Viviane Soares
Viviane Soares
26 Jul, 2019 - 11:04

Rede de investigação ibérica estuda qualidade e benefícios de alimentos

Viviane Soares

Investigação visa identificar composição fenólica de alguns alimentos, tendo em vista os seus potenciais benefícios para a saúde.

Rede de investigação ibérica estuda qualidade e benefícios de alimentos
O artigo continua após o anúncio

O projeto Iberphenol, financiado pelo INTERREG – POCTEP (Programa de Cooperação Transfronteiriça Espanha-Portugal), integra uma rede de investigação ibérica que se propõe a criar uma base de dados para identificar a composição fenólica de alimentos, como o vinho, azeite ou frutas.

Esta identificação é, na opinião dos responsáveis pela investigação, fundamental para perceber a qualidade dos alimentos e potenciais benefícios que estes podem exercer na saúde.

Em declarações à Lusa, Eduardo Rosa, investigador do Centro de Investigação e Tecnologias Agroambientais e Biológicas (CITAB), da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), referiu que, na base de dados que está a ser criada, já foram inseridas “à volta de 5 mil entradas de quase uma centena de produtos”.

Entre estes produtos, o investigador destacou a uva e os seus derivados como o vinho ou o bagaço, a azeitona e o azeite; a castanha e produtos derivados do castanheiro, como por exemplo a flor; os frutos vermelhos; os citrinos; cerejas; a baga de sabugueiro; plantas aromáticas e medicinais.

Eduardo Rosa destacou ainda as características benéficas para a saúde que são atribuídas aos compostos fenólicos, como o efeito antioxidante, anticancerígeno, cardioprotetor, anti-inflamatório, antienvelhecimento e antimicrobiana. A jusante, a investigação visa também ajudar a potenciar as exportações dos produtos ibéricos.

Veja também: