Publicidade:

Savannah: tudo o que precisa de saber sobre esta raça

A sua aparência exótica não engana. O Savannah é fruto do cruzamento entre um Serval africano e um gato doméstico, o que resulta num dos felinos de estimação mais raros e caros do mundo. Alguns instintos selvagens mantêm-se presentes na sua natureza, mas a raça exige muita atenção humana, criando vínculos com facilidade.

 
Savannah: tudo o que precisa de saber sobre esta raça
Da selva africana para o sofá lá de casa.

O Savannah é um animal híbrido, que possui este nome em homenagem às planícies africanas onde vive um dos seus ascendentes, o Serval, mas também porque era assim que se chamava o gatil que criou a raça.

Para se compreender a percentagem genética do Savannah, existe um sistema de códigos que indica a quantas gerações de distância o animal se encontra do seu ancestral selvagem.

  • F1 (Primeira Geração) – 50% de Serval (pai)
  • F2 (Segunda Geração) – 25% de Serval (avô)
  • F3 (Terceira Geração) – 12,5% de Serval (bisavô)

As gerações podem continuar por aí adiante, contando que, quanto mais longe o Savannah estiver do Serval, menos características físicas e temperamentais deste possui.

Características gerais do Savannah


Grupo: Gatos de pelo curto

País de Origem: Estados Unidos da América

Porte: grande

Peso ideal: de 7kg a 13kg

Cor: dourado, creme, laranja, prateado, castanho, com manchas pretas ou castanhas

Esperança Média de Vida: entre 17 a 20 anos

Preço médio: de 1500€ a 18000€

 

Características específicas do Savannah


Uma das suas características mais interessantes é que, ao contrário da maioria dos gatos, não tem medo da água e costuma até gostar de se molhar, colocando, muitas vezes, as patas no seu bebedouro. Contudo, isto não quer dizer que aceite tomar banho sem reclamar, pelo que o procedimento deve ser feito com calma.

Este gato pode conviver muito bem com outros animais de estimação, embora costume assumir a posição de alfa. Contudo, é preciso ter cuidado com pássaros e outras pequenas mascotes, pois a sua natureza selvagem pode fazer com que os veja como presas.

Este gato não costuma miar com muita frequência, podendo alternar os miados comuns de um gato doméstico com uma espécie de chilrear, como o Serval.

Energia
Inteligência
Tolerância ao frio
Tolerância ao calor
Cuidados de higiene
Queda de pelo
Tendência para problemas de saúde
Facilidade de aprendizagem
Socialização com crianças
Socialização com estranhos
Socialização com cães
Socialização com gatos

Fases da vida do Savannah


Bebé

0 – 24 meses

Adulto

24 meses – 17 anos

Idoso

17 – 20 anos

 

Físico do Savannah


savannah

Com um visual exótico e selvagem, a aparência do Savannah pode variar muito, dependendo da proximidade com o seu ancestral e das linhagens usadas no cruzamento. No geral, pode-se dizer que apresenta uma compleição magra e longa, com pernas compridas e uma cabeça triangular, pequena em relação ao corpo.

As orelhas são grandes e de inserção próxima e alta, apontando para cima (ao contrário de muitas outra raças, em que apontam para os lados). Por trás destas, alguns exemplares possuem uma marca chamada ocelli. A pelagem é formada por manchas iguais às do Serval.

Temperamento do Savannah


Embora tenham herdado alguns instintos selvagens do Serval africano, como a coragem, a curiosidade aguçada, a independência e a vontade de se aventurarem, os gatos Savannah podem ser muito dóceis e ligados aos donos, possuindo um temperamento sociável.

Têm uma forma muito própria de demonstrar carinho e lealdade, não sendo propriamente gatos de colo. Enérgico, inteligente e hábil, está sempre à procura de atividades para se entreter.

Problemas de Saúde do Savannah


Fígado

  • Problemas no fígado.

Outros

  • Sensibilidade a anestesias.

 

Cuidados a ter com o Savannah


Ossos e músculos

  • Como adora saltar, é preciso ter cuidado com o impacto dos seus saltos para evitar lesões nos ossos e músculos. Certifique-se que ele aterra em algo macio, como um colchão ou almofada.

Alimentação

  • Por ser um gato híbrido, algumas pessoas consideram que a melhor maneira de o alimentar é com carne crua, enquanto outras acham que a sua dieta deve ser composta por ração para gatos domésticos. Seja como for, esta raça precisa de uma boa fonte de proteína na sua alimentação.

Pelo

  • Escove o pelo de 15 em 15 dias para o manter brilhante.

 

Origem do Savannah


O primeiro registo de um Savannah deu-se em 1986, quando a criadora Judee Frank cruzou um Serval africano com a sua gata doméstica, dando origem a um animal com características físicas dos dois lados. O cruzamento incomum despertou a curiosidade de outros criadores no final dessa década e no início da seguinte.

Dois deles, Patrick Kelly e Joyce Sroufe, uniram esforços para desenvolver o padrão da raça atual, mas esta só foi reconhecida oficialmente pela TICA (Associação Internacional de Gatos) no início dos anos 2000.

Além do Serval, o Savannah descende de Bengals, Maus Egípcios e Gatos Orientais de Pelo Curto.

Curiosidades sobre o Savannah


Não se conhece animal doméstico mais caro que o Savannah das primeiras gerações, pois é complicado e oneroso dispor de Servals africanos para produzir o F1, que chega a atingir os 22 mil dólares. Em muitos países, a importação destes animais é proibida, bem como a detenção de híbridos como o Savannah. Além disso, o cruzamento entre as duas espécies também não é fácil.

Os Savannah F1 e os machos F2 chegam a ser 2,5 vezes maiores que a maioria dos gatos domésticos. O Guiness World Records registou mais do que uma vez um gato Savannah como o mais alto do mundo.


Conheça mais raças de gatos:

Todas as raças de gatos

Todas as
raças de gatos

Raças de gatos sem pelo

Raças de gatos
sem pelo

Raças de gatos de pelo curto

Raças de gatos
de pelo curto

Raças de gatos de pelo longo

Raças de gatos
de pelo longo

Mafalda Braga Mafalda Braga

Depois da licenciatura em Comunicação Social e Cultural e do mestrado em Media e Jornalismo, tirados na Universidade Católica Portuguesa, fez um estágio na extinta Rádio Clube Português e outro na Revista Máxima, onde ficou a trabalhar durante cinco anos e meio. Passou ainda pela Revista Must, suplemento do Jornal de Negócios, e atualmente é jornalista freelancer. Além desta área, tem uma grande paixão por cinema, viagens, animais e comida, de preferência com muito sol a acompanhar.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].