Mónica Carvalho
Mónica Carvalho
02 Jan, 2020 - 11:55

ISEG e Epal juntas na defesa de um ambiente mais sustentável

Mónica Carvalho

A água da torneira é uma forma segura, económica e sustentável de se hidratar e ajudar o ambiente. Assim o dizem ISEG e EPAL.

ISEG e Epal juntas na defesa de um ambiente mais sustentável
O artigo continua após o anúncio

O Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa (ISEG) e a EPAL juntaram-se numa parceria para incentivar o consumo de água da torneira como a opção mais amiga do ambiente, reforçando, assim, a confiança na excelência da qualidade da água distribuída por Lisboa.

Para tal, o ISEG dispõe de jarros de água da EPAL nas áreas internas e garrafas “Tap H2O Torneira” nos auditórios, disponibilizando ainda bebedouros de água da rede pública, de modo a que a mesma esteja acessível a alunos, professores e funcionários.

EPAL torna-se no primeiro operador mundial do setor da água energicamente autossustentável

ISEG e Epal juntas na defesa de um ambiente mais sustentável

As inovações levadas a cabo pela EPAL em prol de um futuro mais sustentável não ficam pelo incentivo ao consumo de água da torneira: o novo projeto implica que a empresa possa produzir a sua própria energia – algo inédito em todo o mundo.

Foi desenvolvido por uma equipa multidisciplinar da EPAL, com o apoio de empresas e instituições de referência – INESCTEC, IST, TUV e INEGI – e irá permitir que a empresa “venha a alcançar a neutralidade de emissões, produzindo a sua própria energia a partir de fontes renováveis, através da instalação de centrais de produção de energia hidroelétrica nas suas condutas de água, eólica e fotovoltaica, retirando ainda partido do storage nos reservatórios existentes.”

Trata-se, assim, de uma verdadeira aposta na sustentabilidade ambiental e económica e que faz parte da estratégia da empresa em, até 2025, tornar-se no “primeiro operador mundial do setor da água energeticamente neutro, reforçando a sua eficiência energética, produzindo energia elétrica a partir de fontes renováveis, resultando na eliminação 38 mil toneladas de emissões de CO2.”