Publicidade:

Cão da Serra da Estrela: tudo o que precisa de saber sobre esta raça

Belo, rústico e imponente, o Cão da Serra da Estrela não deixa ninguém indiferente, sendo a mais internacional das raças portuguesas. Criado durante séculos para proteger rebanhos das condições extremas, desenvolveu uma aptidão especial para a guarda de casas e famílias, defendendo com tenacidade tudo o que está ao seu cuidado.

 
Cão da Serra da Estrela: tudo o que precisa de saber sobre esta raça
O Cão da Serra da Estrela é inteligente, leal e valente.

O Cão da Serra da Estrela apresenta dois tipos de pelagem, sendo que ambas são fortes e ásperas para suportar invernos rigorosos:

  • Curto – pelo liso, de comprimento igual em todo o corpo e sem franjas;
  • Comprido – pelo liso ou ligeiramente ondulado, de comprimento desigual em certas zonas do corpo.

No início do século XX, a variedade de pelo curto existia em maior número, pois não exigia tantos cuidados, mas, hoje, a variedade mais procurada e apreciada é a de pelo comprido, essencialmente por ser mais vistosa e elegante. Desta forma, os criadores concentraram-se mais nesta última, levando a que a primeira passasse a ser rara – representam apenas 10% da raça. Estas duas variedades não devem ser cruzadas.

Características Gerais do Cão da Serra da Estrela


Grupo: Grupo 2 – Cães de tipo Pinscher e Schnauzer, Molossóides, Cães de Montanha e Boieiros Suíços

Finalidade: cão pastor e de guarda

Ambiente ideal: casa

País de Origem: Portugal

Porte: grande

Altura: de 62cm a 75cm

Peso ideal: de 35kg a 60kg

Cor: Unicolor em amarelo, fulvo ou cinza. Lobeiro com tonalidades de fulvo, amarelo e cinza. Tigrado com fulvo, amarelo e cinza, cor de carvão. Máscara de cor negra e marcas brancas na base do pescoço e peitoral.

Esperança Média de Vida: entre 10 a 12 anos

Preço médio: de 500€ a 700€

 

Características específicas do Cão da Serra da Estrela


Como permanecia sempre com o rebanho mesmo quando o pastor se afastava, o Cão da Serra da Estrela desenvolveu um carácter muito independente. Por essa razão, consegue esperar pacientemente em casa várias horas até que o dono regresse, desde que não fique confinado a um espaço pequeno.

Resistentes, estão preparados para enfrentar más condições climatéricas, adaptando-se bem à vida no exterior. Toda esta independência pode resultar numa personalidade dominante, que exige um dono experiente, capaz de manter a posição de chefe da matilha.

Energia
Inteligência
Tolerância ao frio
Tolerância ao calor
Cuidados de higiene
Queda de pelo
Tendência para problemas de saúde
Facilidade de aprendizagem
Socialização com crianças
Socialização com estranhos
Socialização com cães
Socialização com gatos

Fases da vida do Cão da Serra da Estrela


Bebé

0 – 24 meses

Adulto

24 meses – 10 anos

Idoso

10 – 12 anos

 

Físico do Cão da Serra da Estrela


cao da serra da estrela

É um cão de grande porte, com uma aparência rústica e aspeto poderoso. Bem ligada e proporcionada ao corpo, a cabeça é volumosa e imponente, com orelhas de inserção média, triangulares e pequenas, e olhos ovais de expressão atenta e calma.

O peito é largo e a garupa ligeiramente descaída; os membros apresentam uma ossatura forte. A cauda é comprida e grossa, formando um gancho na extremidade.

Temperamento do Cão da Serra da Estrela


O Cão da Serra da Estrela é um cão territorial e dominante, que se mostra desconfiado com estranhos, devendo, por isso, ser socializado com outras pessoas e animais desde muito cedo. Não mostra, contudo, grande agressividade, já que, na sua função original, servia apenas para dissuadir e não para atacar.

Apresenta um temperamento dócil dentro do seio familiar e é tolerante com as crianças, mas tende a escolher um dos membros como líder.

Problemas de Saúde do Cão da Serra da Estrela


Muito devido à forte seleção natural a que esteve exposto, o Cão da Serra da Estrela é, em geral, uma raça saudável e pouco propensa a problemas genéticos. Contudo, precisa de uma alimentação saudável e equilibrada, pois tende a sofrer de obesidade.

Ossos

  • Displasia coxo-femoral e do cotovelo.

Coração

  • Cardiomiopatia.

Estômago

  • Torção gástrica.

 

Cuidados a ter com o Cão da Serra da Estrela


Pelo

  • A variedade de pelo comprido precisa de ser escovada diariamente para desembaraçar nós, ao passo que a de pelo curto exige apenas escovagens semanais. O banho deve ser evitado, visto que danifica a oleosidade protetora da pele.

Ossos

  • Embora a displasia tenha alguma carga genética, os donos podem precaver o aparecimento desta doença, utilizando rações de qualidade, evitando pisos escorregadios e a subida de degraus, e moderando o exercício físico.

 

Origem do Cão da Serra da Estrela


É uma das raças caninas mais antigas da Península Ibérica, devendo o seu nome à região montanhosa portuguesa onde se fixou e desenvolveu. Embora seja difícil determinar a sua verdadeira origem, há quem defenda que possa descender de cães de grande porte, que foram lentamente introduzidos em várias partes da Europa no tempo dos Visigodos.

A sua função primordial era acompanhar os pastores e rebanhos nas suas migrações anuais, defendendo-os de lobos e assaltantes, permanecendo sempre com os animais, mesmo quando o pastor se ausentava para ir à aldeia, por exemplo.

O desaparecimento dos lobos na região e a desertificação do interior levaram a que a raça passasse também a ser utilizada para a guarda de propriedades.

Curiosidades sobre o Cão da Serra da Estrela


Entre as raças portuguesas, é a mais popular do nosso país, sendo aquela que apresenta mais registos no Clube Português de Canicultura. Além disso, é também a mais reconhecida além-fronteiras.

Antigamente, os pastores cortavam a cauda e as orelhas aos Cães da Serra da Estrela.


Conheça mais raças de cães:

Todas as raças de cães

Todas as
raças de cães

Raças de cães pequenos

Raças de
cães pequenos

Raças de cães médios

Raças de
cães médios

Raças de cães grandes

Raças de
cães grandes

Mafalda Braga Mafalda Braga

Depois da licenciatura em Comunicação Social e Cultural e do mestrado em Media e Jornalismo, tirados na Universidade Católica Portuguesa, fez um estágio na extinta Rádio Clube Português e outro na Revista Máxima, onde ficou a trabalhar durante cinco anos e meio. Passou ainda pela Revista Must, suplemento do Jornal de Negócios, e atualmente é jornalista freelancer. Além desta área, tem uma grande paixão por cinema, viagens, animais e comida, de preferência com muito sol a acompanhar.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].