Publicidade:

Relação à distância: como fazê-la funcionar?

A maioria das pessoas acredita que uma relação à distância é menos satisfatória e menos propensa a durar. Será verdade? Como fazer funcionar a relação?

 
Relação à distância: como fazê-la funcionar?
Uma relação à distância não tem que ser um desafio insuperável.

Longe da vista, longe do coração. Será verdade? Será que uma relação à distância é menos feliz e satisfatória e tem menor probabilidade de perdurar no tempo? Ou será que uma relação à distância pode ter mais qualidade e ser mais estável do que relações geograficamente próximas? Vamos descobrir o que é que algumas investigações recentes nos dizem!

Será que uma relação à distância pode realmente funcionar?


relacao a distancia

Estudos recentes vieram trazer descobertas surpreendentes, na medida em que não foram encontraram evidências de que uma relação à distância seja diferente de uma relação geograficamente próxima nos seguintes domínios:

  • Intimidade;
  • Comunicação;
  • Satisfação no relacionamento;
  • Comprometimento;
  • Satisfação e comunicação sexual.

Assim, de acordo com estes dados não existem evidências de que as relações à distância sejam de menor qualidade face às relações geograficamente próximas. Todavia, apesar destes resultados, algumas das pessoas que vivem uma relação à distância passam por dificuldades. Por é que em alguns casais os relacionamentos à distância funcionam bastante bem e noutros nem tanto? Vamos descobrir!

4 problemas de uma relação à distância


relacao a distancia mulher ao telefone

Temos carros, comboio, aviões e até a internet, para facilitar o sucesso das relações à distância. Basta clicar em algumas teclas e podemos estar conectados com alguém que vive do outro lado do mundo. Basta um voo de algumas horas para chegar a um lugar que de outra forma seria longínquo. Ainda assim, muitos relacionamentos à distância acabam por falhar, pelo que importa acautelar estas 4 questões:

1. Tempo e dinheiro

Estes dois fatores podem parecer irrelevantes no início da paixão, mas com o multiplicar das viagens e das despesas podem tornar-se um grande entrave numa relação à distância.

2. Mobilidade

É importante que os elementos do casal sejam honestos e analisem se estão realmente dispostos a mudar de cidade ou de país, caso venha a ser necessário.

3. Familiaridade

Convém considerar a necessidade de conhecer a outra pessoa mais profundamente antes de assumir um compromisso sério à distância.

Ver alguém apenas aos fins-de-semana ou uma vez por mês, dificilmente permite que esse conhecimento seja alcançado. É importante que ambos os elementos do casal interajam com os diferentes contextos e com a família e os amigos do parceiro.

4. Risco

Um relacionamento de longa distância pode criar algumas lacunas entre as pessoas. Quanto maior for essa lacuna e quanto mais tempo persistir, maior é o risco de insucesso do relacionamento. A distância, a solidão, o sexo pouco frequente e a falta de apoio emocional e físico podem ser algumas das consequências da distância e da falta de intimidade.

No entanto, quando as pessoas são firmes, perseverantes, autossuficientes, extremamente leais e apaixonadas, a relação tem maiores hipóteses de sobreviver à distância.

Relação à distância: como fazê-la funcionar?


relacao a distancia casal junto em estacao

Será que o amor pode prosperar (ou apenas sobreviver) apesar da separação geográfica? Há casais que vêm a sua relação ser desafiada por longas distâncias e que, apesar de todas as dificuldades, conseguem que a relação a dois vingue. Mas afinal quais são os ingredientes que fazem com que uma relação à distância resulte, seja saudável e feliz?

1. Baixos níveis de sofrimento psicológico

Pessoas menos ansiosas e menos deprimidas tendem a relatar maiores níveis de intimidade nas suas relações à distância, bem como maior comprometimento, comunicação, satisfação com o relacionamento em geral e maior satisfação sexual.

O sofrimento psicológico parece influenciar negativamente a qualidade e o funcionamento da relação amorosa, logo, a redução do stress e da tensão beneficiam a relação a dois.

2. Distância

Nem todos os casais são iguais e, surpreendentemente, os dados de alguns estudos mostram que, quanto maior a distância real entre os casais, mais positivos são alguns parâmetros, tais como intimidade, comunicação, satisfação no relacionamento e satisfação sexual. Assim sendo, casais que vivem muito distantes parecem ter uma grande consciência acerca do seu relacionamento e podem ser especialmente compelidos a investir muita energia na construção de sentimentos de conexão e intimidade.

Se está numa relação à distância, esforce-se para que aconteçam visitas frequentes (associadas a uma maior satisfação sexual).

3. Maior confiança na relação

Quão confiante está em relação ao seu parceiro e ao futuro da sua relação? Quanto maiores as certezas relatadas pelos casais, maior a intimidade, o compromisso, a comunicação e a satisfação.

Assim sendo, deve promover a estabilidade da sua relação, conversando e planeando o futuro a dois. Quando o casal se vê como uma equipa e trabalha em conjunto para atingir os objetivos comuns, mostra uma maior certeza e convicção no futuro da relação, apesar da distância que os separa.

4. Atitude positiva em relação à distância

Pessoas que acreditam que as relações à distância podem ser satisfatórias, quando se vêm envolvidas neste tipo de relação, tendem a relatar maiores níveis de intimidade, compromisso, comunicação e satisfação. É importante falar abertamente sobre o que significa estar numa relação à distância e trazer à luz quaisquer equívocos.

Ao desafiar crenças falsas ou negativas sobre as relações à distância, irá ser capaz de criar uma crença unificada de que tais relações podem ter sucesso.

Veja também:

Psicóloga Ana Graça Psicóloga Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Para além da Psicologia é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que proporcione felicidade!

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].