Publicidade:

5 Perguntas e respostas sobre a amniocentese

A amniocentese é um exame diagnóstico que permite detetar malformações congénitas e outras alterações cromossómicas do bebé. Só deve ser realizada a partir das 15 semanas de gestação.

 
5 Perguntas e respostas sobre a amniocentese
Este exame é realizado no caso de haver suspeita de malformações.

A amniocentese consiste num exame através do qual é colhida uma amostra do líquido amniótico do útero e examinada em laboratório.

Este exame não é realizado de forma rotineira, uma vez que comporta riscos para o bebé. A amniocentese só é indicada quando há alguma suspeita de problemas no desenvolvimento do bebé. Normalmente, só é realizada a partir das 15 semanas de gravidez.

Consiste num exame diagnóstico, isto é, diagnostica com exatidão se o bebé tem alguma doença e qual a doença. Através dele, é possível detetar centenas de anomalias cromossómicas (como a síndrome de Down). Para além disto, revela com exatidão o sexo do bebé.

Quais são as doenças que a amniocentese deteta?


doencas detetadas pela amniocentese

Através da análise do líquido amniótico é possível diagnosticar doenças genéticas ou malformações congénitas. Este exame pode detetar as seguintes patologias:

  • Alterações cromossómicas (síndrome de Down, síndrome de Edward, síndrome de Klinefelter, síndrome de Turner ou síndrome de Patau;
  • Doenças hereditárias no sangue (anemia falciforme, talassemia e hemofilia;
  • Doenças congénitas do tubo neural (espinha bífida e anencefalia);
  • Distrofia muscular;
  • Fibrose quística.

Este exame também pode revelar outras informações como o sexo do bebé, presença de incompatibilidade Rh entre mãe e filho e presença de infeção.

Quando é necessário fazer?


quando fazer a amniocentese

Este exame é indicado pelo médico quando são detetadas alterações no rastreio do primeiro trimestre. A amniocentese é, normalmente, realizada após a 15ª semana de gravidez. Só deve ser realizado nesta altura, uma vez que, a partir do início do segundo trimestre, já há volume suficiente de líquido amniótico para que os médicos possam colher uma amostra adequada, comportando um menor risco para o bebé.

Existem alguns fatores de risco que podem levar o médico a suspeitar de alterações na formação do bebé:

  • Idade da mulher superior a 35 anos;
  • Alterações no rastreio do primeiro trimestre;
  • Histórico familiar de doenças genéticas;
  • Condições inadequadas para crescimento intrauterino do feto.

O médico pode desaconselhar a amniocentese no caso da mulher:

  • Ter de problemas placentários, como placenta prévia (parcial ou total);
  • Ter um historial de parto prematuro (antes das 34 semanas de gravidez);
  • Ter uma cérvix incompetente (o tecido do colo do útero é fraco, aumentando a possibilidade de um nascimento prematuro ou um aborto).

 

Como é feito?


como e feita a amniocentese

A amniocentese é um exame simples e rápido, tendo em média uma duração de 20 minutos.

É feito através da introdução de uma agulha de 12,5cm no abdómen, para atingir a cavidade uterina. A mulher grávida permanece deitada, enquanto o médico tenta identificar a localização do bebé e da bolsa amniótica, através do exame ecográfico. Após a inserção da agulha na bolsa amniótica, o médico colhe uma pequena quantidade de líquido (aproximadamente 10ml).

A introdução da agulha pode provocar um ligeiro desconforto, e depende muito da sensibilidade da mulher.

Quais são os riscos da amniocentese?


riscos amniocentese

A realização da amniocentese comporta vários riscos:

  • Aborto: a partir do segundo trimestre, comporta um baixo risco de aborto espontâneo – entre 1 em 300 e 1 em 500;
  • Ferimento com a agulha: durante o procedimento o bebé pode mover-se e ser ferido pela agulha. No entanto, são raras as lesões graves provocadas pela agulha;
  • Fuga de líquido amniótico: pode acontecer de haver perda ligeira de líquido pela vagina. Se a perda de líquido durar mais de uma semana pode provocar problemas ortopédicos no bebé;
  • Sensibilização Rh: Raramente acontece que o sangue do bebé entre em contacto com o sangue da mãe. No entanto, se a mãe é Rh negativo, ser-lhe-á administrada uma injeção de imunoglobulina Rh após a realização da amniocentese;
  • Infeção: em casos raros, pode provocar infeção uterina;
  • Transmissão de infeção: se a mãe tiver uma infeção, esta pode transmitir-se para o bebé.

 

Existem sinais a ter em atenção após o exame?


sinais a ter em atencao apos a amniocentese

Para além de sintomas que podem ocorrer após o exame como perda de líquido, sangramento ligeiro e cólicas, é aconselhável procurar o médico nos seguintes casos:

  • Sangramento intenso;
  • Grande perda de líquido pela vagina;
  • Contrações uterinas;
  • Dor abdominal ou nas costas;
  • Febre (superior a 38ºC);
  • Calafrios e mal-estar.

Veja também:

Enfª Isabel Silva Enfª Isabel Silva

Isabel Silva é enfermeira por paixão, licenciada pela Escola Superior de Enfermagem do Porto. Sempre quis seguir a área da saúde e acredita que a informação é uma ferramenta essencial para a saúde da população, e que cabe aos profissionais de saúde transmiti-la de forma relevante e fidedigna para que cada indivíduo seja capaz de tomar decisões importantes relativamente à sua saúde e ao seu bem-estar.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].