Danielle Paiva
Danielle Paiva
20 Dez, 2019 - 09:25

Quisto do plexo coroideu: um sinal de alerta na gravidez?

Danielle Paiva

O quisto do plexo coroideu é um marcador associado a alterações genéticas que, sozinho, não tem valor de diagnóstico de doença.

Mulher grávida a observar ecografia

O quisto do plexo coroideu é, normalmente, benigno e acaba por desaparecer por si só até o final da gravidez. Este quisto está presente em aproximadamente 1-3% de todos os fetos na ecografia do segundo trimestre e é um marcador com frequente associação a aneuploidias (alterações genéticas), principalmente à Trissomia 18 (também conhecida como síndrome de Edward), e, com menor frequência, à Síndrome de Down (1).

O que é o plexo coroideu?

Quisto do plexo coroideu: um sinal de alerta na gravidez?

Os plexos coroideus dos ventrículos laterais são geralmente simétricos em forma e tamanho, e é aí onde se dá a principal produção do líquido cefalorraquiano (LCR). Este líquido fica dentro de alguns espaços no cérebro e da medula espinhal e ajuda a amortecer e protegê-los de traumas de impacto.

Estes quistos estão localizados no plexo coroideu dos ventrículos cerebrais laterais e são achados discretos e de pequenas dimensões. A presença do quisto no interior dos plexos é facilmente visualizada, particularmente entre a 16ª e 20ª semanas de gestação (1).

O que a presença do quisto do plexo coroideu pode indicar?

O quisto do plexo coroideu não deve ser interpretado como diagnóstico de nenhuma anomalia, mas sim como um gatilho para investigações de outras anormalidades (1).

Como surgem os quistos do plexo coroideu?

Ocorrem devido a uma obstrução dos canalículos do plexo coroideu e não estão associados à ventriculomegalia, aumento dos ventrículos, ou lesão do tecido cerebral. (2)

O acompanhamento Pré-Natal após o aparecimento do quisto do plexo coroideu

Quisto do plexo coroideu: um sinal de alerta na gravidez?

Numa gravidez de baixo risco de aneuploidia, de acordo com o risco calculado previamente (idade  da mãe < 35 anos, translucência nucal normal, teste bioquímico normal, ultrassonografia morfogenética normal), em que é detetado quisto do plexo coroideu isoladamente, não estão recomendadas alterações no seguimento normal. Para além disso, existem estudos nos quais não foi identificado nenhum risco aumentado de atraso do neuro desenvolvimento em fetos morfologicamente normais com quisto do plexo coroideu (1).

Porém, quando há outro marcador ultrassonográfico associado ao quisto do plexo coroideu ou a gestante era considerada de alto risco para cromossomopatias, o risco de anomalia de cromossomas é elevado. A aneuploidia mais frequentemente associada é a trissomia do cromossoma 18, também chamada de síndrome de Edwards, e é uma condição na qual o feto tem três cópias do cromossoma 18, em vez de duas.

A grávida deve receber todas as informações sobre o quisto do plexo coroideu, bem como sobre as repercussões fetais, tipo de abordagem diagnóstica e prognóstico fetal. Deve-se realizar exame ultrassonográfico detalhado do feto (avaliando-se mãos e pés) e exame direcionado do coração fetal. Se forem identificadas anomalias adicionais deve ser oferecida a análise dos cromossomas à paciente.

A amniocentese ou codocentese para estudo cariotípico, só é indicada se outros factores de risco estiverem presentes, tais como: alterações morfológicas ao exame ultra-sonográfico, idade materna avançada ( >35 anos), antecedentes obstétricos de anomalias cromossómicas ou marcadores sorológicos positivos (2).

Conduta obstétrica após o aparecimento do quisto do plexo coroideu

O quisto do plexo coroideu isolado não modifica a conduta obstétrica de rotina sendo a via de parto uma escolha obstétrica. Isto é, não justifica por si só uma cesariana.

Pela ausência de defeitos danosos aos fetos relatados em diversos estudos, não há necessidade de acompanhamento ultrassonográfico nos casos de quisto do plexo coróide isolado. No caso de quistos associados a outros achados ou trissomias, a conduta será diferenciada de acordo com o caso (2).

Como se apresentam os bebés com quisto do plexo coroideu

Em crianças que apresentaram quisto do plexo coroideu isolado, isto é, sem outras alterações morfológicas, o desenvolvimento foi normal, semelhante ao de outras crianças da mesma idade (12).

Veja também

Fontes

1. MARQUES, Maria João. (2018). Marcadores ecográficos do segundo trimestre e rastreio de aneuploidia fetal. Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. Disponível em: https://eg.uc.pt/bitstream/10316/82413/1/trabalho%20FINAL.pdf
2. ARAUJO, Rosemary. (2011). Anomalias Congênitas Do Sistema Nervoso Central: Tumores Intracranianos. Centro de estudos especializado em medicina fetal- Fetus. Disponível em: http://fetus.com.br/pdfs/2011/rosimary-almada.pdf