Linfocitose: sintomas, causas e tratamento desta infeção

O aumento de linfócitos, ou glóbulos brancos, no sangue chama-se linfocitose. Essa situação pode surgir como consequência de várias doenças, como infeções.

 
Linfocitose: sintomas, causas e tratamento desta infeção
Saiba o que é a linfocitose e quais são as suas causas

A linfocitose resulta de uma contagem aumentada de linfócitos. Os linfócitos são glóbulos brancos que fazem o reconhecimento de organismos estranhos (como bactérias, vírus e outras toxinas), iniciando o processo de ativação do sistema imunitário.

Existem três tipos principais de linfócitos: as células B, as células T e as células NK (natural killers).

Os valores de referência dos linfócitos são 1,00 – 3,20 (10^9/L), ou seja, entre 1000 e 3200 por milímetro cúbico de sangue. A elevação da contagem de linfócitos acima deste nível é mais comumente devido a uma linfocitose reativa, ou seja, a resposta normal do organismo a uma infeção aguda ou a uma condição inflamatória.

Uma etiologia menos comum de uma contagem elevada de linfócitos é a linfocitose maligna, onde a contagem de linfócitos se eleva devido a uma doença linfoproliferativa aguda ou crónica.

Em que consiste a linfocitose?


linfocitose analise ao sangue

A avaliação da quantidade de linfócitos no sangue é feita através de um hemograma, ou seja, uma análise ao sangue. Se os valores forem mais altos do que o intervalo suposto, estamos perante uma linfocitose.

Entre sexos e etnias os valores normais não alteram, mas relativamente às idades surgem diferenças. Enquanto nos adultos os valores são considerados altos quando a contagem absoluta de linfócitos é superior aos 4000 por mililitro, em crianças é diferente. Nas mais velhas é quando passa os 7000 por mililitro e em crianças mais novas apenas quando é mais alta do que os 9000 por mililitro.

Quais as causas mais comuns de linfocitose?


linfocitose mulher com gripe

Níveis elevados de linfócitos podem ser evidência de uma das seguintes condições:

  • Infeção (bacteriana, viral ou outra);
  • Cancro do sangue ou do sistema linfático;
  • Distúrbio autoimune que causa inflamação (crónica);

As causas específicas da linfocitose incluem:

  • Leucemia linfocítica aguda;
  • Leucemia linfocítica crónica;
  • Linfomas;
  • Infeção por citomegalovírus (CMV) – vírus da mesma família do herpes;
  • Mononucleose infeciosa (ou doença do beijo, é uma doença contagiosa muito prevalente e em geral benigna causada pelo vírus Epstein-Barr);
  • HIV/SIDA;
  • Gripe;
  • Outras infeções virais.

 

Quais os sintomas mais comuns da linfocitose?


linfocitose mulher com febre

Mesmo com contagens de linfócitos altamente elevados, é incomum que os pacientes desenvolvam sinais e sintomas diretamente atribuíveis à linfocitose.

No entanto, os sinais e sintomas resultantes da condição responsável pela elevada contagem de linfócitos podem ser pistas importantes para ajudar a identificar a doença subjacente. Por exemplo, um jovem paciente com linfocitose no cenário de febre, faringite, cansaço e esplenomegalia (aumento do volume do baço) levaria a preocupação com a mononucleose infeciosa.

Em contraste, um paciente idoso com linfocitose, anemia (diminuição do número de glóbulos vermelhos) e trombocitopenia (diminuição do número de plaquetas) causaria suspeita de leucemia linfocítica crónica.

Assim, muitas vezes a linfocitose é diagnosticada quando o paciente se queixa de uma doença infeciosa, uma vez que o desenvolvimento do processo infecioso provoca um aumento de linfócitos.

Como regra, os sintomas dependem completamente dos motivos que causaram a doença, podendo não aparecer ou serem leves em relação à doença que causou linfocitose. A manifestação dos sintomas depende também do sistema imunitário do organismo.

Tratamento da linfocitose


linfocitose medicamentos

É improvável que uma elevada contagem de linfócitos seja prejudicial. Portanto, identificar a causa subjacente é essencial, pois o tratamento diferirá substancialmente entre causas reativas e malignas.

Por exemplo, a linfocitose reativa devido a uma infeção viral, como na mononucleose infeciosa, não requer nenhum tratamento específico além do cuidado de suporte.

Em contraste, a leucemia linfocítica aguda (LLA) pode apresentar uma contagem elevada de linfoblastos que pode ser facilmente confundida com linfocitose. Reconhecer o porquê de uma elevada contagem de linfócitos é importante, pois no caso desta doença, por exemplo, requer um tratamento rápido com quimioterapia intensiva.

O tratamento da linfocitose dependerá, assim, inteiramente da causa que contribuiu para o seu desenvolvimento. Em regra, medicamentos anti-inflamatórios, antibióticos e antivirais são prescritos. Após curar a doença subjacente, os níveis de linfócitos normalizam.

Em casos mais raros, na presença de neoplasias malignas, a quimioterapia é prescrita ou o transplante de medula óssea é realizado.

Veja também:

Farmacêutica Cátia Rocha Farmacêutica Cátia Rocha

Cátia Rocha é farmacêutica. Como apaixonada pela profissão, acredita na importância da educação para a saúde e num papel interventivo dos profissionais de modo a transmitir conhecimentos que considera importantes e fundamentais para o bem-estar da população. É Mestre em Ciências Farmacêuticas pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde do Norte e exerce atualmente o cargo de farmacêutica na Farmácia Agra.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].