Publicidade:

Reforço positivo nos gatos: é possível educar os felinos?

Tal como nos cães, o reforço positivo nos gatos é um tipo de treino que pode ser utilizado para educar o seu animal de estimação. Saiba mais sobre o tema.

Reforço positivo nos gatos: é possível educar os felinos?
É possível treinar e ensinar o seu gato

O treino com reforço positivo é cada vez mais conhecido, no entanto é frequentemente falado como método de treino para cães. Mas como será que funciona o reforço positivo nos gatos? Treinar os gatos e recompensá-los é eficaz?

Reforço positivo nos gatos: o que é o reforço positivo?


reforco positivo nos gatos dono a ensinar gato

O reforço positivo é um tipo de treino em que se utiliza uma recompensa em troca de um comportamento. As recompensas são variáveis, consoante o gosto do animal, por isso é importante perceber o que será mesmo considerado uma recompensa pelo seu melhor amigo.

Os cães podem preferir comida, como snacks ou biscoitos para cão, salsichas, ou qualquer outro alimento que achem apetitoso e por norma não o possam comer. Também, alguns cães, preferem uma recompensa não alimentar, como uma caricia, brincadeira ou um boneco de que gostem muito.

O reforço positivo nos gatos funciona exatamente da mesma forma. Deve ter o cuidado de tentar perceber o seu gato para que consiga arranjar a melhor forma de o recompensar, e dessa forma de o cativar para que faça o que lhe pede.

Os gatos podem também ter uma preferência por determinado alimento, e deve então utilizar momentos de treino apenas, para lhe oferecer esse alimento que ele tanto adora.

Por que utilizar reforço positivo nos gatos?


Os gatos respondem melhor ao reforço positivo e, o reforço negativo pode levar a graves problemas.

Reforço negativo nos gatos

O treino por reforço negativo, ou seja, que se baseia em castigos e punições, não deve ser utilizado em nenhuma circunstância, especialmente em gatos, pois são animais que stressam facilmente e podem facilmente adoecer devido ao stress, e à baixa de imunidade.

O treino com reforço negativo pode também levar a que um gato tenha alterações comportamentais e desenvolva agressividade. E, resolver problemas de agressividade em gatos pode ser bastante complicado mesmo com a ajuda de medicamentos e médicos veterinários especialistas em comportamento animal, pois são tratamentos que levam bastante tempo e necessitam de bastante comprometimento da parte dos tutores.

O melhor a fazer então, é evitar definitivamente castigos e punições, pois para além de não funcionarem com os felinos, ou seja, os gatos não vão passar a fazer o que lhes pede por levarem uma palmada ou gritar com eles, pode também provocar problemas sérios difíceis de resolver.

O reforço negativo em gatos pode também levar a perda de ligação entre gatos e humanos, fazendo com que os felinos percam a confiança nas pessoas.

O facto de utilizar a punição verbal, como gritar com o gato, pode também ter um efeito contrário ao pretendido. Quando o gato tem um comportamento errado, se gritar com ele pode estar a dar-lhe uma atenção que seria desejada pelo gato. O que vai fazer com que este repita novamente o comportamento para que o tutor lhe dê atenção.

Reforço positivo nos gatos

Pelo contrário, o reforço positivo é bastante bem aceite pelos felinos e cria uma ligação gato-tutor maior, estimula a mente do felino e ajuda efetivamente a que o gato aprenda os comportamentos pretendidos de uma forma saudável.

Como utilizar o reforço positivo nos gatos?


reforco positivo nos gatos gato no arranhador

De início deve começar por dar uma recompensa ao seu gato de cada vez que este tiver um comportamento desejado. Por exemplo, se não quiser que o seu gato arranhe as mobílias mas sim o seu arranhador, de cada vez que este arranhar o seu arranhador, deve recompensá-lo.

Tal como nos cães, o ideal é que comece a treinar o seu gato o mais cedo possível, de preferência logo em pequeno, pois dessa forma irá habituar-se sempre a esse comportamento, sem conhecer nenhuma alternativa.

É importante que, pelo menos, quando inicia esta aprendizagem, repita muitas vezes o mesmo treino, para o animal faça uma associação através da repetição.

O reforço deve ser dado no máximo até 3 segundos depois do comportamento, sob risco de o gato associar esse reforço a outro comportamento erradamente.

No início deve dar a recompensa ao seu gato de cada vez que este realize o comportamento esperado. Quando o comportamento estiver aprendido, pode começar a recompensá-lo apenas de vez em quando. Pode utilizar também um reforço através da voz, incentivando o gato a fazer o que pretende.

Que tipo de recompensa utilizar para o seu gato?

Cada gato tem preferências diferentes, portanto antes de mais deve conhecer bem do que é que o seu gato gosta. Se optar por snacks, biscoitos ou outro tipo de alimento deve sempre confirmar com o seu médico veterinário se é adequado para o seu gato.

Nem só os alimentos são um bom reforço para os gatos. Utilizar outros reforços também pode ser proveitoso e até preferível, como por exemplo fazer festas, escová-los, brincar com eles. Desde que seja algo que o gato goste muito, o reforço positivo pode ser qualquer coisa.

Sempre que o recompensar pode também recompensá-lo verbalmente, para que no futuro possa utilizar apenas o reforço verbal sem utilizar outra recompensa. É importante que utilize sempre o mesmo reforço verbal, independentemente do que diga.

Veja também:

Fonte

1. American Association of Feline Practioners. Positive Reinforcement of Cats, 2012. Disponível em:
https://catvets.com/guidelines/position-statements/positive-reinforcement

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].