Publicidade:

Os espasmos musculares podem afetar a qualidade de vida?

Os espasmos musculares ocorrem geralmente de forma a sinalizar que algo localizado não está bem, bem como provocam rigidez muscular temporária.

Os espasmos musculares podem afetar a qualidade de vida?
Saiba como os prevenir.

Os espasmos musculares não são mais do que simples contrações involuntárias de um músculo ou de um grupo de músculos, de qualquer zona do corpo humano.

Geralmente os espasmos musculares surgem como uma forma de mecanismo de proteção, isto é, a maneira que o nosso corpo tem de se conseguir defender de determinadas lesões, traumas que podem provocar o estiramento muscular, ligamentar ou até óssea, no entanto, podem surgir devido à presença de inflamação local.

É importante que tenha a noção de que existem diferentes tipos de espasmos musculares, sendo o mais conhecido, a famosa e comum, cãibra. Geralmente é causada por desequilíbrio de iões ou sobrecarga muscular.

Em oposição às cãibras, pode surgir outra forma de espasmo muscular indolor, são as mioquimias palpebrais ou as contrações das pálpebras, que são geralmente benignas e ocorrem da exposição ao stress.

Espasmos musculares: causas mais comuns


espasmos musculares gravida com dores musculares

Esta situação pode ser provocada por um conjunto diferente de causas, tais como:

  • Stress;
  • Carga excessiva muscular;
  • Atividade física intensa;
  • Trauma súbito;
  • Estiramento muscular ou dos ligamentos;
  • Má qualidade do sono;
  • Desidratação (devido a distúrbios hidroeletroliticos);
  • Gravidez (devido à diminuição dos níveis de cálcio);
  • Consumo excessivo de bebidas alcoólicas;
  • Hipoglicémias (baixo nível de açúcar no sangue);
  • Consumo de determinados fármacos, como por exemplo os diuréticos, corticosteróides ou os antagonistas dos canais de cálcio;
  • Consumo excessivo de cafeína;
  • Deficiências nutricionais;
  • Tabagismo;
  • Perda de massa muscular;
  • Sedentarismo;
  • Determinadas doenças, tais como:
    • Insuficiência venosa e varizes;
    • Insuficiência renal;
    • Parkinson;
    • Diabetes;
    • Problemas na tiróide;
    • Doenças musculares (por exemplo, distrofia muscular, atrofia muscular espinhal, doença de Lou Gehrig, etc.).

 

Espasmos musculares: sintomas comuns


espasmos musculares dores musculares fortes

Este tipo de contração geralmente é acompanhada de queixas álgicas (dores) súbitas e rigidez prolongada e localizada do músculo, frequentemente durante um curto período de tempo, que aliviam espontaneamente.

Espasmos musculares: tratamento


espasmos musculares relaxamento muscular

Deve apostar nas seguintes atitudes de forma a prevenir o aparecimento dos espasmos musculares, bem como forma de tratamento:

  • Fazer sempre um bom aquecimento e alongamentos antes de iniciar qualquer tipo de exercício;
  • Realizar uma atividade física regular adequada às suas necessidades físicas;
  • Apostar numa boa hidratação oral, principalmente através da ingestão de líquidos como a água ou chás sem cafeína, ou sumos de fruta;
  • Aplicação alternada de uma almofada térmica ou de compressas quentes e frias, pois o calor relaxa o músculo quando começa o espasmo e permite manter o movimento, mas uma compressa de gelo e repouso é útil para regenerar o músculo;
  • Massagem sobre o local da contratura, assim, o músculo relaxa e o fluxo sanguíneo aumenta;
  • Aposte em medidas que ajudem a melhorar a qualidade do seu sono, como por exemplo, diminua os estímulos antes de ir adormecer, promova um ambiente com pouca luminosidade, temperatura agradável e pouco ruidoso;
  • Faça uma alimentação diversificada e equilibrada (não esquecer de incluir frutas, legumes e grãos, uma vez que são boas fontes de potássio, magnésio e cálcio);
  • Diminuir o consumo de cafeína;
  • Reduzir os hábitos tabágicos e alcoólicos;
  • Recorra a técnicas de relaxamento;
  • Acupuntura.

Raramente a presença de espasmos musculares indicam uma situação grave e urgente, no entanto, se os espasmos se tornarem numa situação crónica ou persistente, e que afete sempre os mesmos locais, marque uma consulta médica no seu médico de medicina geral e familiar, neurologista, ortopedista, fisiatra ou com um fisioterapeuta, pois pode indicar algum problema de saúde que precisa ser detetado.

Em casos mais difíceis de controlar, o seu médico pode sugerir a toma de alguns fármacos (anti-espasmódicos) que reduzem os espasmos musculares, no entanto deve cumprir sempre com as indicações médicas e nunca se auto-medicar.

Pode-lhe também ser recomendada a toma de um anti-inflamatório não esteróide (por exemplo, o ibuprofeno), uma vez que reduz a dor, a inflamação e aumenta a vascularização.

Veja também:

Enfª Bárbara Andrade Enfª Bárbara Andrade

Bárbara Andrade é Enfermeira Especialista em Reabilitação e Formadora em várias entidades. Desta forma, tem como princípios a promoção e a educação para a Saúde nas diferentes faixas etárias. Terminou a Especialidade em Enfermagem de Reabilitação na ESEnfCVPOA e exerce atualmente o cargo de enfermeira no CHEDV - HSS.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].