Danielle Paiva
Danielle Paiva
09 Jan, 2020 - 09:18

Tensão pré-menstrual: a síndrome inimiga das mulheres

Danielle Paiva

A tensão pré-menstrual é um conjunto de sintomas físicos e emocionais que se iniciam na semana anterior à menstruação e vão diminuindo com o início desta.

Mulher com sintomas de tensão pré-menstrual
O artigo continua após o anúncio

A tensão pré-menstrual é um conjunto de sintomas que provocam alterações físicas, psíquicas e sociais, comprometendo o relacionamento e afetando a produtividade no ambiente familiar, social, escolar e profissional da mulher. Surgem uma a duas semanas antes do início da menstruação e, muitas vezes, são vistos como “problemas femininos” não como a doença que são.

O ciclo menstrual, que acontece todos os meses, é controlado pelas hormonas femininas e são elas que também causam a tensão pré-menstrual. A prevalência dos sintomas da tensão pré-menstrual é de 75% a 80% nas mulheres em idade reprodutiva com grande variação no número, duração e gravidade dos sintomas (1).

Os sintomas da tensão pré-menstrual

Drenantes: o que são e qual o seu verdadeiro efeito no emagrecimento

Algumas mulheres não apresentam todos os sintomas, outras chegam a ficar de baixa médica. A intensidade e a qualidade dos sinais e sintomas encontrados são muito variáveis de mulher para mulher, e têm sido relatados desde a primeira menstruação até a menopausa (2). Por norma, os sintomas são os seguintes:

  • Acne
  • Disenteria ou diarreia
  • Fadiga
  • Retenção de líquidos
  • Aumento do desejo sexual
  • Dores de cabeça
  • Insónia
  • Dores articulares ou musculares
  • Desejos de comida: doces ou salgados
  • Instabilidade emocional
  • Depressão
  • Aumento do tamanho e da sensibilidade dos seios
  • Dor e inchaço nas pernas e, às vezes, no corpo todo
  • Ganho de peso
  • Aumento do volume abdominal

Diagnóstico da tensão pré-menstrual

O diagnóstico da tensão pré-menstrual, segundo o American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG), inclui como critérios de base a presença de um ou mais sintomas somáticos e/ou emocionais durante os cinco dias que antecedem o ciclo menstrual, ou durante a fase lútea, e desaparecem até ao fim da hemorragia menstrual, em pelo menos quatro de seis ciclos consecutivos, e serem graves o suficiente para causar impacto na vida funcional da doente.

Quando se tem até três desses sintomas presentes (físicos ou emocionais), a tensão pré-menstrual é considerada leve e, até quatro sintomas, moderada (2).

Consequências da tensão pré-menstrual

Como melhorar a sua capacidade de tomar decisões

Com as alterações hormonias, a mulher age de forma anormal durante este período (2):

  • Percepção subjectiva da situação: a mulher diz e faz coisas que sabe serem inadequadas, mas não há controlo. Age de forma irracional, manifestando comportamentos descontrolados e impulsivos
  • Início súbito: torna óbvia a causa para todos, principalmente para os mais próximos, pela repentina mudança de atitude
  • Padrão regular de temperamento e comportamento: irritabilidade, depressão, introversão, insónia e apetite excessivo, que estão presentes todos os meses
  • Sentimentos de inadequação: ansiedade sobre feminilidade e medos de doença mental, por não compreender o que se esta a passar
  • Sintomas físicos: retenção de líquidos, dores de cabeça

A falta da divulgação desta doença e os tabus relacionados com a menstruação fazem com que muitas mulheres sofram deste mal sem procurar ajuda. Muitas vezes, acreditam que todas as mulheres passam pelo mesmo, quando na verdade sofrem com sintomas mais graves e que podem ser tratados.

Tratamento da tensão pré-menstrual

O tratamento  da tensão pré-menstrual vai desde a abordagem conservadora, que exclui medicamentos, até ao tratamento com medicação.

O artigo continua após o anúncio

Dentre as intervenções não medicamentosas, são propostas mudanças no estilo de vida: prática de exercícios aeróbicos e modificações na dieta, com o intuito de amenizar os sintomas e trazer bem estar a mulher.

Em relação à alimentação, há estudos com suplementação de vitamina B6, cálcio e magnésio. O cálcio, presente no leite e derivados pode ajudar a reduzir oscilações de humor, cólicas e diminuir o inchaço abdominal com o período. O magnésio, presente em frutas, hortaliças, grãos e derivados, pode ajudar a diminuir a retenção hídrica e as dores mamárias. Em alguns casos, pode ser necessário o uso de diuréticos, para reduzir a retenção de líquidos.

Recomenda-se para esse período (1):

  • Eliminar açúcar, sal, cafeína, álcool, carne vermelha e outros alimentos gordurosos;
  • Evitar o consumo excessivo de bebidas com gás
  • Diminuir o consumo de enchidos. Além de conterem gordura, têm também grandes teores de sódio
  • Incluir na dieta chás de ervas, pois são eficientes diuréticos. Entre eles: gengibre, canela, chá verde, entre outros
  • Sumos de frutas cítricas, como limão e laranja, são muito bem vindos. Ricos em potássio, são óptimos diuréticos
  • Moderar os condimentos e temperos
  • Comer 4-6 refeições por dia e não pular refeições
  • Beber maior quantidade de líquidos
  • Praticar 20-30 minutos de exercício físico, três vezes/semana (corrida, caminhada, ciclismo, natação)
  • Utilizar técnicas de relaxamento (respiração profunda, ioga, meditação)
  • Repousar no período mais agudo
  • Não planear atividades stressantes para essa fase

Estudos mostram o uso de anticoncepcionais combinados para o alívio dos sintomas, especialmente os que contém drosperinona. Os inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS), os quais incluem fluoxetina, paroxetina, sertralina e outros, são atualmente considerados pertencentes à classe farmacológica mais eficaz no tratamento dos sintomas relacionados à tensão pré-menstrual (2).

Quando deve procurar o médico?

A maior parte das mulheres já sofreu com algum dos sintomas da menstruação, sem necessariamente sofrer de tensão pré-menstrual. Outras, tem sintomas de difícil tratamento, necessitando de avaliação e tratamento médico. Se houver irregularidade no ciclo menstrual ou sintomas relacionados à síndrome, a mulher pode e deve procurar o seu médico.

Fontes

1. BARREIROS, F. (2015). Alimentação, Stresse e Ciclo Menstrual. Universidade Fernando Pessoa. Disponível em: https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/5314/1/PPG_18238.pdf.
2. Tensão pré- menstrual- critérios para diagnóstico. 2018. Federação Brasileira das associações de ginecologia e obstetrícia. Disponível em: https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/422-tensao-pre-menstrual-criterios-para-diagnostico

Veja também