Publicidade:

Cocker Spaniel Americano: tudo o que precisa de saber sobre esta raça

O “Cocker feliz”: é assim que o Cocker Spaniel Americano é conhecido. Um nome que assenta na perfeição a este cão de orelhas compridas e franjeadas, ou não encantasse todos com a sua alegria e vivacidade. Trata-se de uma raça mais adaptada à vida caseira que a variedade inglesa, correspondendo bem aos desejos da família.

Cocker Spaniel Americano: tudo o que precisa de saber sobre esta raça
É uma das raças mais populares nos EUA.

Tal como o nome indica, o Cocker Spaniel Americano foi obtido nos Estados Unidos, através de cruzamentos realizados com o Cocker Spaniel Inglês, do qual se distingue, não só pelo tamanho, mas também pela forma da cabeça, coloração e densidade da pelagem e comprimento das orelhas.

Enquanto o seu “primo” inglês apresenta um instinto de caçador mais aguçado, o Cocker Spaniel Americano possui uma certa aparência aristocrática, que fez dele um cão quase exclusivamente de companhia.

Características gerais do Cocker Spaniel Americano


Grupo: Grupo 8 – Cães Levantadores e Cobradores de Caça e Cães de Água

Finalidade: cão de caça e de companhia

Ambiente ideal: apartamento

País de Origem: Estados Unidos da América

Porte: médio

Altura: de 34cm a 39cm

Peso ideal: de 10kg a 13kg

Cor: preto (uniforme com extremidades em cor de fogo e um pouco de branco no peito); creme, castanho, vermelho (também uniformes); preto e branco, vermelho e branco, castanho e branco (bicolores)

Esperança Média de Vida: entre 12 a 15 anos

Preço médio: de 350€ a 650€

 

Características específicas do Cocker Spaniel Americano


Brincalhão e extrovertido, o Cocker Spaniel Americano passa a maior parte do tempo bem-disposto, exceto quando está longe da família, podendo sofrer muito com a separação. Se deixado sozinho, torna-se barulhento e destrutivo. Por vezes, gosta de ladrar (mais do que o Cocker Spaniel Inglês), o que faz dele um bom cão de alerta, mas não é adequado para a função de guarda.

Comparativamente aos outros Spaniels, não precisa de um espaço muito grande para ser feliz, adaptando-se bem à vida num apartamento, desde que possa sair para um passeio ao ar livre e tenha a sua dose diária de brincadeiras.

Um comportamento habitual neste cão é urinar quando está muito feliz, o que pode ser problemático cada vez que recebe o dono em casa.

Energia
Inteligência
Tolerância ao frio
Tolerância ao calor
Cuidados de higiene
Queda de pelo
Tendência para problemas de saúde
Facilidade de aprendizagem
Socialização com crianças
Socialização com estranhos
Socialização com cães
Socialização com gatos

Fases da vida do Cocker Spaniel Americano


Bebé

0 – 12 meses

Adulto

12 meses – 10 anos

Idoso

10 – 15 anos

 

Físico do Cocker Spaniel Americano


Cocker Spaniel Americano

O Cocker Spaniel Americano é o mais pequeno dos Spaniels, possuindo um corpo curto e compacto, com uma suave curvatura na linha dorsal. Distingue-se bem do seu “primo” inglês na forma do crânio, mais arredondado e com um focinho mais largo e profundo.

A pelagem, sedosa e ligeiramente ondulada, é curta e fina na cabeça, de comprimento médio no corpo e com franjas abundantes nas orelhas, peito, abdómen e membros.

Temperamento do Cocker Spaniel American0


O Cocker Spaniel Americano apresenta um caráter calmo, equilibrado e alegre. Muito dedicado à família, recebe todos os seus elementos com um frenético abanar de cauda. Amável e sensível, dá-se bem com crianças, idosos e outros animais de estimação, sendo até muito usado como cão de terapia.

Como é um pouco tímido e submisso, não responde bem ao tratamento áspero, mas com paciência e carinho, costuma respeitar a autoridade do líder, que deve esperar alguma preguiça e distração da sua parte.

Problemas de Saúde do Cocker Spaniel Americano


Olhos

  • Cataratas.
  • Atrofia progressiva da retina.
  • Glaucoma.

Ossos

  • Luxação rotular.

Pele

  • Seborreia.
  • Alergias.

Ouvidos

  • Otites.

 

Cuidados a ter com o Cocker Spaniel Americano


Pelo

  • Com uma manutenção que dá algum trabalho, deve ser escovado duas a três vezes por semana e aparado nas zonas onde apresenta excesso de pelo (orelhas, patas) a cada dois meses.

Ouvidos

  • As suas orelhas compridas e caídas escondem facilmente sujidade, por isso os ouvidos devem ser verificados uma vez por semana e limpos com um pedaço de algodão humedecido num produto de pH equilibrado.

Olhos

  • Limpar uma vez por semana, pois têm tendência a lacrimejar e a acumular ramelas.

 

Origem do Cocker Spaniel Americano


Tal como o seu “primo” inglês, o Cocker Spaniel Americano descende de cães usados na falcoaria em Espanha, levados depois para Inglaterra, onde foram apelidados de spaniels, que deriva do termo francês espaigneul (espanhol).

No final do século XIX, os americanos começaram a levar para os Estados Unidos alguns exemplares da raça inglesa, que foram cruzados e diminuídos para obter um cão mais eficaz na caça à codorniz, já que o Cocker Spaniel Inglês era especialista em levantar e recuperar galinholas (woodcock em inglês, daí o nome).

Uma outra teoria explica que os americanos pretendiam um cão de companhia de porte mais pequeno e com uma pelagem mais exuberante, em vez de um cão de trabalho. Seja como for, os antigos criadores não gostaram da mudança e as duas raças separaram-se, passando a ser reconhecidas individualmente.

Curiosidades sobre o Cocker Spaniel Americano


O Cocker Spaniel Americano viu a sua popularidade aumentar em 1955, quando estreou o filme de animação da Disney A Dama e o Vagabundo, onde a protagonista era uma cadela dessa raça.

A apresentadora Oprah Winfrey tem três exemplares, mas não é a única apaixonada pela raça: também o músico Elton John e a atriz Charlize Theron se renderam ao Cocker Spaniel Americano.


Conheça mais raças de cães:

Todas as raças de cães

Todas as
raças de cães

Raças de cães pequenos

Raças de
cães pequenos

Raças de cães médios

Raças de
cães médios

Raças de cães grandes

Raças de
cães grandes

Mafalda Braga Mafalda Braga

Depois da licenciatura em Comunicação Social e Cultural e do mestrado em Media e Jornalismo, tirados na Universidade Católica Portuguesa, fez um estágio na extinta Rádio Clube Português e outro na Revista Máxima, onde ficou a trabalhar durante cinco anos e meio. Passou ainda pela Revista Must, suplemento do Jornal de Negócios, e atualmente é jornalista freelancer. Além desta área, tem uma grande paixão por cinema, viagens, animais e comida, de preferência com muito sol a acompanhar.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].