Drª Patricia Azevedo | Médica Veterinária
Drª Patricia Azevedo | Médica Veterinária
05 Mar, 2020 - 06:45

Sabe com que frequência deve fazer análises clínicas a cães e gatos?

Drª Patricia Azevedo | Médica Veterinária
Patrocinado por:

As análises clínicas a cães e gatos podem e devem ser feitas em diversas circunstâncias tanto como ferramenta de diagnóstico como prevenção. Saiba de quanto em quanto tempo deve fazer análises ao seu melhor amigo.

Cão no veterinário a fazer análises

Os animais, tal como nós, podem sofrer de vários problemas de saúde, que podem ser diagnosticados precocemente através de análises clínicas a cães e gatos.

Estes exames podem ser feitos tanto como check-ups regulares, para garantir que o seu melhor amigo está saudável, ou podem ser pedidas pelo médico veterinário caso o animal esteja doente ou com algum sintoma.

Em qualquer dos casos, saiba que a Vetecare dispõe de uma rede de profissionais de medicina veterinária que podem ajudar o seu animal de estimação. Ao subscrever o Plano, desde 13€ por mês para dois animais de estimação, pode ter descontos em consultas de diagnóstico que incluem a colheita de sangue e análises clínicas.

Tipos de análises clinicas a cães e gatos

O que fazer se o seu cão estiver perdido?

Podem ser realizados vários tipos de análises clínicas a cães e gatos, de acordo com o conselho do seu médico veterinário. O tipo de análise varia consoante o que se procura e por vezes é necessário fazer mais do que um tipo de análises para que o médico veterinário consiga chegar a uma conclusão.

1. Análises ao sangue

Dentro das análises ao sangue é possível pesquisar vários parâmetros para garantir a funcionalidade de diferentes órgãos, pesquisar determinados agentes ou ver a quantidade e morfologia de células sanguíneas.

Hemograma

Através do hemograma é possível quantificar o nível de glóbulos brancos (leucócitos) bem como quantificar os diferentes tipos destas células: linfócitos, neutrófilos, monócitos, basófilos, eosinófilos.

Estas alterações permitem ao clínico perceber se existe algum problema de saúde como infeções agudas, crónicas, baixa das defesas, parasitoses, e podem ser indicativas de algumas doenças mais graves como leucemia e cancro.

Também através do hemograma é possível quantificar os glóbulos vermelhos, verificando se existe algum tipo de anemia.

A medicação da quantidade de plaquetas, responsáveis pela coagulação, também pode ser realizada através do hemograma, e é um bom indicativo em termos de coagulação.

Esfregaço sanguíneo

O esfregaço sanguíneo permite observar a morfologia e aspeto das células sanguíneas, que podem indicar diferentes patologias. É também um método utilizado para diagnosticar e observar hemoparasitas (parasitas sanguíneos).

Deteção de agentes infeciosos

Existem diversos agentes infeciosos como vírus, bactérias, fungos, e a maioria destes pode ser detetado através de analises sanguíneas especificas.

Existem várias técnicas de análises ao sangue para deteção destes agentes, o seu médico veterinário irá recomendar aquelas que considerar mais indicadas considerando o animal e o caso em si.

Funcionalidade de órgãos

Através da medição de determinadas enzimas orgânicas ou outros compostos específicos, é possível avaliar a função de órgãos importantes como os rins (através da ureia e creatinina), fígado (enzimas hepáticas), pâncreas, entre outros.

Assim, as análises clínicas a cães e gatos são uma importante ferramenta de diagnóstico para danos nos principais órgãos vitais.

Deteção de alergias

Também é possível fazer testes de alergia aos animais através de análises clínicas a cães e a gatos. Os animais, tal como as pessoas podem sofrer de alergias e manifestar sintomas como espirros, tosse, lacrimejamento ocular, entre outros.

Hormonas

As análises clínicas a cães e gatos permitem a deteção e quantificação de várias hormonas, permitindo digaosticar doenças como hipo e hipertiroidismo, Síndrome de Cushing, Doença de Addison, Diabetes, entre outras.

2. Análises à urina

Também existem diversos tipos de análises à urina, para diferentes efeitos. Através da urina é possível detetar a presença de resíduos, hormonas, compostos orgânicos que permitem ao clínica identificar ou suspeitar de certas patologias.

As análises à urina podem também servir como análises de controlo para diversas patologias crónicas, como no caso dos diabetes.

Também através da urina é possível verificar se existem cálculos urinários ou bactérias.

3. Análises às fezes

É possível fazer análises clínicas a cães e a gatos para identificação de parasitoses ou outras doenças infeciosas.

Análises clínicas a cães e gatos: Quando fazer?

doencas parasitarias em gatos em que consiste

A melhor pessoa para avaliar a necessidade de realização de análises clínicas a cães e gatos é o médico veterinário, portanto, se tem alguma dúvida ou acha que seria melhor fazer análises ao seu melhor amigo, o mais indicado é conversar com o seu médico veterinário.

No entanto, as análises clínicas a cães e gatos devem ser consideradas tão importantes em medicina veterinária como em medicina humana, e, considerando que nas pessoas as análises se fazem rotineiramente para garantir que as pessoas se encontram saudáveis os animais também merecem o mesmo cuidado.

As análises clínicas a cães e gatos podem ser realizadas de várias formas:

  • Rotineiramente, de uma forma preventiva de forma a verificar se o animal está saudável. Neste caso podem ser realizadas em qualquer idade, mas com maior importância a partir dos 7 a 8 anos, em que o animal passa a ser sénior;
  • Como meio diagnóstico em casos que o cão ou gato evidenciam sintomas ou o médico veterinário suspeita de alguma doença, de forma a conseguir providenciar um tratamento;
  • Em doentes com patologias crónicas, como forma de controlo da doença;
  • Preventivamente, para evitar problemas em determinadas situações, como é o caso das análises pré-cirúrgicas, realizadas antes do animal ser submetido a uma cirurgia/ anestesia.

A frequência com que devem ser realizadas dependem de vários fatores, sendo que, por exemplo no caso de patologias crónicas, pode ser necessário que o animal repita as análises em períodos de tempo mais curtos, e posteriormente, caso o animal esteja estabilizado podem passar a ser mais espaçadas no tempo.

Pacientes seniores e doentes crónicos controlados deve realizar análises semestral ou anualmente, como no caso de insuficientes renais ou cães infetados com leishmaniose.

No entanto, em determinadas patologias pode ser necessário a realização de análises clínicas a cães e gatos diariamente, como é o caso da diabetes em que é necessário medir a glicose todos os dias, para controlo da glicémia.

Caso considere que o seu cão tem algum problema de saúde e que deve ser medicado, consulte sempre o seu médico veterinário. E para evitar custos extra, veja as condições do plano de saúde animal da Vetecare.

Fontes

2018 AAHA Diabetes Management Guidelines for Dogs and Cats. Disponível em: https://www.aaha.org/globalassets/02-guidelines/diabetes/diabetes-guidelines_final.pdf

LeishVet guidelines for the practical management of canine leishmaniosis. Disponível em: http://www.leishvet.org/wp-content/uploads/2016/05/LeishVet-guidelines-for-the-practical-management-of-canine-leishmaniosis.pdf

IRIS Staging of CKD – IRIS. Disponível em: http://www.iris-kidney.com/pdf/IRIS_Staging_of_CKD_modified_2019.pdf

Veja também