Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
01 Ago, 2022 - 11:07

O que não fazer com as crianças nas férias: 7 exemplos

Catarina Milheiro

Excesso de tecnologia ou descuidar das rotinas são apenas dois exemplos do que não fazer com as crianças nas férias.

Chegou a época mais quente do ano e com ela vêm também as férias e atividades em família. O que nos faz questionar o que não fazer com as crianças nas férias e quais são as alternativas existentes.

Trata-se da estação do ano mais aguardada principalmente pelos mais pequenos, em que deixam de ir à escola e passam a passear, brincar muito e também a viajar com a família. Mas, com tudo isso surgem também as preocupações com o bem-estar e saúde das crianças.

Como sabemos é necessário um cuidado extra com todos os pequenos problemas que possam acontecer e se conseguirmos evitar muitos deles, teremos um verão bem mais tranquilo.

Para isso é crucial ficar a par daquilo que não deve fazer com a criançada e que alternativas podem existir. Fique connosco.

7 exemplos do que não fazer com as crianças nas férias

1.

Descuidar da proteção solar

Uma das coisas mais importantes que não deve fazer com as crianças nas férias é descuidar da proteção solar. Afinal, a pele dos mais pequenos é mais sensível aos raios ultravioleta do que a dos adultos.

Independentemente de as férias serem no campo, na cidade ou na praia é crucial manter os cuidados redobrados com o sol. Por isso mesmo, se tiver um recém-nascido (até aos 6 meses de idade), não deve frequentar a praia para evitar queimaduras solares.

Além disto, até aos 36 meses é recomendável manter as crianças à sombra. Após essa idade, saiba que não devem ficar ao sol entre as 10h e as 16h e sempre que possível, devem utilizar roupas com proteção UVA e UVB e boné.

Para uma proteção solar adequada, opte pela aplicação de uma dose generosa de protetor (SPF 50+), que deve ser aplicado cerca de 30 minutos antes da exposição solar. A cada 2 horas repita o processo e reforce a cada ida ao banho.

Desta forma evita possíveis queimaduras e até mesmo insulações devido à exposição solar e protege a saúde e o bem-estar dos mais pequenos.

2.

Não dar líquidos suficientes para garantir uma boa hidratação

As crianças são pequenas e, por isso mesmo, não podemos esperar que estejam sempre a pedir líquidos. Ou porque estão a brincar e nem se lembram, ou porque não querem interromper o que estão a fazer, os cenários podem ser vários.

Assim, é crucial que esteja atento e que ofereça regularmente água, chás gelados ou até sumos de fruta. Uma boa dica passa também por lhe dar alimentos ricos em água: como a melancia, por exemplo.

No caso de o seu filho ter uma diarreia em dias de alto calor, pode desidratar rapidamente. Para evitar este tipo de situações, lave as mãos das crianças frequentemente e as suas também, antes de preparar as refeições.

Relativamente aos sinais mais comuns de desidratação, são a língua e lábios secos, diminuição de urina e ainda a falta de elasticidade na pele. Se o seu filho apresentar estes sintomas, ofereça de imediato 1 copo de água com 1 colher de sopa de açúcar e 1 colher de sobremesa com sal.

3.

Não deixar as crianças sozinhas em casa

Sabemos que nem sempre é fácil arranjarmos alguém que tome conta dos mais pequenos nesta época. Mas uma das coisas que não deve fazer é deixá-los sozinhos em casa, principalmente se forem pequenos.

Podemos até pensar que são autónomos o suficiente para ficarem sozinhos por umas horas, mas a verdade é que por serem pequenos não fazem a menor ideia dos riscos que algumas decisões acarretam.

Por isso, se não tiver com quem deixar os seus filhos durante uma tarde, pode sempre optar por inscrevê-los numa atividade que lhes preencha esse horário: uma aula de karaté experimental, natação, ténis, ballet, as opções são várias.

Existem também outras opções como os ATL’s, que são ótimas para a socialização e desenvolvimento das crianças. Contudo, se os custos associados não forem uma opção para o seu budget, pode sempre optar pelas sugestões dadas acima.

4.

Não ter cuidado com a alimentação

Na época mais quente do ano as comidas estragam-se rapidamente. Por isso, o ideal é não comprar alimentos prontos a comer para os seus filhos quando estão fora de casa (na praia, campo ou noutras atividades).

A verdade é que nunca sabemos muito bem como foram preparados ou conservados. Assim, o mais acertado é apostar em marmitas com comidas leves e feitas em casa.

Além disto, importa recordar que a alimentação das crianças deve ser feita à base de legumes, grelhados e frutas – especialmente todas aquelas que sejam hidratantes (melancia, pêra, melão ou maçã, por exemplo).

Evite os tradicionais fritos para levar para a praia e opte por saladas de grão ou feijão frade – todas as crianças adoram e são comidas que não se estragam com facilidade.

5.

Excesso de tecnologia

Quando o assunto é o que não fazer com as crianças nas férias, sem dúvida, oferecer tecnologia em excesso é um erro a evitar.

O mais provável no verão é que as crianças tenham mais tempo para conviverem com as tecnologias que as rodeiam. Contudo, é crucial que os pais mantenham a supervisão e o controlo no tempo que elas passam em frente aos dispositivos.

Seja para jogar, ver vídeos no Youtube ou filmes na televisão, é importante que estabeleça um horário. Por exemplo: entre as 17h e as 18h estão livres para utilizarem as tecnologias que quiserem (tablet, playstation ou outras consolas).

Fora desse horário, não permita que recorram aos dispositivos e experimente criar uma lista com todas as atividades que eles possam fazer: como desenhar, pintar, jogar jogos de tabuleiro em família, ir à praia, passear e muito mais.

6.

Sobrecarregar com atividades

O verão é sinónimo de paz, descanso e tranquilidade. E para as crianças também! Sobrecarregá-las com atividades pode não ser uma alternativa saudável, principalmente se estiverem sempre contrariadas.

O ideal é fazer um planeamento semanal para que seja possível observar o tempo que vão passar em atividades: seja a fazer exercícios escolares para exercitarem como em desportos.

Converse com os mais pequenos e perceba se se sentem verdadeiramente felizes coma rotina que têm levado. Caso repare que precisam de algum descanso, opte por reduzir o tempo de algumas atividades ou até por eliminar alguma delas.

7.

Perdê-los de vista

Perdê-los de vista é, definitivamente, um importante exemplo do que não fazer com as crianças nas férias. Por muito que estejamos sempre atentos, a verdade é que os podemos perder de vista apenas num segundo. E isto não significa que não tivemos cuidado, atenção! Trata-se de algo que pode acontecer a qualquer pessoa, por isso mesmo é necessário redobrar a atenção nestas alturas.

Principalmente em locais movimentados, opte por dar sempre a mão às crianças e combine um ponto de encontro caso alguém se perca. Além disto, explique todas as regras antes de se dirigir a um local diferente, para que todos possam estar em conformidade.

Converse sobre os perigos sem os assustar e, se preferir, pode mesmo colocar uma pulseira no pulso deles, com o seu contacto e outros dados relevantes.

Veja também