Publicidade:

Como fazer uma correta contagem de hidratos de carbono para controlo da glicemia

A contagem de hidratos de carbono é um método que permite às pessoas com diabetes controlar os níveis de glicemia e, consequentemente, controlar a doença.

 
Como fazer uma correta contagem de hidratos de carbono para controlo da glicemia
Aprenda a controlar a quantidade de hidratos que ingere às refeições.

Os hidratos de carbono são nutrientes energéticos presentes em alguns alimentos indispensáveis para o organismo, e são a principal fonte de energia do nosso corpo. De todos os nutrientes, são eles os que mais afetam os níveis de glicemia após as refeições, daí a importância da contagem de hidratos de carbono.

Um dos principais objetivos nutricionais nas pessoas com diabetes é atingir e manter um bom controlo glicémico de forma a diminuir os efeitos e as complicações associadas à doença.

É do equilíbrio da ação da insulina, da alimentação e da atividade física que resulta o bom controlo dos níveis de glicose no sangue.

Porquê contar os hidratos de carbono?


contagem de hidratos de carbono

Sendo a diabetes mellitus uma doença metabólica crónica caracterizada pela alteração constante dos níveis de glicemia (açúcar no sangue), e sendo os hidratos de carbono presentes nos alimentos um dos nutrientes que mais influenciam a glicemia, é essencial que o doente aprenda a fazer a contagem de hidratos de carbono, em particular no casos que necessita de recorrer à administração de insulina.

A contagem de hidratos de carbono é uma ferramenta que médicos e doentes têm ao seu dispor para atingir o bom controlo da doença, permitindo uma maior flexibilidade na escolha de alimentos, nas quantidades, nos horários e número de refeições.

Desta forma, não só se melhora o controlo glicémico e previne comorbilidades que dele advêm, como se vai ao encontro das necessidades quotidianas das pessoas com diabetes, melhorando a sua qualidade de vida.

Efeitos dos hidratos de carbono na glicemia


contagem de hidratos de carbono medicao da glicemia

O efeito dos hidratos de carbono na glicemia depende de dois fatores principais: a quantidade de hidratos de carbono e tipo de hidratos de carbono.

Para evitar uma sobrecarga no organismo em apenas uma ou duas refeições, é importante que estes nutrientes sejam divididos em 5 a 7 refeições por dia.

Os alimentos que contêm hidratos de carbono e que devem ser incluídos na contagem de hidratos de carbono são:

  • Cereais, derivados e tubérculos;
  • Leguminosas secas (feijão, grão-de bico, lentilha) e frescas (ervilha, fava);
  • Leite e derivados;
  • Fruta e sumos de fruta;
  • Alimentos ricos em açúcar, mel, marmelada, compotas, refrigerantes, entre outros.

1. Quantidade de hidratos

A insulina é uma hormona necessária para o aproveitamento dos hidratos de carbono pelo organismo, pois promove a entrada deste nutriente para o interior da célula, ajudando a regularizar a glicemia e a fornecer a energia necessária a todo o metabolismo celular.

Neste contexto, e para se atingir o bom controlo das glicemias após as refeições, é preciso que haja um bom equilíbrio entre a quantidade de hidratos de carbono ingerida e a quantidade de insulina existente para a absorção desses hidratos de carbono. Isto porque, se houver maior quantidade de hidratos de carbono disponível, é necessária maior quantidade de insulina para a absorção.

2. Tipo de hidratos

Para além da quantidade de hidratos de carbono, também o tipo de hidratos de carbono ou o índice glicémico (que, de forma simplista, representa a capacidade que um alimento tem de elevar o açúcar no sangue e velocidade a que esse hidrato de carbono será absorvido pela célula) vai influenciar a regulação da glicemia.

Como fazer a contagem de hidratos de carbono


contagem de hidratos de carbono balanca com alimentos

A contagem de hidratos de carbono pode ser feita a 2 níveis, consoante os objetivos que se pretende:

1. Contagem Básica

Este primeiro nível foca a consistência da ingestão de hidratos de carbono na alimentação. Consiste na identificação dos alimentos que contêm hidratos de carbono e no ensino da ingestão diária das quantidades adequadas destes nutrientes em cada refeição.

Esta contagem é feita em equivalentes ou porções e cada porção contém cerca de 12g de hidratos de carbono. Desta forma, é possível elaborar menus variados sem alterar a dose dos hidratos de carbono das refeições ou modificar a dose da insulina de acordo com os hidratos que se comem.

É o método indicado para pessoas com diabetes tipo 1 que não fazem insulinoterapia e para aqueles que fazem esquema de insulinoterapia convencional ou como preparação para a insulinoterapia intensiva ou funcional.

2. Contagem Avançada

Na contagem avançada o principal objetivo passa pela quantificação do teor de hidratos de carbono em cada refeição para depois se ajustar a dose de insulina necessária para metabolizar a glicose proveniente desses hidratos. É o método adequado para quem tem de fazer insulinoterapia intensiva ou funcional.

Neste nível de contagem, para além de se ajustar a dose de insulina rápida ao número de porções de hidratos de carbono ingeridas, também se ajusta a quantidade de insulina à glicemia para que se possa corrigi-la, caso seja necessário. Estes valores são definidos pela equipa médica que o acompanha.

Na prática, adiciona-se a quantidade de insulina necessária para a correção da glicemia que se apresenta antes da refeição, à quantidade de insulina necessária para cobrir o número de porções de hidratos de carbono ingeridos nessa refeição. O resultado dessa soma será então a dose total de insulina rápida a administrar na refeição.

Neste contexto, é também importante calcular o rácio Insulina: Hidratos de Carbono (I:HC) que é a quantidade de HC em g que é metabolizada por 1 unidade de insulina e o fator de sensibilidade à insulina (FSI) que é definido como o valor da glicemia em mg/dl que é corrigido por 1 unidade de insulina de ação rápida.

Os rácios I:HC e FSI são determinados individualmente, e podem ser diferentes em cada refeição ou hora do dia.

Assim sendo, os cinco parâmetros necessários para a contagem de hidratos de carbono avançada e para determinar a quantidade de insulina de ação rápida a administrar às refeições (bólus) são então:

  • Glicemia antes da refeição
  • Glicemia que se pretende alcançar no final da refeição
  • Fator de sensibilidade à insulina (FSI)
  • Total de HC da refeição
  • Rácio I:HC

 

Não se esqueça…


Para aprender a fazer a contagem de hidratos de carbono e saber qual a quantidade que necessita por dia e por refeição, recorra a um nutricionista ou dietista e consulte as tabelas de composição dos alimentos, bem como os rótulos dos produtos alimentares.

Veja também:

Nutricionista Rita Lima Nutricionista Rita Lima

Rita Lima é nutricionista, licenciada em Ciências da Nutrição pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto em 2016 e frequentou o Curso de Nutrição no Desporto na mesma faculdade. É membro efetivo da Ordem dos Nutricionistas.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].