Publicidade:

9 Causas de conjuntivite no cão: saiba quais são

A conjuntivite no cão é uma inflamação dos olhos muito comum nos nossos patudos. Saiba quais as diferentes causas para este problema e previna-o.

9 Causas de conjuntivite no cão: saiba quais são
Quando não tratada, esta patologia pode resultar em cegueira

A conjuntivite no cão é uma inflamação da mucosa que recobre as pálpebras e a parte branca do olho, a conjuntiva. O animal deve ser avaliado pelo médico veterinário e o tratamento deste problema deve ser iniciado precocemente, sob risco de levar o cão à cegueira.

9 Causas de conjuntivite no cão


conjuntivite no cao leishmaniose

A conjuntivite pode ser causada por um problema local no olho, ou ser uma consequência devido a alguma doença do cão. Conheça algumas das diferentes causas de conjuntivite no cão.

1. Infeciosa

Este tipo de conjuntivite pode ser contagiosa a outros animais, e em determinados casos também a pessoas, dependendo do agente causador da infeção. Aqui entram tanto vírus como bactérias.

2. Doenças secundárias

Algumas doenças podem causar conjuntivite como um sintoma da doença. Por exemplo, nos casos de vírus que provocam esgana, é possível salientar que o vírus afeta mais os cachorros e provoca lesões em vários órgãos, causando também conjuntivite.

Também no caso da leishmaniose, um dos sinais é o aparecimento de conjuntivite, entre outros.

3. Corpos estranhos

A presença de objetos estranhos nos olhos podem provocar irritação e consequente inflamação da conjuntiva, como por exemplo no caso das praganas que se alojam nos olhos, areia, vegetação, entre outros.

4. Irritação

Agentes químicos, pó e certa medicação podem causar inflamação da conjuntiva.

5. Patologias que afetam o olhos

Alguns problemas oculares, como glaucomas, úlceras da córnea e queratoconjuntivite seca podem causar uma inflamação secundária da conjuntiva.

6. Conformação anormal da pálpebra

Caso as pálpebras tenham uma conformação errada, como é o caso de entrópio, em que as pálpebras estão viradas para o interior do olho, e ectrópio, pálpebras descaídas, as pestanas podem bater continuamente no olho, causando uma inflamação na conjuntiva.

Também em casos de crescimento anormal das pestanas pode acontecer, pela mesma razão anterior.

É normal que algumas raças tenham mais predisposição para desenvolver este problema devido à conformação do focinho e pálpebras, como por exemplo os Pugs, Buldogue Francês, Buldogue Inglês, Shar Pei, Chow Chow.

7. Alergias

A conjuntivite no cão pode surgir secundariamente a uma alergia, por exemplo no caso de alergia ao pólen, tal como nas pessoas.

8. Doenças auto-imunes

Patologias em que existe um funcionamento anormal do sistema imunitário, como no caso do pênfigo em cães, podem também ser responsáveis pelo desenvolvimento de conjuntivites.

9. Tumores

É raro que a conjuntivite no cão tenha origem tumoral, no entanto pode acontecer. Em alguns casos as massas podem funcionar como corpos estranhos e irritar a conjuntiva provocando uma reação inflamatória.

Sintomas de conjuntivite no cão


conjuntivite no cao olho do cao infecionado

Independentemente da causa da conjuntivite, os cães irão manifestar os mesmos sintomas caso desenvolvam uma inflamação da conjuntiva.

Estes sinais podem ser facilmente identificados pelo tutor, no entanto o animal deve ser sempre avaliado pelo médico veterinário, para determinar a causa primária, que deve ser corrigida e prescrever o tratamento.

De entre todos os sinais, é possível salientar os seguintes:

  • Fotofobia, sensibilidade à luz;
  • Piscar muitas vezes os olhos;
  • Olhos inchados e vermelhos;
  • Prurido (comichão) nos olhos, nem sempre está presente;
  • Remelas;
  • Secreção ocular purulento amarelada ou esverdeada;
  • Lacrimejamento excessivo;
  • Dificuldade em abrir o olho afetado;
  • Vermelhidão e em alguns casos inchaço da conjuntiva.

Se o seu cão manifestar algum dos sintomas mencionados, deve levá-lo de imediato a uma consulta. As conjuntivites podem evoluir sem tratamento e provocar a cegueira ao cão.

Diagnóstico e tratamento de conjuntivite no cão


conjuntivite no cao soro fisiologico no cao

O diagnóstico é realizado pelo médico veterinário na consulta, através do exame físico, sintomas e história clínica. 9Em alguns casos pode ser necessário realizar exames complementares ao sangue para investigar a causa do problema.

Em nenhum caso deve auto-medicar o seu cão, principalmente se se trata de zonas sensíveis como os olhos. Um medicamento que funciona bem para um animal num caso específico não significa que seja o mais indicado para outro.

Alguns medicamentos são até contra-indicados em determinadas situações, e só podem ser administrados depois de uma avaliação minuciosa do médico veterinário, sob risco de causar sérios danos, como perda de visão. O médico veterinário é o único profissional habilitado a prescrever tratamentos para o seu cão.

Numa fase inicial, pode lavar o olho do cão com soro fisiológico fresco, para ajudar a remover as remelas, e aliviar a ardência e inflamação.
O seu médico veterinário irá prescrever o medicamento mais adequado, normalmente sob a forma de pomada oftálmica ou colírio, para aplicar diretamente no olho do animal.

Dependendo da causa, podem ser prescritos outros medicamentos como antibióticos ou anti-inflamatórios em comprimido.

Quando o prurido e a ardência no olho são muito intensos, pode ser necessário colocar um colar isabelino, de forma a impedir que o cão coce o olho e faça uma ferida.

Caso a causa primária seja uma conformação anormal das pálpebras ou pestanas pode ser necessário submeter o animal a uma cirurgia de correção.

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].