Refluxo gastroesofágico: causas, tratamentos e prevenção

O refluxo gastroesofágico dá-se quando o conteúdo do estômago sobe à boca, provocando uma sensação desagradável. Ocorre refluxo de ácido gástrico e enzimas do estômago para o esófago, o que provoca inflamação e dores no esófago. É um problema digestivo comum que pode ser controlado com o tratamento e cuidados adequados.

Refluxo gastroesofágico: causas, tratamentos e prevenção
O refluxo gastroesofágico é uma doença digestiva.

O refluxo gastroesofágico define-se como a passagem do conteúdo gástrico para o esófago, na ausência de vómitos.

Estima-se que cerca de 20% da população do mundo ocidental apresente sintomas de refluxo, sendo os sintomas mais comuns:

  • Azia ou pirose (sensação de queimação);
  • Regurgitação ácida (no qual o conteúdo gástrico atinge a boca);
  • Desconforto no peito;
  • Dor na parte superior do abdómen ou no tórax;
  • Se o conteúdo do estômago alcançar a boca, pode causar dor de garganta, rouquidão, tosse ou uma sensação de nó na garganta.

 

QUAIS AS CAUSAS DE REFLUXO GASTROESOFÁGICO?


refluxo gastroesofagico e acido no estomago

À entrada do estômago, existe uma válvula que permite a passagem dos alimentos do esófago para o estômago, mas que impede que estes voltem para trás.

Se esta válvula funcionar mal pode permitir a subida dos alimentos misturados com o conteúdo ácido do estômago para o esófago – refluxo. Pela sua acidez, provoca irritação das zonas por onde passam e podem originar lesões causando dor com sensação de queimadura.

Qualquer pessoa pode ter refluxo, sobretudo depois de uma refeição mais pesada ou mais condimentada.

Mas há fatores que aumentam o risco:

  • Excesso de peso;
  • Gravidez;
  • Tabagismo;
  • Bebidas com álcool ou cafeína;
  • Alimentos com muita gordura ou ácidos (como os citrinos e o tomate);
  • Stress e fadiga.

 

QUAIS OS TRATAMENTOS PARA O REFLUXO GASTROESOFÁGICO?


homem toma aspirina

Sem tratamento, o refluxo vai danificando o interior do esófago. Portanto, tratar o refluxo gastroesofágico é essencial aquando dos primeiros sintomas.

As situações mais ligeiras podem ser tratadas pela toma de medicamentos que neutralizam o ácido do estômago: os antiácidos. Não devem, no entanto, ser tomados em excesso, ou por tempo prolongado.

Para as situações mais persistentes e mais graves, existem outros medicamentos, muitos deles sujeitos a receita médica, com mecanismos de ação diferente, mas que também ajudam no alívio dos sintomas e das complicações.

QUAIS OS RISCOS DE NÃO TRATAR O REFLUXO GASTROESOFÁGICO – COMPLICAÇÕES:


problemas de estomago

A irritação prolongada da parte inferior do esôfago causada pela repetição do refluxo pode causar:

  • Inflamação do esófago (esofagite);
  • Úlceras do esófago;
  • Estreitamento do esófago (estenose esofágica);
  • Lesões pré-cancerígenas.

 

6 MEDIDAS PARA EVITAR O REFLUXO GASTROESOFÁGICO:


nao fumar

Várias medidas podem ser tomadas para aliviar o refluxo gastroesofágico:

  1. Elevar a cabeceira da cama aproximadamente 15 centímetros pode evitar que o ácido retorne ao esófago durante o sono;
  2. Evitar fumar, café, álcool, alimentos gordurosos, bebidas ácidas e com gás, temperos para salada à base de vinagre;
  3. Evitar substâncias que estimulam intensamente o estômago a produzir ácido ou que retardam o esvaziamento do estômago (hortelã, cebola, alho, picante,…);
  4. Excesso de peso também promove uma maior frequência dos sintomas (os quilos a mais aumentam a pressão sobre a barriga, fazendo com que os ácidos subam mais facilmente pelo esófago);
  5. Fazer várias refeições pequenas ao longo do dia. Com o estômago demasiado cheio, a digestão é mais demorada e aumenta a pressão interna fazendo com que o conteúdo do estômago suba;
  6. Não dormir com o estômago cheio – a última refeição deve ser 2 a 3 horas antes de se deitar para dar tempo à digestão.

Veja também:

Farmacêutica Cátia Rocha Farmacêutica Cátia Rocha

Cátia Rocha é farmacêutica. Como apaixonada pela profissão, acredita na importância da educação para a saúde e num papel interventivo dos profissionais de modo a transmitir conhecimentos que considera importantes e fundamentais para o bem-estar da população. É Mestre em Ciências Farmacêuticas pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde do Norte e exerce atualmente o cargo de farmacêutica na Farmácia Agra.

Cofidis