Publicidade:

Doença de Lyme em cães: tudo o que precisa de saber

A doença de Lyme em cães é transmitida através das carraças. Saiba tudo sobre a doença e como pode proteger o seu melhor amigo desta infeção.

Doença de Lyme em cães: tudo o que precisa de saber
A melhor forma de prevenção é através da desparasitação

As carraças são parasitas externos, que surgem maioritariamente no tempo quente e que se alimentam do sangue dos mamíferos podendo transmitir doenças, como a doença de Lyme em cães e outras.

O que é a doença de Lyme em cães?


doenca de lyme em caes bacteria borrelia

A doença de Lyme é também conhecida por Borreliose. É uma doença causada por uma bactéria, a Borrelia, que é normalmente transmitida através de carraças infetadas.

É uma doença com grande importância a nível de saúde pública por ser uma zoonose, ou seja, uma doença transmissível entre pessoas e animais.

A transmissão ocorre através de carraças infetadas. Existem várias espécies de carraças, no entanto sabe-se que determinadas espécies têm maior propensão para serem transmissoras destas bactérias.

As carraças infetadas fixam-se no hospedeiro através das suas peças bocais, provocando uma lesão nesse local. É necessário que a carraça fique agarrada ao hospedeiro no mínimo entre 12 a 48 horas para que ocorra transmissão, pelo que se a fixação ocorrer durante um período menor, não ocorre transmissão.

As carraças infetam-se quando se fixam num hospedeiro infetado. Pelo que para transmitirem a bactéria, é necessário que se tenham infetado previamente. No entanto, como não é possível saber se a carraça está ou não infetada com alguma doença, o melhor é optar pela prevenção como produtos repelentes.

Sintomas da doença de lyme em cães


doenca de lyme em caes febre alta

Os cães podem ser assintomáticos, ou seja, não manifestar sintomas, apesar de terem a doença. Sendo, desta forma, possíveis animais transmissores mas sem que o tutor se aperceba que está doente.

Os sintomas podem variar, no entanto, a doença carateriza-se pelo aparecimento dos seguintes:

  • Claudicação (mancar) intermitente, em que regra geral, existe melhoria e depois volta a piorar, devido à inflamação que ocorre nas articulações (artrite);
  • Inchaço das articulações, também pode ocorrer em casos de artrite;
  • Perda de peso;
  • Febres altas;
  • Linfonodos (gânglios linfáticos) aumentados ao que se chama linfoadenopatia;
  • Dores musculares;
  • Vómitos;
  • Prostração, que em alguns casos pode ser o único sinal;
  • Aparecimento de uma mancha vermelha no local da picada;
  • Problemas respiratórios em alguns casos;
  • Sintomas neurológicos;
  • Problemas cardíacos, apesar de ser raro;
  • Dor abdominal;
  • Hematúria, presença de sangue na urina;
  • Anemia severa, devido à destruição de glóbulos vermelhos;
  • Insuficiência renal.

 

Diagnóstico de doença de Lyme em cães


doenca de lyme em caes analises sanguineas

É normal, durante o exame físico e inspeção do animal, o médico veterinário observar a presença de carraças. No entanto, a não observação de carraças não significa que se possa descartar a possibilidade da doença, uma vez que a carraça pode já ter sido eliminada.

Através dos sinais clínicos, e especialmente se for detetável a presença de carraças, o médico veterinário irá de imediato suspeitar desta ou outra doença transmitida através destes parasitas, com sintomas semelhantes.

O diagnóstico da doença pode ser realizado através de exames ao sangue específicos que detetam a presença da bactéria. Este exame é útil, também, no sentido em que existem outras doenças transmitidas por este vetor que podem ser confundidas e através deste exame é possível distingui-las.

O médico veterinário também poderá recomendar análises como hemograma para verificar a presença de anemia, e análises à ureia e creatinina para saber se o rim está afetado.

A ecografia pode ser um método de diagnóstico útil, para perceber que órgãos estão afetados e qual a gravidade.

Tratamento da doença de Lyme em cães


doenca de lyme em caes cao a tomar antibiotico

O tratamento da doença de lyme em cães é feito à base de antibióticos, prescritos pelo seu médico veterinário após a confirmação do diagnóstico.

É provável que o seu cão tenha que tomar este medicamento durante várias semanas e é muito importante que não interrompa o tratamento.

Caso o animal tenha muitas dores, especialmente se desenvolver artrite e tiver dificuldade em andar o médico veterinário também irá prescrever anti-inflamatórios e analgésicos, de forma a manter o animal confortável e sem dores.

O tratamento dos sintomas que surgem associados à doença deve ser feito de acordo com os sinais que o animal apresenta. No caso de o animal desenvolver problemas renais pode ser necessário a hospitalização do animal e fluidoterapia (soro).

Em casos de anemia severas pode ser necessário recorrer a transfusões de sangue no seu cão.

Saiba mais sobre dádivas de sangue em cães e gatos aqui >>

Prevenção da doença de Lyme em cães


doenca de lyme em caes pipeta spot on

Uma vez que a transmissão ocorre através das carraças, o melhor é impedir que o seu cão apanhe carraças.

Utilize produtos desparasitantes, conforme a recomendação do seu médico veterinário, sob a forma de coleiras, comprimidos, pipetas spot-on ou injetáveis, nos períodos de tempo indicados.

Não se esqueça que as doenças transmitidas por carraças, nomeadamente a borreliose, são zoonoses, e para além dos animais transmitem as pessoas, por isso a desparasitação externa é um cuidado que deve ter não só pelo seu melhor amigo mas também por si e pelas pessoas.

Saiba mais sobre como eliminar pulgas e carraças aqui >>

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].