Publicidade:

Conheça as frutas e legumes que podem causar gases

Existem algumas frutas e legumes que podem causar gases em excesso. No entanto, deverá avaliar a sua tolerância, sem os excluir de imediato da sua dieta.

 
Conheça as frutas e legumes que podem causar gases
Saiba que alimentos estão associados a maior flatulência

A ocorrência de gases no trato gastrointestinal é um processo natural, provocado pelo ar que é ingerido ou pela produção de gás pelos processos bacterianos no intestino grosso. Estes gases podem ser expelidos pela boca ou pelo ânus, neste último caso é designado por flatulência. No entanto, o seu excesso pode causar desconforto e stress.

Um dos principais fatores poderá ser a ingestão de determinadas frutas e legumes que podem causar gases após o processo de fermentação pelas bactérias presentes na microbiota do intestino grosso.

Poderá ocorrer excesso de produção de gás devido à ingestão de determinados alimentos ou quando estamos na presença de uma síndrome de má absorção, isto é, quando existem alterações na absorção dos alimentos ao longo do trato intestinal (1, 2). Assim, no processo digestivo, nomeadamente na fermentação realizada pelas bactérias intestinais, ocorre produção de gás, como o hidrogénio, dióxido de carbono e metano, este último é o responsável pelo odor desagradável.

As principais queixas relacionadas com a cumulação excessiva de gás nos intestinos são a distensão abdominal, a flatulência e dores na região abdominal.

Frutas e legumes que podem causar gases: o que provoca a produção de gás?


Como já referido, uma das principais causas da produção de gás é a fermentação bacteriana dos alimentos que ingerimos. Assim, alguns alimentos estão associados a maior fermentação e a sua ingestão tende a aumentar a produção de gás. Normalmente, estes alimentos apresentam hidratos de carbono de difícil digestão, como são exemplos: as fibras alimentares (por exemplo, a inulina), os açúcares (como a frutose e a lactose) ou álcoois de açúcar (sorbitol) e o amido resistente (1, 3).

Relativamente às as síndromes de má absorção, um exemplo é a intolerância à lactose por défice da enzima responsável pela sua degradação, a lactase, ocorre um aumento da produção de gás pelas bactérias intestinais, podendo originar distensão abdominal (1, 3).

Posto isto, é de notar que nem todos os indivíduos apresentam um aumento da produção de gás com a ingestão dos mesmos alimentos, isto é, cada indivíduo apresenta uma sensibilidade diferente aquando a ingestão de determinado alimento.

Frutas e legumes que podem causar gases: as frutas


taca com cerejas

Algumas frutas estão associadas a maior produção de gás e, portanto, a avaliação da sua ingestão deverá ser considerada na presença de sintomas. Destacam-se as seguintes frutas:

  • Banana – nomeadamente as mais verdes;
  • Maçã;
  • Cerejas;
  • Manga;
  • Uvas passas;
  • Sumos de fruta – elevado teor de frutose.

Em oposição, outras frutas estão associadas a menor produção de gás, como são exemplos os frutos vermelhos, o abacate e a meloa.

Frutas e legumes que podem causar gases: os legumes


Couves de Bruxelas

À semelhança das frutas, existem legumes que estão associados a maior produção de gás e, portanto, a avaliação da sua ingestão também deverá ser efetuada. Destacam-se, assim, os seguintes legumes:

  • Cebola;
  • Alho;
  • Couve de Bruxelas;
  • Aipo;
  • Repolho;
  • Couve-flor;
  • Brócolos;
  • Espargos.

O tomate, a alface, a curgete e o quiabo estão associados, geralmente, a menor produção de gás.

Frutas e legumes que podem causar gases: outros alimentos


Alimentos que podem causar gases

Para além das frutas e dos legumes, existem outros alimentos que devem ser considerados quando existir sintomatologia associada com o excesso de produção de gás, tais como (3):

  • Leite e produtos lácteos;
  • Ovo;
  • Bebidas açucaradas;
  • Leguminosas – por exemplo, soja, feijão e amendoim;
  • Cereais integrais;
  • Milho e cevada;
  • Produtos dietéticos “sem açúcar” – com edulcorantes.

Dicas para diminuir a flatulência


Alimentos que podem causar gases

Para diminuir a flatulência, aqui ficam algumas dicas:

  • Comer mais refeições por dia, com menor quantidade de alimentos por refeição;
  • Comer devagar, mastigando bem os alimentos ingeridos – o processo digestivo começa na boca;
  • Evitar pastilhas elásticas e refrigerantes gaseificados;
  • Fazer exercício físico;
  • Avaliar uma possível intolerância a algum hidrato de carbono (lactose, frutose e/ou sacarose-isomaltose), através de métodos de diagnóstico fidedignos;
  • Diminuir o consumo dos alimentos para os quais apresenta maior sensibilidade, como o feijão e as couves.

Notas importantes

A flatulência é um fenómeno normal, e a sua dimensão raramente constituí um problema grave (2). Alterações na dieta podem ser úteis, mas devem ser ponderadas para não incorrer em possíveis défices de algumas vitaminas e minerais (2).

Como referido anteriormente, existem sensibilidades diferentes perante o mesmo alimento, não devendo evitar o consumo de frutas e legumes que podem causar gases uma vez que são fonte de fibras, vitaminas e minerais essenciais para o correto funcionamento do organismo. O efeito dos alimentos na produção de gás varia de pessoa para pessoa e por isso é necessário avaliar a resposta às modificações da dieta.

Na maioria dos casos, mudanças na dieta e no estilo de vida pode controlar o excesso de produção de gases. Se a produção excessiva de gases e o desconforto forem frequentes, é recomendado que consulte um médico ou nutricionista de forma a avaliar a possível causa.

Veja também:

Fontes

1. Greenberger, N. (2018). “Gases”. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-pt/casa/dist%C3%BArbios-digestivos/sintomas-de-dist%C3%BArbios-digestivos/gases
2. Sociedade Portuguesa de Gastroenterologia. (2019). “Gases do Tubo Digestivo”. Disponível em: https://www.spg.pt/publico/gastrenterologia-saiba-mais/
3. World Gastroenterology Organisation Global Guidelines. (2018). “Dieta e intestino”. Disponível em: https://www.spg.pt/wp-content/uploads/2019/04/diet-and-the-gut-portuguese.pdf

Nutricionista Luís Cristino Nutricionista Luís Cristino

Luís Cristino (CP. 3994N), é nutricionista licenciado em Ciências da Nutrição pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto em 2018. Atualmente exerce funções nas áreas da nutrição clínica e da otimização da performance desportiva.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].