Mariana Falcão de Castro
Mariana Falcão de Castro
07 Jul, 2017 - 16:33

11ª Edição do NOS Alive no Passeio Marítimo de Algés – Dia 1

Mariana Falcão de Castro

A 11.ª edição do NOS Alive chegou ontem ao Passeio Marítimo de Algés e dar-nos-á música, brindes e boa disposição até dia 08 de julho.

11ª Edição do NOS Alive no Passeio Marítimo de Algés - Dia 1
O artigo continua após o anúncio

“Uma cidade dentro de uma cidade”. Este ano, esperam-se 165.000 pessoas ao longo dos 3 dias de festival do NOS Alive.

Os bilhetes estão esgotadíssimos há 2 meses mas ainda pode tentar a sua sorte em concursos promovidos por algumas marcas.

NOS Alive: como ir (esqueça o carro, conselho de amigo)

NOS Alive como chegar

A equipa do Vida Ativa foi de autocarro da Carris para o recinto, um dos métodos recomendados pela organização.

Deite por terra a ideia ingénua de levar o carro para o NOS Alive – não vai arranjar sítio para estacionar e o trânsito (a qualquer hora!) é um teste à sanidade.

Saiba aqui mais informações aqui.

O Alegro Alfragide volta a oferecer transporte para o festival. Se tiver bilhete diário ou pulseira de 3 dias, pode estacionar lá o seu carro gratuitamente, e apanhar o autocarro de 30 em 30 minutos, entre as 16h00 e as 03h00, que faz ligação com o recinto.

NOS Alive: a app

NOS Alive app

Denotamos sinceras melhorias na app NOS Alive’17, em comparação com a do NOS Primavera Sound. Mais rápida, funcional e não precisa de internet ou Bluetooth para funcionar.

Assim, pode marcar os seus concertos favoritos (a app envia-lhe notificações por push quando estiverem a começar!) e ainda fica com bastante bateria para tirar selfies no festival do ano.

O artigo continua após o anúncio

NOS Alive: os concertos

NOS Alive concertos

Alt-J, o regresso do filho pródigo

Alt-J voltaram ao palco principal e que regresso! No início, estranhámos a hora – uma banda já com 3 álbuns reconhecidos e aclamados pela crítica, a tocar às 07h da tarde? Mas cedo percebemos que o encaixe foi perfeito.

Trazendo-nos o seu novo “Relaxer”, mais pop e experimental, sem deixar de fora as crowdpleasers dos álbuns “An Awesome Wave” e “This Is All Yours”, preencheram bem o primeiro final de tarde do festival.

“Tesselate”, “Breezeblocks” ou “Matilda” foram as mais ovacionadas.

The XX – o amor recíproco e o melhor concerto da noite

The XX já cá tinham estado no Alive em 2010, no palco Heineken, mas as nossas expectativas não eram elevadas. Receávamos que o palco fosse demasiado grande para a cena intimista da banda. Não podíamos estar mais enganados.

The XX evoluíram e já não são aquela banda tímida e cúmplice que vimos há uns anos. Nos últimos 7 anos, não cresceram apenas profissionalmente, enquanto produtores e músicos, mas como performers para palcos maiores.

Presentearam o público com todos os greatest hits, tocando novas versões, mais eletrónicas e dançáveis de temas antigos, como “Shelter” ou “Infinity” (e que boa surpresa!).

A abertura com “Intro”, foi lógica sem ser forçada e lançou as hostes. Combinando êxitos do 1.º álbum “XX” com o novo e aclamado “I See You”, os festivaleiros renderam-se aos ecléticos e geniais Romy Madley Croft, Jamie Smith e Oliver Sim.

Por entre “Loud Places”, “VCR”, “Crystalised”, “A Violent Noise”, “Say Something Loving”, “Islands” e “On Hold”, alguns dos temas que mais provocaram histeria no público e cujos refrões foram cantados em uníssono, o trio britânico expressava o seu agradecimento a Portugal. E a reciprocidade era palpável.

O artigo continua após o anúncio

The Weeknd

A abrir com um dos trunfos – “Starboy” – , o canadiano The Weeknd trouxe-nos uma performance sem pausas e com muitos apelos ao público.

Sem retirar mérito ao alcance vocal de The Weeknd, achámos o concerto um pouco one-toned e sem grandes reflexos de autenticidade.

Deixou para o fim do concerto a canção que o levou ao reconhecimento mundial “I Can’t Feel My Face”, mas nessa altura já estávamos a caminho de Bonobo. Tal como tantos outros, cantámos e dançámos pelo caminho. O erro aqui foi criar expetativas demasiados altas.

NOS Alive 1 dia

Conclusão do 1º dia de NOS Alive

NOS alive

Saímos do recinto com uma sensação agridoce. Se por um lado, agradou-os o alinhamento e a qualidade dos concertos, os milhares de copos de plástico caídos no chão são uma prova de que a organização ainda não encontrou a forma ótima de diminuir o impacto ambiental do evento.

Após algumas edições, este ano, a Heineken optou por utilizar copos de plástico de origem vegetal e biodegradáveis (menos prejudiciais para o ambiente) em detrimento do copo reutilizável em troca de uma caução, pelos perigos que causa à saúde pública e porque não ficou comprovado que a água gasta na lavagem dos copos causa uma pegada ecológica menor.

Apesar de, na 11.ª edição do NOS Alive, haver diversos caixotes de lixo amarelos para reciclagem de plástico e terem implementado a medida “30 copos de plástico por 1 Tshirt do NOS Alive”, foram poucos os festivaleiros que aderiram.

NOS Alive: o que se espera para hoje

NOS Alive 2 dia

Hoje os portugueses Killimanjaro, Savages, as miúdas Warpaint, as irmãs Falcão Golden Slumbers, The Kills, os esperados Foo Fighters e Parov Stellar sobem aos palcos e não vai querer perder 1 segundo.

Chegue cedo ao Passeio Marítimo de Algés e pode ser que consiga deitar mão às T-shirts, bonés coloridos, sacos, leques, porta-chaves, preservativos e bilhetes para concertos (Sim, leu bem. Procure o espaço da Everything is New, a promotora do evento).

O artigo continua após o anúncio

> Veja aqui os horários dos concertos.