Comprimidos para dormir: substâncias ativas mais comuns

Reservamos ao sono algumas horas do nosso dia, mas nem sempre lhe damos a devida importância. Recorrer a comprimidos para dormir pode tornar-se útil para ajudar a ter uma noite de sono mais tranquila.

Comprimidos para dormir: substâncias ativas mais comuns
Saiba que comprimidos para dormir existem e quais as suas diferenças.

Dormir bem e as horas devidas é essencial para um dia com mais energia e boa disposição. Muitas pessoas recorrem a comprimidos para dormir para conseguir ter uma noite de sono reparadora, no entanto é importante perceber alguns pontos antes de recorrer a medicação.

Acontece a qualquer pessoa, em qualquer idade, mas o que importa reter é que, uma pessoa com mais idade, ao contrário de uma criança ou de um jovem adulto, tem menos capacidade de dormir de forma contínua: é normal que durma sete horas, em média, sendo também normal e frequente acordar durante a noite.

Assim, as necessidades de sono variam de indivíduo para indivíduo, sendo importante conhecermos as nossas necessidades, para melhor entender quando existir realmente algum distúrbio de sono.

SUBSTÂNCIAS USADAS NOS COMPRIMIDOS PARA DORMIR


comprimidos para dormir e extrato de plantas medicinais

1. Extrato de raiz de valeriana

Substância mais usada nos comprimidos para dormir. Efeito calmante, com propriedades relaxantes, sedativas e que estimulam o sono.

2. Lúpulo

Auxilia no tratamento da agitação, ansiedade, taquicardia e perturbações do sono.

3. Passiflora

Fitoterápico indicado para acalmar o nervosismo e combater a ansiedade e a insónia, que pode ser encontrado em forma de comprimidos para dormir em farmácias. Propriedades analgésica, antiespasmódica, refrescante, calmante e hipotensiva.

4. Erva cidreira

Ajuda a garantir uma boa noite de sono, funcionando como um calmante sedativo e relaxante. As suas folhas possuem propriedades tranquilizantes que ajudam a diminuir a taquicardia e até alguns sintomas depressivos.

5. Papoila de Califórnia

É associada com frequência a outras plantas sedativas (raiz de valeriana, extrato de maracujá (passiflora), folhas de erva-cidreira) para o tratamento de insónias.

6. Melatonina

A melatonina está envolvida na coordenação do ciclo do sono, atuando em células de zonas específicas do cérebro e ajudando a que se adormeça. Contribui para diminuir o tempo necessário para adormecer e alivia também a sensação de desfasamento de horários (jet lag).

É uma hormona produzida naturalmente pelo nosso organismo, principalmente quando anoitece, de uma forma mecânica em resposta ao escuro. Se permanecerem luzes acesas durante a noite (ex: computador, televisão, candeeiros, etc), esta hormona não é produzida de forma eficaz, diminuindo assim a sensação de sono. (obs: A produção de melatonina diminui com o envelhecimento).

7. Benzodiazepinas

São medicamentos sujeitos a receita médica utilizados utilizados nas perturbações de ansiedade e insónia.

O tratamento com estes fármacos deve ser o mais curto possível, de acordo com a indicação do médico. Se usados estes comprimidos para dormir, o tratamento não deve ultrapassar o prazo de 2 a 4 semanas. A eficácia a longo prazo destes medicamentos não está demonstrada.

No entanto, o que se verifica é uma larga margem da população a utilizar estes medicamentos de forma crónica, ocorrendo mesmo dependência. Apesar de diversos alertas e recomendações, a utilização de comprimidos para dormir com benzodiazepinas em Portugal tem-se mantido elevada e superior à de outros países.

É importante ressaltar que a suspensão de benzodiazepinas deve ser feita sob supervisão médica e realizada lentamente, pois pode provocar efeitos de privação graves. As recomendações variam desde reduzir em 50% por semana, até diminuir a dose diária entre 10 e 25% de 2 em 2 semanas.

Veja também:

Farmacêutica Cátia Rocha Farmacêutica Cátia Rocha

Cátia Rocha é farmacêutica. Como apaixonada pela profissão, acredita na importância da educação para a saúde e num papel interventivo dos profissionais de modo a transmitir conhecimentos que considera importantes e fundamentais para o bem-estar da população. É Mestre em Ciências Farmacêuticas pelo Instituto Superior de Ciências da Saúde do Norte e exerce atualmente o cargo de farmacêutica na Farmácia Agra.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].