Como ler os rótulos dos alimentos: saiba mais para escolher melhor

A forma mais correta de saber como ler os rótulos dos alimentos nem sempre está bem esclarecida, por isso aprenda a para fazer as escolhas mais acertadas.

Como ler os rótulos dos alimentos: saiba mais para escolher melhor
Saiba como ler a informação nos rótulos adequadamente.

Nos dias que correm e perante a cada vez maior oferta de produtos, torna-se fundamental saber como ler os rótulos dos alimentos.

Os rótulos dos alimentos contêm um conjunto de elementos identificativos do produto alimentar, dos seus constituintes e de outras características relevantes para o seu consumo e, que permitem perceber se o alimentos são ou não saudáveis, se respeitam ou não alguma alergia ou intolerância alimentar e o verdadeiro conteúdo que acarretam.

O que deve ter um rótulo alimentar?


como ler os rotulos dos alimentos

Existem alimentos que devem estar obrigatoriamente presentes num rótulo alimentar, é o caso dos seguintes:

  • Denominação do género alimentício;
  • Lista de ingredientes;
  • Ingredientes ou auxiliares tecnológicos ou derivados de uma substância ou produto que provoquem alergias ou intolerâncias;
  • Quantidade de determinados ingredientes ou categorias de ingredientes;
  • Quantidade líquida do género alimentício;
  • Data de durabilidade mínima ou a data-limite de consumo;
  • Condições especiais de conservação e/ou as condições de utilização;
  • Nome ou a firma e o endereço do operador da empresa do setor alimentar;
  • País de origem ou o local de proveniência;
  • Modo de emprego;
  • Título alcoométrico;
  • Declaração nutricional.

 

Conteúdo da declaração nutricional


A leitura adequada dos rótulos dos alimentos no momento da compra é, útil à realização de escolhas seguras e mais saudáveis.

O consumidor deve verificar sempre se os produtos se encontram dentro do período de validade, se a embalagem mantém a integridade, quais as condições de utilização e conservação, bem como outros cuidados adicionais que o produto alimentar exija.

Grande parte da atenção na leitura do rótulo deve incidir na lista de ingredientes, alergénios e na informação nutricional.

A declaração nutricional obrigatória inclui:

  • Valor energético (kJ e kcal)
  • Lípidos e ácidos gordos saturados (g)
  • Hidratos de carbono e açúcares (g)
  • Proteínas (g)
  • Sal (g)

O conteúdo da declaração nutricional obrigatória referida pode ser complementado pela indicação das quantidades de um ou mais dos seguintes elementos:

  • Ácidos gordos mono e polinsaturados;
  • Polióis;
  • Amido;
  • Fibra;
  • Vitaminas ou sais minerais em quantidades significativas.

O valor energético e as quantidades de nutrientes declarados devem referir-se ao género alimentício tal como é vendido ou depois de preparado, desde que sejam dadas instruções de preparação pormenorizadas e desde que diga respeito ao género alimentício pronto para consumo.

Como ler os rótulos dos alimentos adequadamente: interpretação da informação


mulher a ler rotulo

1. Valor energético

O valor energético corresponde às calorias presentes no alimento. Este valor normalmente parece no cimo da tabela nutricional do rótulo.

Representa o somatório da energia fornecida pela proteína, lípidos, hidratos de carbono e, eventualmente, álcool.

Uma alegação de que um alimento é de baixo valor energético só pode ser feita quando o produto não contiver mais de 40 kcal (170 kJ)/100 g para os sólidos ou mais de 20 kcal (80 kJ)/100 ml para os líquidos.

2. Gorduras (lípidos e ácidos gordos saturados)

A gordura corresponde ao macronutriente lípidos, sendo esse o nome que vem mencionado nos rótulos. Os lípidos totais representam ácidos gordos saturados; ácidos gordos trans; ácidos gordos monoinsaturados; ácidos gordos poli-insaturados.

Abaixo das gorduras, aparece sempre o valor das gorduras saturadas, usualmente denominado “das quais saturadas”. Cada grama de gordura corresponde a 9 kcal.

Uma alegação de que um alimento é de baixo teor de gordura só pode ser feita quando o produto não contiver mais de 3 g de gordura por 100 g para os sólidos ou de 1,5 g de gordura por 100 ml para os líquidos (1,8 g de gordura por 100 ml para o leite meio gordo).

3. Hidratos de carbono e açucares

Os hidratos de carbono são a principal fonte de energia do organismo e o seu teor é obrigatório na declaração nutricional. Cada grama de hidratos de carbono, fornece 4 kcal.

O teor de açúcar é também obrigatório no rótulo e qualquer designação terminada em ‘ose’ corresponde a um açúcar.

Uma alegação de que um alimento é de baixo teor de açúcares só pode ser feita quando o produto não contiver mais de 5 g de açúcares por 100 g para os sólidos ou de 2,5 g de açúcares por 100 ml para os líquidos.

4. Proteínas

Uma alegação de que um alimento é uma fonte de proteína só pode ser feita quando, pelo menos, 12% do valor energético do alimento for fornecido por proteína. Cada grama de proteína corresponde a 4 kcal.

5. Sal

Constituído por sódio (Na) e cloro (Cl), o sal (ou cloreto de sódio) é a principal fonte de sódio (90% na nossa alimentação). A Organização Mundial de Saúde aconselha um consumo de sal inferior a 5 g por dia.

O consumo de sal em excesso é uma das causas para o agravamento da hipertensão arterial, o principal fator de risco das doenças cardiovasculares.

Uma alegação de que um alimento é de baixo teor de sódio/sal só pode ser feita quando o produto não contiver mais de 0,12 g de sódio, ou o valor equivalente de sal, por 100 g ou por 100 ml.

A quantidade de sódio dos produtos precisa ser multiplicada por 2,5 para se ter o equivalente em sal de cozinha.

Lista de ingredientes e alergénios:


Outra parte importante da leitura dos rótulos encontra-se na lista de ingredientes e alergénios. Algumas considerações relevantes da lista de ingredientes são:

  • A lista de ingredientes deve ser elaborada por ordem decrescente das quantidades de todos os ingredientes (o primeiro ingrediente é aquele que se encontra em maior quantidade) que constituem o produto alimentar. Quanto mais reduzida for a lista de ingredientes/constituintes do produto, mais saudável é, visto que não terá aditivos, conservantes ou outros dos componentes utilizados nos alimentos processados;
  • Os ingredientes que provoquem alergias ou intolerâncias (alergénios), devem ser indicados na lista de ingredientes por uma grafia que a distinga dos restantes (ex: água, farinha de trigo, …);
  • Devem ser indicados na lista os aditivos adicionados ao produto, designados pela categoria (ex.: antioxidante; corante), nome específico (ex.: ácido L-ascórbico; dióxido de enxofre) ou letra E seguida de 3 algarismos (ex.: E300; E220).

 

 Conclusão…


Saber ler a informação presente nos rótulos leva a escolhas alimentares mais equilibradas ao passo que se sabe exatamente que ingredientes se estão a ingerir.

São imensas as razões para dedicar alguns minutos a analisar os rótulos dos produtos. Mas é igualmente importante que se lembre que os melhores alimentos são aqueles que não têm rótulo, porque simplesmente não precisam deles. Falamos de frutas, vegetais, peixe ou carne, por exemplo.

Veja também: