Farmacêutica Cátia Rocha
Farmacêutica Cátia Rocha
04 Dez, 2017 - 16:44

Conjuntivite bacteriana: como identificar e tratar

Farmacêutica Cátia Rocha

A conjuntivite bacteriana pode ser causada por numerosas bactérias. O tratamento é realizado com antibióticos tópicos, aumentados para antibióticos por via oral em casos mais graves.

Conjuntivite bacteriana: como identificar e tratar
O artigo continua após o anúncio

A conjuntivite bacteriana pode ser causada por uma variedade de microrganismos que infetam a conjuntiva (membrana que alinha a pálpebra e cobre o branco do olho).

A conjuntivite bacteriana é geralmente causada por Staphylococcus aureus, Streptococcus pneumoniae, Haemophilus sp ou, menos comumente, Chlamydia trachom atis.

Neisseria gonorrhoeae causa conjuntivite gonocócica, que geralmente resulta do contacto sexual com uma pessoa que tem uma infeção genital.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA CONJUNTIVITE BACTERIANA?

Os sintomas são tipicamente unilaterais, mas frequentemente espalham-se para o olho oposto dentro de alguns dias. A descarga é tipicamente purulenta.

Quando infetada, a conjuntiva torna-se rosa e os vasos sanguíneos dilatados. Muitas vezes, a descarga faz com que os olhos da pessoa fiquem fechados, especialmente durante a noite.

Na conjuntivite gonocócica adulta, os sintomas desenvolvem-se entre 12 a 48h após a exposição. O edema da pálpebra é bem evidenciado e exsudado purulento é típico. As complicações raras incluem ulceração da córnea, abcesso e cegueira.

COMO EVITAR O CONTÁGIO DA CONJUNTIVITE BACTERIANA?

conjuntivite bacteriana e lavar e desinfetar as maos

A maioria das conjuntivites infeciosas são altamente contagiosas, sendo comum a propagação pela inoculação mão-a-olho.

Para evitar a transmissão de infecção, os pacientes devem usar um desinfetante para mãos e / ou lavar as mãos cuidadosamente depois de tocarem nos olhos ou nas secreções nasais.

Devem particularmente evitar tocar no olho não infetado depois de tocar o olho infetado, evitar partilhar toalhas ou almofadas e evitar nadar nas piscinas. Os olhos devem ser mantidos livres de pus. Crianças pequenas com conjuntivite devem ser mantidas em casa, portanto afastadas da escola, para evitar propagação.

O artigo continua após o anúncio

TRATAMENTO DA CONJUNTIVITE BACTERIANA

antibioterapia

A primeira escolha de tratamento passa sempre por lubrificação ocular abundante e aplicação de compressas frias que ajudam a aliviar a sensação de irritação, uma vez que pode não ser necessário recorrer a antibioterapia, visto ser uma situação autolimitada em indivíduos sem o sistema imunitário comprometido.

O tratamento com antibióticos tópicos (sob a forma de gotas ou gel oculares) está indicado para todas as causas de conjuntivite bacteriana, exceto o gonococo e a clamídia.

Em casos mais graves, poderá ser necessário recorrer à toma de antibióticos por via oral. No entanto, este tratamento surge sempre como alternativa pois a passagem dos fármacos para os tecidos oculares é dificultada por diversas barreiras biológicas, sendo necessário o recurso a doses mais elevadas, com maior risco de efeitos adversos oculares e sistémicos.

4 MEDIDAS IMPORTANTES QUE DEVE TER EM CASA

remocao das lentes de contacto

Existem várias formas de tratar a conjuntivite bacteriana em casa. Estes irão ajudar a aliviar os sintomas:

  1. Remover as lentes de contacto – se usar lentes de contacto, tire-as até que todos os sintomas da infecção tenham desaparecido; não reutilize lentes antigas após a infecção ter desaparecido porque podem ser uma fonte potencial de reinfecção;
  2. Usar colírios lubrificantes – estes são de venda livre em farmácias e podem ser aconselhados pelo farmacêutico para ajudar a aliviar a dor e diminuir as secreções, oferecendo um maior conforto;
  3. Limpar suavemente a secreção purulenta das pálpebras e pestanas – para tal usar compressas pré impregnadas sem conservantes especialmente concebidas para a limpeza ocular;
  4. Lavar as mãos regularmente – esta medida é particularmente importante depois de tocar nos olhos infectados, de modo a evitar a propagação da infecção a outras zonas ou pessoas.

Veja também: