Hérnias abdominais: causas, sintomas e tratamento

As hérnias abdominais consistem no deslocamento anormal do conteúdo abdominal através de uma área de maior fraqueza na parede abdominal. Saiba mais.

Hérnias abdominais: causas, sintomas e tratamento
As hérnias abdominais são bastante comuns, em particular nos homens.

Muitas hérnias abdominais são assintomáticas, no entanto algumas podem tornar-se encarceradas ou estranguladas, causando dor e necessidade de cirurgia imediata.

Hérnias estranguladas são isquémicas (sem fornecimento sanguíneo) em razão da constrição física. Gangrena, perfuração e peritonite (inflamação no tecido abdominal) são insuficiências que daí podem ocorrer. As hérnias encarceradas não são passíveis de ser reduzidas manualmente.

Estas hérnias ocorrem devido a uma zona de fraqueza da parede abdominal, o que permite que parte do intestino ou de outro órgão da cavidade abdominal crie uma saliência para o exterior.

QUAIS AS CAUSAS DAS HÉRNIAS ABDOMINAIS?


hernias abdominais gravida em fim de gestacao

As causas mais comuns de hérnias abdominais são:

  • Obesidade;
  • Gravidez;
  • Atividades como levantar pesos sem cuidado ou apoio;
  • Tosse crónica (que pode ocorrer em algumas doenças como fibrose cística ou infeções pulmonares);
  • Antecedentes familiares de hérnias abdominais;
  • Realização de cirurgia abdominal;
  • Ser do género masculino.

 

QUAIS OS SINAIS E SINTOMAS DAS HÉRNIAS ABDOMINAIS?


hernias abdominais ecografia abdominal

A primeira manifestação de uma hérnia é a deteção de uma saliência por baixo da pele, em regra indolor, mas que pode causar desconforto e que se torna mais evidente durante atividades que impliquem esforço.

As hérnias podem ainda ser detetadas no exame físico de rotina.

As características das hérnias assintomáticas são as seguintes:

  • Inchaço ou plenitude no local da hérnia;
  • Sensação de dor (que irradia para a área da hérnia);
  • Aumento de tamanho com o aumento da pressão intra-abdominal e/ou na posição de pé.

As características das hérnias encarceradas são as seguintes:

  • Aumento doloroso de uma hérnia já existente anteriormente;
  • Não é passível de ser manipulada (espontânea ou manualmente) através da zona de fraqueza da parede abdominal;
  • Náuseas, vómitos e sintomas de obstrução intestinal.

As características das hérnias estranguladas são as seguintes:

  • Os pacientes têm sintomas de uma hérnia encarcerada;
  • Toxicidade sistémica secundária ao intestino isquémico;
  • O estrangulamento é provável se a dor e a sensibilidade de uma hérnia encarcerada persistirem.

 

COMO SE TRATAM AS HÉRNIAS ABDOMINAIS?


hernias abdominais cirurgia

Regra geral as hérnias são tratadas com recurso a cirurgia, com especial importância no caso de haver dor ou desconforto significativos.

Se estivermos perante uma hérnia abdominal totalmente assintomática, o tratamento poderá, no entanto, apenas passar por evitar atividades que impliquem esforço. É ainda muitas vezes aconselhada a utilização de uma cinta que ajude a reforçar a região abdominal que se encontra enfraquecida.

A recuperação no pós-operatório é relativamente rápida, embora dependa da situação clínica do paciente e do estado da hérnia em causa.

A grande maioria das situações poderá ser tratada em regime de ambulatório (com alta no mesmo dia da cirurgia) ou apenas com necessidade de uma noite de internamento. A recuperação inicial será feita no recobro e na enfermaria, onde serão administrados medicamentos para controlo de possíveis efeitos secundários, os mais frequentes são dor, náuseas e vómitos.

Ao ter alta, o paciente provavelmente verá prescritos medicamentos analgésicos, para tomar de acordo com a dor.

QUAIS OS RISCOS DA REMOÇÃO CIRÚRGICA DA HÉRNIAS ABDOMINAIS?


Embora raros, no pós-operatório podem surgir alguns problemas, tais como:

  • Hematoma (nódoa negra) da ferida operatória;
  • Infeção da ferida operatória;
  • Recidiva/reaparecimento da hérnia;
  • Dor residual ou mantida na região da hérnia;
  • Cicatriz queloide (cicatriz alta e vermelha, mas que se prolonga para fora da cicatriz inicial).

Veja também:

Farmacêutica Cátia Rocha Farmacêutica Cátia Rocha

Cátia Rocha é farmacêutica. Como apaixonada pela profissão, acredita na importância da educação para a saúde e num papel interventivo dos profissionais de modo a transmitir conhecimentos que considera importantes e fundamentais para o bem-estar da população. É Mestre em Ciências Farmacêuticas pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde do Norte e exerce atualmente o cargo de farmacêutica na Farmácia Agra.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].