Danielle Paiva
Danielle Paiva
29 Jan, 2020 - 09:37

Doença de Crohn: uma inflamação crónica no intestino

Danielle Paiva

A doença de Crohn é uma doença inflamatória crónica do intestino. Embora não tenha cura, é possível controlar os seus sintomas e ter uma vida normal.

dor na barriga sintomas

doença de Crohn é uma doença crónica do intestino, que está integrada nas doenças em que o sistema imunitário fica ativado e desencadeia uma resposta inflamatória contra a própria parede digestiva. Está frequentemente associada a deficiências nutricionais severas.

CARACTERÍSTICAS DA DOENÇA DE CROHN

dor pelvica como ultrapassar

Quando uma pessoa com maior risco inerente, com suscetibilidade genética, é exposta a determinados fatores ambientais, o sistema imunitário é inapropriadamente ativado, dando origem à doença de Crohn. As causas são ainda desconhecidas, mas a história familiar aumenta a suscetibilidade para o aparecimento da doença.

O curso clínico da doença caracteriza-se por múltiplas agudizações e remissões. A doença pode afetar qualquer segmento do trato digestivo, desde a boca até o ânus, mas tem maior afinidade para o segmento distal do intestino delgado (ileon terminal) e segmento proximal do intestino grosso. A inflamação poderá atingir toda a espessura da parede intestinal e provocar úlceras no seu revestimento interior.

FATORES DE RISCO

formas para deixar de fumar +

Embora a causa exata da doença de Crohn não seja totalmente conhecida, sabe-se que envolve uma interação entre genes, sistema imunológico e fatores ambientais.

Em pessoas com doença de Crohn, o sistema imunológico monta uma resposta inadequada para o trato intestinal, resultando em inflamação. Fatores ambientais não identificados servem como gatilho a uma resposta imune inadequada.  Alguns deles são os seguintes:

  1. O tabagismo é um fator de risco na doença de Crohn: há um maior risco de aparecimento de doença de Crohn em fumadores, mas o aspeto mais relevante é a influência negativa do tabaco na história natural da doença. O tabaco amplia a gravidade da doença e diminui a resposta à terapêutica.
  2. A história de doença inflamatória intestinal em familiares de primeiro grau tem um impacto importante no risco da doença.
  3. Viver em centros urbanos industrializados (1, 2)

SINTOMAS DA DOENÇA DE CROHN

Dieta para a gastroenterite: em que consiste e o que precisa de saber

Por norma, os sintomas da doença de Crohn são os seguintes:

  • Diarreia
  • Dor abdominal, recorrente após as refeições
  • Sangramento retal
  • Necessidade urgente de defecar
  • Sensação de evacuação incompleta
  • Febre
  • Perda de apetite
  • Perda de peso
  • Fadiga
  • Suor noturno
  • Alterações no ciclo menstrual (1, 2)

DIAGNÓSTICO DA DOENÇA DE CROHN

Linfócitos: conheça os tipos existentes e as respetivas funções

O diagnóstico implica a integração de dados da história clínica com os achados de vários exames complementares de diagnóstico – como análises clínicas, ecografia, TAC, ressonância magnética e endoscopia/colonoscopia, incluindo a colheita de fragmentos de tecido intestinal para biopsia (3).

COMPLICAÇÕES DA DOENÇA DE CROHN

As complicações da doença de Crohn incluem:

  • Fístula: úlceras na parede do intestino que se estendem e causam um túnel (fístula) para outra parte da intestino, pele ou outro órgão
  • Estrita: estreitamento de uma seção do intestino causada por cicatrizes, que podem levar a um intestino bloqueio
  • Abscesso: uma coleção de pus, que pode se desenvolver em abdômen, pelve ou ao redor da área anal
  • Intestino perfurado: inflamação crônica do intestino pode enfraquecer a parede a tal ponto que um buraco se desenvolve
  • Má absorção e desnutrição, incluindo deficiência de vitaminas e minerais

Complicações extra-intestinais:

  • Olhos (vermelhidão, dor e comichão)
  • Aftas
  • Articulações (inchaço e dor)
  • Pele (edemas dolorosos, ulcerações dolorosas e outras feridas / erupções cutâneas)
  • Ossos (osteoporose)
  • Pedras nos rins)
  • Fígado (colangite esclerosante primária, hepatite e cirrose) (2)

TRATAMENTO DA DOENÇA DE CROHN

O tratamento deve ser individualizado, tendo  em conta fatores como a idade, presença simultânea de outras doenças, gravidade, localização e extensão da doença. O tratamento inicia-se pela fase clínica e pode chegar até à fase cirúrgica:

  1. O tratamentos clínico induz e mantém a remissão da doença, ao controlar a inflamação, melhorando a qualidade de vida dos doentes.
  2. A cirurgia é necessária quando o tratamento clínico  é ineficaz no controlo dos sintomas ou quando há uma complicação (obstrução intestinal, perfuração, abcesso ou hemorragia).
  3. A terapêutica nutricional tem como objetivo corrigir a desnutrição e a deficiência de nutrientes e reverter as suas consequências metabólicas e patológicas. De acordo com a fase em que a patologia se encontra podem ser utilizadas, a nutrição entérica (NE) (oral ou por sonda) ou a nutrição parenteral (NP).

O sucesso dos tratamentos depende do diagnóstico preciso, da natureza e extensão da doença, do seu tipo, localização e severidade. Além disso, a terapêutica da doença de Crohn tem que ter em conta a heterogeneidade dos segmentos intestinais envolvidos e a gravidade (1, 2).

Fontes

  1. Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia. Disponível em: https://www.spg.pt/wp-content/uploads/2017/11/171201-Revista-Bem-estar-artigo-doen%C3%A7a-de-Crohn.pdf
  2. Crohns Colitis Foundation. Disponível em: https://www.crohnscolitisfoundation.org/ 
  3. SANTOS, Sandra. 2013. Doença de Crohn: Etiopatogenia, aspetos clínicos, diagnóstico e tratamento. Disponível em: https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/4100/1/TESE%20MESTRADO%20SANDRA%20SANTOS.pdf


Veja também