrome de Tourette a executar um movimento voluntário para obter alívio. Este tique nem sempre está presente.

 

Tratamento da síndrome de Tourette


sindrome de Tourette medicacao

A síndrome de Gilles de La Tourette não tem cura e o tratamento é estritamente sintomático e muitas vezes desnecessário nas formas leves da doença, no entanto, é importante que quando pertinente, este se inicie o mais rápido possível, de forma a minimizar os danos que a patologia pode causar ao paciente.

O tipo de tratamento a implementar deve ser sempre adaptado a cada portador da síndrome e discutido com a equipa clínica que o acompanha. Habitualmente inclui a combinação das abordagens farmacológica e psicológica.

A abordagem farmacológica permite aliviar e controlar os sintomas. Já a abordagem psicológica é útil para não só para o paciente mas também para orientar as pessoas que lhe são próximas, ajudando-as a obter um maior entendido acerca da patologia e da melhor forma de lidar com o portador da síndrome de Tourette.

Veja também:

Psicóloga Ana Graça Psicóloga Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Para além da Psicologia é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que proporcione felicidade!

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].