Publicidade:

O seu animal faz necessidades no sítio errado? 4 dicas para evitar que isso aconteça

Se o seu animal faz as necessidades no sítio errado, e por mais que tente não o consegue ensinar qual o local correto, conheça algumas das nossas dicas para dar a volta à situação.

 
O seu animal faz necessidades no sítio errado? 4 dicas para evitar que isso aconteça
O seu animal faz as necessidades no local apropriado?

É muito frequente os cães e os gatos fazerem as necessidades no sítio errado, o que pode acontecer por vários motivos. Para ser possível corrigir este mau hábito, é preciso compreender qual o motivo pelo qual o seu cão ou gato não estão a fazer as necessidades no local apropriado.

Motivos por que o animal faz necessidade no sítio errado


Seja pela idade, falta de ensinamento, ou alguma doença, fazer as necessidades no sítio errado é uma grande dor de cabeça para os tutores e é um problema que tem que ser resolvido.

1. Idade

necessidades no sítio errado

Nenhum animal nasce ensinado, portanto, é perfeitamente normal que o seu cachorro ou gatinho quando são muito pequenos não saibam distinguir o local correto do errado, o que pode levar, a que, muitas vezes, façam necessidades no sítio errado.

Os gatos, são animais que instintivamente aprendem o local correto sem que lhes seja ensinado pelo tutor. Porém, enquanto são pequenos e se estão a adaptar a fazer as necessidades na areia, podem ocorrer alguns acidentes, o que é perfeitamente normal.

Os cachorros, ao contrário dos gatinhos, não aprendem sozinhos, e é necessário ensinar-lhes onde é que é o local considerado adequado para fazerem as suas necessidades, o que pode variar consoante cada tutor.

Uma vez que os cachorros necessitam de uma aprendizagem, e não é algo instintivo e natural, é normal que demore mais tempo a que o seu cachorro aprenda a fazer necessidades no local que o tutor pretende.

Também animais mais velhos, tanto cães como gatos, podem deixar de conseguir fazer as necessidades nos locais corretos, mesmo que o fizessem durante toda a vida, seja por dor ou por perda de alguns comportamentos por demência.

2. Marcação de território

A marcação de território é uma situação muito frequente em machos não castrados, tanto em cães como em gatos, e pode ser um pesadelo para os seus tutores – pois mesmo animais ensinados e que fazem sempre as suas necessidades nos locais adequados, em determinadas alturas podem urinar em vários cantos da casa.

A marcação de território ocorre especialmente em machos não castrados em idade fértil, quando sentem o cio das fêmeas e para comunicarem entre indivíduos da mesma espécie.

Os cães, por norma, fazem marcação de território levantando a pata traseira e urinando, muitas vezes até às pingas, enquanto os gatos o fazem virando-se de costas para os objetos e emitindo um esguicho, conhecido como spraying.

3. Doenças

necessidades no sítio errado

Se o seu animal faz necessidades no sítio errado pode estar doente. Alguns problemas urinários, como infeções, cálculos, insuficiência renal, podem levar a que os animais urinem em locais inadequados, devido à dor ou a não conseguirem aguentar e reter a urina.

Em casos de doenças gastrointestinais que provoquem diarreias profusas, o animal pode também não conseguir aguentar e defecar em locais inapropriados.

4. Falta de limpeza

Os gatos são muito sensíveis ao grau de limpeza da sua caixa de areia. Se considerarem que a caixa de areia está suja, mesmo que seja com os seus próprios dejetos e urina, podem recusar-se a utilizá-la e, em caso de aflição, fazer as necessidades no sítio errado.

5. Medicamentos

necessidades no sítio errado

Alguns medicamentos podem levar a que haja maior produção de urina e consequentemente o animal não consiga retê-la e aguentar. Portanto, se o seu animal começou a tomar algum medicamento e faz necessidades no sítio errado, informe-se com o médico veterinário acerca dos efeitos secundários do medicamento.

4 Dicas para evitar que o seu animal faça necessidades no sítio errado


1. Ensine-o desde pequeno

Já vimos que os gatos, instintivamente adaptam-se a utilizar a caixa de areia a partir de uma determinada idade, sem ser necessária a intervenção do tutor (na maioria dos casos). No entanto, desde cedo, coloque à disposição do gato uma caixa com areia e coloque-o nesse local depois de fazer as refeições ou quando lhe parecer que o gato vai urinar ou defecar. Dessa forma o gato irá entender que existe um local à disposição para fazer as suas necessidades.

Já os cães, deve logo desde cedo, começar a ensiná-lo através do uso de recompensas a fazer as necessidades no local que pretende, seja a rua, ou um determinado local em casa. Quanto mais tarde o cão começar esta aprendizagem, mais tempo irá demorar para assimilar.

2. Nunca o castigue

O treino deve ser sempre à base de reforços positivos, ou seja, de recompensas, e nunca de castigos. Se castigar o seu cão ou gato fisicamente ou gritando com ele, pode assustá-lo e este não irá entender o porquê da repreensão. Pode causar medo e agressividade no animal ao invés de o estar a ensinar.

necessidades no sítio errado

3. Mantenha os locais adequados limpos

Especialmente os gatos, são bastante exigentes com a limpeza da caixa da areia. Assim, garanta que a caixa de areia do seu gato é sempre limpa diariamente para que o gato a possa utilizar.

Tenha também em atenção o tipo de areia que utiliza pois, se não for do agrado de seu felino pode não fazer as necessidades nesse local.

Os cães também não fazem as suas necessidades em locais que já estejam sujos, especialmente dentro de casa. Portanto, é importante garantir uma limpeza regular.

4. Tenha sempre um local adequado disponível

Os cães e os gatos, tal como as pessoas, têm necessidades, e muitas vezes não conseguem reter ou aguentar. Assim,  deve garantir que existe sempre um local onde o cão ou o gato possam fazer as suas necessidades.

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].