14 Dicas para ensinar valores básicos a crianças

A Convenção sobre os Direitos da Criança reconhece a importância desta ser educada num espírito de paz, dignidade, tolerância, liberdade e solidariedade. Ensinar valores básicos às crianças é uma tarefa de toda a sociedade, em especial dos pais. Mas como deve ser feito este ensinamento? Fique a saber tudo neste artigo!

14 Dicas para ensinar valores básicos a crianças
Já ensinou alguma coisa ao seu filho hoje?

Os pais têm a grande responsabilidade de tornar os seus filhos em seres humanos íntegros em toda a sua plenitude, o que implica, para além de estimular as capacidades físicas e intelectuais dos seus filhos, ensinar valores básicos de cidadania.

As crianças precisam de desenvolver conhecimentos de cultura geral, adquirir competências para saber estar em grupo e para estarem aptas a enfrentar um conjunto variado de situações. Precisam de aprender a gerir conflitos, a compreender o outro, a serem responsáveis e serem cada vez melhores pessoas.

Ensinares valores básicos é o objetivo central da educação na família e visa influenciar positivamente as crianças, dando-lhes oportunidades para refletir sobre os problemas da sociedade. Alguns desses importantes valores são: a autonomia; a responsabilidade; a solidariedade; a cooperação.

A família forma as crianças, pois estas aprendem através dos seus pais, não apenas através do que estes dizem, mas também através da forma como agem. Ensinar valores básicos passa de pais para filhos, desde o dia do nascimento até ao final da vida.

À medida que vão crescendo as crianças começam a compreender melhor a importância de atuar segundo determinados valores, sempre tendo em conta aquilo que aprendem e observam em casa.

14 dicas para ensinar valores básicos a crianças


ensinar valores basicos e cozinhar com filhos

Ensinar valores básicos às crianças requer muita dedicação e exige que os pais sejam modelos desses mesmos valores. Os valores aprendem-se no dia-a-dia, de forma natural, através dos mais pequenos gestos.

1 – Pense no tipo de pessoa que gostaria que o seu filho fosse e atue em conformidade com isso: seja um bom exemplo;
2 – Quando der determinada ordem argumente o motivo para que o seu filho perceba o valor que está subjacente;
3 – O respeito tem que existir entre os pais: saber viver em sociedade é saber respeitar a opinião dos outros; dê esse exemplo em casa; evite os conflitos em frente ao seu filho;
4 – Partilhem as tarefas da casa: mais uma vez, os estereótipos começam na família;
5 – Leia ao seu filho histórias e contos que transmitam valores importantes: transmitem de uma forma simbólica alguns dos limites e das regras de convivência e relacionamento com os outros; converse e discuta com o seu filho o conteúdo e a moral das histórias;
6 – Utilize os jogos e as brincadeiras para transmitir valores;
7 – Elogie o seu filho e incentive-o a enfrentar as suas dificuldades: vai estimular valores de extrema importância – o amor-próprio e a autoestima;
8 – Determine quais as tarefas e obrigações do seu filho, de acordo com a idade: vai aumentar o sentido de responsabilidade; vai perceber que tudo o que se faz tem consequências positivas ou negativas;
9 – Estimule o seu filho a participar nas tarefas domésticas, de acordo com a idade: vai estimular o sentido de partilha e entre-ajuda;
10 – Seja sincero com o seu filho: só assim lhe vai conseguir ensinar o que é a sinceridade; seja digno da confiança do seu filho para que ele também confie em si;
11 – Quando errar assuma e peça desculpa: vai ensinar ao seu filho o conceito de perdão;
12 – Use as experiências do dia-a-dia para conversar sobre valores: quase todos os dias acontecem situações com as quais podemos aprender; utilize-as para refletir juntamente com o seu filho; questione o que faria na mesma situação ou o que achou do procedimento de determinada pessoa, por exemplo;
13 – Encoraje o seu filho a ajudar os outros sempre que possível: elogie-o quando o fizer; incentive-o a ajudar o novo aluno da escola ou a fazer um cartão de rápidas melhoras para o colega que está doente, por exemplo;
14 – Monitorize aquilo a que o seu filho assiste na televisão e na internet: minimize a exposição do seu filho a conteúdos menos adequados.

Veja também:

Psicóloga Ana Graça Psicóloga Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Para além da Psicologia é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que proporcione felicidade!

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].