Mónica Carvalho
Mónica Carvalho
22 Jan, 2020 - 11:45

Portugal com taxa de mortalidade reduzida em doenças evitáveis e tratáveis

Mónica Carvalho

Esta é uma das conclusões do relatório sobre a Situação da Saúde na União Europeia 2019, elaborado pela OCDE e pelo Observatório Europeu de Políticas e Sistemas de Saúde.

portugal com taxa de mortalidade reduzida

O documento destaca a eficiência do Serviço Nacional de Saúde (SNS), que em muito tem vindo a ser contestado nos últimos tempos, assim como o facto de Portugal apresentar uma taxa de mortalidade mais baixa do que a média europeia, quando provocada por causas evitáveis e tratáveis, como o cancro do pulmão, doenças relacionadas com o álcool e acidentes vasculares cerebrais.

O relatório traça o perfil de saúde de 30 países (28 da União Europeia, Islândia e Noruega) destaca ainda indicadores como a Esperança Média de Vida dos portugueses, que atingiu, em 2017, os 81,6 anos, acima da média europeia.
No que diz respeito à vacinação, Portugal apresenta taxas de imunização em crianças contra a difteria, o tétano, a tosse convulsa e sarampo bastante acima do que é praticado nos restantes países da UE.

Rastreios e tratamentos oncológicos

portugal com taxa de mortalidade reduzida resultados

Também na área dos rastreios a doenças oncológicas Portugal encontra-se acima da média: quer para o cancro da mama (84% em Portugal contra 61% na UE) e para o cancro do colo do útero (71% em Portugal e 66% na média europeia).

O relatório destaca ainda evoluções positivas no âmbito do diagnóstico e tratamento de doenças oncológicas, registando-se, consequentemente, melhorias nas técnicas cirúrgicas, na radioterapia e na quimioterapia combinada.

Portugal também apresenta resultados positivos nas taxas de sobrevivência ao fim de cinco anos para alguns cancros tratáveis, estando, inclusivamente, acima da média da UE, sobretudo no que toca aos cancros da mama e da próstata.

Principais conclusões do relatório sobre a situação da saúde na UE

O relatório de acompanhamento revela, em conclusão, algumas das maiores tendências a nível da transformação dos sistemas de saúde dos 28 países da UE, Islândia e Noruega, que exigem reflexão junto das entidades responsáveis:

  • A hesitação em vacinar é uma ameaça para a saúde pública em toda a Europa. Nesse sentido, deve-se apostar num maior esclarecimento das populações e na luta contra a desinformação
  • A transformação digital deve ser adaptada à promoção da saúde e na prevenção de doenças, nomeadamente através da aposta em unidades e equipas de saúde móvel
  • Ainda são muitos os europeus que não têm qualquer acesso a cuidados de saúde
  • Deve haver maior cooperação europeia ao nível da partilha de conhecimentos e ações sobre medicamentos, nomeadamente terapias e estabelecer preços acessíveis

Fonte