Publicidade:

Sarna em animais: tipos e sintomas para estar atento no seu melhor amigo

A sarna em animais é uma doença de pele causada por ácaros que pode afetar também humanos. Esteja atento aos sintomas e conheça melhor esta doença.

Sarna em animais: tipos e sintomas para estar atento no seu melhor amigo
O prurido intenso carateriza esta doença

A sarna em animais é uma infeção dermatológica, ou seja, uma doença de pele, causada por um tipo de parasitas, os ácaros.

O ácaros são pequenos ectoparasitas, observáveis apenas ao microscópio. Estão presentes, normalmente, na pele de animais e plantas podendo causar diversas doenças consoante o tipo de ácaro e o animal em questão.

Diferentes tipos de sarna


sarna em animais cao com sarna

Consoante o tipo de ácaro que afeta a pele e pelo do animal, este irá desenvolver diferentes tipos de doença.

1. Sarna Sarcóptica

Esta doença é também conhecida por Escabiose, pois é causada por um ácaro denominado de Sarcoptes Scabiei. Esta doença pode afetar tanto cães como gatos, mas é muito raro afetar os felinos.

Também pode afetar o Homem, sendo por isso uma zoonose, doença transmissível entre animais, humanos e vice-versa.

É portanto uma patologia que compromete a saúde pública sendo importante trata-lo de imediato e tomar medidas para diminuir o risco de infeção.

É de fácil transmissão sendo que o simples contacto pode ser o suficiente para contagiar outro animal ou pessoa. O maneio de animais com este tipo de problema de pele deve ser sempre de uma forma cautelosa e com proteção, como por exemplo, através de luvas.

Os ácaros responsáveis por este tipo de doença de pele, “escavam” túneis na pele do seu hospedeiro, perfurando-a. É dessa forma bastante dolorosa e provoca bastante prurido (comichão).

2. Sarna Notoédrica

Esta sarna apenas surge nos gatos, não afetando outras espécies, e é causada pelo ácaro Notoedres Cati.

É um tipo menos frequente apesar de ser altamente contagiosa entre gatos. Pode afetar gatos de qualquer idade quando ocorre contacto direto.

Apresenta uma distribuição de lesões de alopécia (perda de pelo) típica na ponta das orelhas até à base, cara, pálpebras e pescoço.

3. Queiletielose

Este tipo é provocado pelo ácaro Cheyletiella spp. e afeta gatos, cães e coelhos, sendo que é mais comum ser observado em gatos. Esta sarna pode também transmitir-se às pessoas, sendo por isso considerada uma zoonose. É também transmitida por contacto direto através de animais infetados.

É o único ácaro causador de sarna que é possível ver a olho nu e pode ser confundido com caspa. No entanto, se olharmos atentamente, é possível perceber que se move. É por isso conhecida por “caspa andante”.

4. Sarna Otodécica

Esta é uma doença que afeta os ouvidos de cães e gatos, sendo mais comum afetar os gatos. É transmissível através do contacto directo com animais infetados e é causada pelo ácaro Otodectes cynotis.

O ácaro fixa-se na superfície dos ouvidos e parte interna da orelha alimentando-se de detritos celulares. Se não for tratado pode infetar outras zonas do corpo.

5. Sarna Demodécica

Também conhecida por Sarna Negra ou demodicose, afeta sobretudo cães, mas é possível também afetar gatos, causada por Demodex Canis.

É o único tipo de sarna que não provoca prurido, distinguindo-se assim dos outros tipos da doença. Também não é transmissível entre animais nem pessoas.

Este ácaro está presente naturalmente na pele do animal, em pequena quantidade, sem causar complicações, no entanto, devido a qualquer baixa imunitária ou stress pode levar a aumento do número de ácaros e desenvolvem a doença.

O fator genético é também de grande importância pois a predisposição para desenvolver a doença é herdada. Razão pela qual, animais com esta doença não devem ser utilizados para reprodução.

Quais os sintomas da presença de sarna em animais?


sarna em animais cao a cocar se

Regra geral, o sintoma que mais carateriza a sarna em animais é o intenso prurido, sendo normal ver o animal coçar-se intensamente podendo fazer feridas com as próprias unhas e roçar-se até em objetos para aliviar a comichão. No entanto, é importante relembrar que a sarna demodécica não causa comichão nos animais infetados.

Outros sintomas que podem caraterizar a doença são:

  • Eritema, ou seja, vermelhidão da pele;
  • Feridas na pele;
  • Anorexia, deixar de comer;
  • Descamação da pele;
  • Mau odor da pele;
  • Crostas pelo corpo;
  • Alopécia, perda de pelo.

Para cada tipo de sarna é possível que haja variações nos sintomas e as lesões podem-se caraterizar através de localizações típicas no corpo dos animais.

Se notar que o seu animal manifesta algum destes sintomas, deve levá-lo de imediato ao médico veterinário. Na dúvida acerca da doença que poderá ter contagiado o animal, é aconselhável proteger-se e utilizar luvas quando mexer no animal.

Como se diagnostica a sarna em animais?


sarna em animais veterinaria a observar cao

Através do exame clínico realizado pelo médico veterinário é possível perceber se se trata de sarna. O diagnóstico deve ser sempre realizado exclusivamente pelo médico veterinário, pois existem inúmeras doenças de pele que podem causar sintomas semelhantes.

Para confirmar o diagnóstico de qualquer sarna é necessário fazer uma observação ao microscópico de uma amostra de pele que é obtida por raspagem da pele, uma vez que os ácaros se encontram no folículo piloso.

Nesta observação ao microscópio e também possível distinguir os tipos de sarna distintos.

Tratamento da sarna em animais


sarna em animais pipeta em cao

Consoante o tipo de sarna em animais, o tratamento será diferente, daí a importância do diagnóstico.

O tratamento pode passar por administração de injetáveis, toma de comprimidos por via oral, banhos com champô adequado ou colocação de pipetas spot on.

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].