Publicidade:

Diminuir o inchaço abdominal com o período: formas para reduzir esse incómodo

Estima-se que cerca de 70% das mulheres sofram com este sintoma. Diminuir o inchaço abdominal com o período é possível, mas com hábitos de vida saudável.

 
Diminuir o inchaço abdominal com o período: formas para reduzir esse incómodo
Saiba como evitar o tão desagradável inchaço durante a menstruação

Diminuir o inchaço abdominal com o período pode não ser uma tarefa tão complicada, se os hábitos corretos forem adotados. O inchaço abdominal afeta a maior parte das mulheres, pois está associado a síndrome pré-menstrual, que atinge de 75 a 95% nas mulheres em idade reprodutiva.

A atividade cíclica ovariana e os efeitos do estradiol e progesterona sobre os neurotransmissores presentes no cérebro , apresentam-se como um dos possíveis mecanismos fisiopatológicos que precipitariam a ocorrência do síndrome em mulheres mais sensíveis (1).

O síndrome pré-menstrual


inchaço abdominal com o período

Para diminuir o inchaço abdominal com o período, importa primeiro perceber como funciona o síndrome pré-menstrual, a patologia associada ao aumento deste problema.

O síndrome pré-menstrual (SPM), conhecido como tensão pré-menstrual (TPM), é definido como um padrão cíclico de sintomas que causam algum grau de comprometimento, ocorrem na pré-menstruação e tendem a desaparecer logo após o início da menstruação.

As alterações pré-menstruais mais frequentes incluem:

  • Acne;
  • Disenteria ou diarreia;
  • Fadiga;
  • Retenção de líquidos;
  • Aumento do desejo sexual;
  • Dores de cabeça;
  • Insónia;
  • Dores articulares ou musculares;
  • Desejos de comida: doces ou salgados;
  • Instabilidade emocional;
  • Aumento do tamanho e da sensibilidade das mamas;
  • Dor e inchaço nas pernas e, às vezes, no corpo todo;
  • Ganho de peso;
  • Aumento do volume abdominal;

Algumas mulheres não apresentam todos os sintomas, outras chegam a ficar de baixa médica. A intensidade e a qualidade dos sinais e sintomas encontrados são muito variáveis de mulher para mulher, e têm sido relatados desde a primeira menstruação até a menopausa.

Para o diagnóstico de síndrome pré menstrual os sintomas têm de ocorrer exclusivamente na fase lútea do ciclo e desaparecer até ao fim da hemorragia menstrual, em pelo menos quatro de seis ciclos consecutivos, e serem graves o suficiente para causar impacto na vida funcional da doente (2).

Qual a causa do inchaço abdominal com o período?


inchaço abdominal com o período

Tanto o inchaço abdominal quanto a dor nos seios, são causados por alterações fisiológicas que não trazem prejuízos diretos ao organismo e ocorrem devido ao harmónio progesterona, que gera danos nos vasos sanguíneos prejudicando a drenagem e a retenção hídrica, e que causa a sensação de ganho de peso.

É um processo fisiológico normal, que pode ser agravado pela ingestão de alimentos ricos em sódio, pelo pouco consumo de água e pela falta de atividade física.

Além da retenção hídrica, a progesterona também vai interferir  nos intestinos, tornando mais lento o processo para eliminação das fezes e aumentado a quantidade de gases presentes no intestino. Esses gases também vão colaborar para o inchaço abdominal.

Tratamento para diminuir o inchaço abdominal com o período


inchaço abdominal com o período

De entre as intervenções não medicamentosas, são propostas mudanças no estilo de vida, incluindo-se a prática de exercícios aeróbicos e modificações na dieta, com o intuito de diminuir o inchaço abdominal com o período.

Um estudo que avaliou a eficácia do Mat Pilates, demonstrou que após as sessões de pilates, as mulheres obtiveram melhores resultados quando comparados às que não fizeram as sessões de pilates. A melhoria foi observada nos seguintes sintomas: irritabilidade, má concentração, cólicas, insónia, ansiedade, depressão, edema e aumento na vontade do apetite.

Em relação à alimentação, o cálcio, presente no leite e derivados pode ajudar a reduzir oscilações de humor, cólicas e diminuir o inchaço abdominal com o período. O magnésio, presente em frutas, hortaliças, grãos e derivados, pode ajudar a diminuir a retenção hídrica e as dores mamárias. Em alguns casos, poderá ser necessário a toma de diuréticos, para reduzir a retenção de líquidos.

Recomenda-se para esse período:

  • Eliminar açúcar, sal, cafeína, álcool, carne vermelha e outros alimentos gordurosos;
  • Evitar o consumo excessivo de bebidas com gás;
  • Diminuir o consumo de enchidos. Além de conterem gordura, têm também grandes teores de sódio;
  • Incluir na dieta chás de ervas, pois são eficientes diuréticos. Entre eles: gengibre, canela, chá verde, entre outros;
  • Sumos de frutas cítricas, como limão e laranja, são muito bem vindos. Ricos em potássio, são óptimos diuréticos;
  • Moderar os condimentos e temperos;
  • Comer 4-6 refeições por dia e não pular refeições;
  • Beber maior quantidade de líquidos;
  • Praticar 20-30 minutos de exercício físico, três vezes/semana (corrida, caminhada, ciclismo, natação);
  • Utilizar técnicas de relaxamento(respiração profunda, ioga, meditação);
  • Repousar no período mais agudo;
  • Não planear atividades stressantes para essa fase (1).

Quando deve procurar o médico?


A maior parte das mulheres já sofreu com algum dos sintomas da menstruação, sem necessariamente ter o síndrome pré menstrual. Outras mulheres tem sintomas de difícil tratamento e precisam de avaliação e tratamento médico.

Se houver irregularidade no ciclo menstrual ou sintomas relacionados ao síndrome, a mulher pode e deve procurar o seu médico. Muitos destes sintomas tem tratamento e a mulher pode melhorar muito a sua qualidade de vida.

Veja também:

Fontes

1. BARREIROS, F. (2015). Alimentação, Stress e Ciclo Menstrual. Universidade Fernando Pessoa. 2015. Disponível em: https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/5314/1/PPG_18238.pdf.
2. MENDES, N .; SPUZA, A. Alterações Fisiológicas Relacionadas À Síndrome Da Tensão Pré-Menstrual Na Vida Da Mulher. Id on Line Revista Multidisciplinar e de Psicologia, Janeiro de 2017, vol.10, n.33, p. 01-09. Disponível em: https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/593/851

Danielle Paiva Danielle Paiva

Licenciada em Medicina e Farmácia & Bioquímica pelo Centro Universitário de Nilton Lins, Danielle também é Mestre em Engenharia Industrial e Qualidade pela Universidade do Minho. Atualmente é voluntária na Cruz Vermelha onde desenvolve diversas ações de saúde.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].