Publicidade:

Tudo sobre cães de assistência

Sabe o que são cães de assistência? Quais as suas funções e o que é necessário para o cão tornar-se num? Então leia o seguinte artigo e fique a saber tudo sobre este tema.

 
Tudo sobre cães de assistência
Alguns cães podem ser treinados para auxiliar pessoas com deficiências

Os cães de assistência são conhecidos por toda a população e existem em todo o mundo, no entanto, ainda são desconhecidas muitas das funções que estes cães podem ter. Para o animal tornar-se num cão desta categoria é necessário a realização de um treino certificado com um grande nível de exigência. Além disso, há animais que são selecionados individualmente devido determinadas caraterísticas.

O que são cães de assistência?


cães de assistência

Os cães de assistência são cães que através de um treino específico possuem determinadas caraterísticas e habilidades que permitem a autonomia e autossuficiência de pessoas com deficiências (motoras, sensoriais, mentais ou orgânicas).

Estes cães prestam apoio físico, emocional e, também, companhia, a estas pessoas. Porém, não podem ser considerados cães de companhia, pois distinguem-se por várias razões, entre as quais ter um treino especifico para determinadas tarefas e demonstrar um maior interesse nas pessoas que auxiliam e no seu trabalho do que os animais de companhia.

Os cães de assistência podem ter várias funções, como:

  • Ajudar na locomoção;
  • Auxiliar sessões de terapia;
  • Prestar apoio físico a pessoas com deficiências sensoriais, como no caso de invisuais ou surdos;
  • Prestar apoio físico, proporcionando equilíbrio e estabilidade da locomoção a pessoas com deficiências física, como pessoas em cadeiras de rodas ou com dificuldade de locomoção;
  • Prestar apoio físico e emocional a pessoas com deficiências mentais, como por exemplo crianças autistas, proporcionando conforto à criança e prevenir ou interromper comportamentos impulsivos ou destrutivos;
  • Prestar apoio físico a pessoas com deficiências orgânicas, indo buscar medicamentos e prestar assistência em situações de ataques como epilepsia;
  • Prestar apoio físico a pessoas com deficiências orgânicas, indo buscar medicamentos e detetando, através do cheiro, crises de hipoglicemia em diabéticos.
  • Proporcionar distração durante procedimentos médicos, em situações de tratamentos médicos recorrentes.

Tipos de cães de assistência

Segundo a legislação portuguesa, DL 74/2007 , são reconhecidas 3 categorias de cães de assistência:

  • Cão-guia, cão treinado ou em fase de treino para auxiliar pessoa com deficiência visual;
  • Cão para surdo, cão treinado ou em fase de treino para auxiliar pessoa com deficiência auditiva, vulgarmente denominado por “cão-sinal”;
  • Cão de serviço, cão treinado ou em fase de treino para auxiliar pessoa com deficiência mental, orgânica ou motora.

De entre os cães de serviço, é possível distinguir 3 subcategorias:

  • Cão de serviço, que auxilia pessoa com deficiência motora;
  • Cão de serviço para crianças com autismo, treinado para auxiliar crianças com PEA (Perturbação do espetro do autismo) e os seus familiares, de forma a apoiar o comportamento da criança e zelar pela sua segurança;
  • Cão de alerta médica, que antecipa crises em pessoas com deficiências orgânicas que podem sofrer de uma crise a qualquer momento e necessitam de apoio durante as mesmas, correndo risco de vida.

Identificação de cães de assistência

Todos os cães de assistência têm que estar devidamente identificados, de acordo com o DL 74/2007, através de um documento oficial que é emitido através de um cartão próprio e distintivo emitido por estabelecimento nacional ou internacional de treino de cães de assistência oficial.

Por norma, os cães de assistência possuem um arnês ou colete com cores variadas, e com a informação de ser um cão de assistência.

À parte destes requisitos, devem também possuir registo, microchip de identificação e boletim de vacinas atualizado, para poderem circular em espaços públicos com segurança.

Cães de assistência: o que é necessário para ser um?


Cães de assistência

Um cão de assistência é selecionado devido a caraterísticas individuais como temperamento calmo, ética de trabalho, comportamentos não agressivos para com pessoas e outros animais e níveis de energia moderados, pois são estas as caraterísticas consideradas ideias para um bom cão de assistência.

Não é obrigatório que os cães utilizados como cães de assistência sejam de raça, até porque consoante o tipo de apoio que prestam pode haver raças mais ou menos indicadas. No entanto, as raças, são as mais utilizadas entre os cães de assistência são:

Importa, contudo, saber que o estatuto de cão de assistência só é reconhecido aos cães treinados em estabelecimentos credenciados que utilizem treinadores especificamente qualificados, registados e credenciados no Instituto Nacional para a Reabilitação.

Processo de treino

O processo de treino dos cães de assistência é demorado e tem que ser realizado por estabelecimentos credenciados. De acordo com o tipo de treino, pode chegar a alongar-se entre 1 a 2 anos, sendo que só é possível começar a treinar um cão a partir das 8 semanas.

Durante o período de treino, o cão está entregue a uma família de acolhimento, devidamente identificada também, e recebe visitas regulares do treinador certificado.

Quem pode ter cães de assistência?


As únicas pessoas que podem ter cães de assistência são pessoas que necessitem deles por serem portadoras de deficiência motora, sensorial, orgânica ou emocional. Para terem direito a um cão de assistência devem ser portadoras de um atestado da sua situação.

O treino e certificação de um cão de assistência pode variar entre os 5000 e os 17000€, consoante o tipo de treino e função a desempenhar, o que faz com que muitas vezes, nem toda a gente que necessita deste apoio o consiga.

No entanto, devido ao elevado custo que envolve o treino e certificação de cães de assistência, existem associações que atuam no sentido de realizar recolhas de fundos, donativos e apoios para que este tipo de apoio chegue a mais pessoas, apesar das listas de espera serem grandes.

Veja também:

Fontes

1. APCA – Associação Portuguesa de Cães de Assistência. Disponível em: https://apcapt.wordpress.com/
2. ÂNIMAS. Disponível em: https://www.animasportugal.org/

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].