Alimentação japonesa para aumentar a longevidade

A alimentação japonesa é popular em várias partes do mundo. Contudo, será que estamos a usufruir verdadeiramente dos seus benefícios?

Alimentação japonesa para aumentar a longevidade
São cada vez mais raras as pessoas que nunca ouviram falar de sushi ou de sashimi.

Em média, ninguém vive mais tempo do que as mulheres japonesas, sendo que a  sua esperança média de vida são 87 anos (e a dos homens japoneses 80 anos).

Suspeita-se que esta notável longevidade se deva em parte ao facto de a alimentação japonesa ser tão saudável – extremamente rica em plantas, peixe e vegetais.

Alimentos mais consumidos pelos japoneses


1. Arroz branco

arroz e alimentação japonesa

O arroz é a principal fonte de hidratos de carbono na alimentação japonesa, sendo consumido em praticamente todas as refeições.

2. Peixes e algas marinhas

algas marinhas e alimentação japonesa para aumentar a longevidade

Sabe-se que as características geográficas influenciam os hábitos alimentares de uma população.  E no caso do Japão, isso não é diferente: em virtude da grande extensão do litoral e da presença de correntes marítimas frias e quentes, o Japão é uma das maiores nações pesqueiras do mundo.

Os peixes e frutos do mar são comidos cozidos, crus ou secos. Além da pesca, destaca-se também, o grande consumo de algas marinhas como kombu, nori, wakame.

3. Soja e derivados

tofu e alimentação japonesa

Também são produtos alimentares muito consumidos. Principalmente o queijo de soja, chamado tofu, consumido cru ou cozido com legumes e carnes.

Existe ainda o miso é um produto fermentado de soja, muito utilizado na sopa de miso – saborosa e de fácil digestão.

Os japoneses consomem, em média, cerca de 200 gramas de produtos de soja por dia.

4. Vegetais e legumes

legumes e alimentação japonesa

Apesar de reduzida área disponível para a agricultura (menos que 15% do território), os japoneses aproveitam intensamente o espaço, aplicando técnicas modernas para o cultivo de cereais, hortaliças e frutas.

São amplamente consumidos legumes e vegetais como como a abóbora japonesa, rebentos de feijão, rebentos de bambu, cogumelos secos, espinafres japoneses, acelga, beringela, cebola, cenoura, gengibre, nabo, pepino e repolho.

Alimentação japonesa e saúde


De modo a estudar a influência que a alimentação japonesa tem na saúde dos seus cidadãos, uma equipa de investigadores seguiu cerca de 80000 adultos durante 15 anos.

De acordo com os resultados do estudo, intitulado “Quality of diet and mortality among Japanese men and women: Japan Public Health Center based prospective study” e publicado no BMJ, as pessoas com maior adesão às guidelines alimentares do governo teve uma taxa de mortalidade 15% mais baixa.

As pessoas participantes no estudo tinham idades entre os 40 e os 75 anos e eram originárias de várias partes do Japão; preencheram um questionário alimentar no início do estudo e 5 anos depois.

O questionário alimentar englobava a frequência de consumo de itens alimentares como arroz, noodles, vegetais, carne, peixe e outras fontes proteica (ex: tofu), leite e derivados, fruta e snacks e álcool.

Após o preenchimento e tratamento do questionário, a cada participante foi atribuída uma pontuação baseada no nível de adesão às guidelines alimentares do governo japonês.

A pontuação era tanto mais alta quanto maior fosse a adesão à alimentação japonesa. Nos 15 anos seguintes, a equipa de investigação seguiu estas mesmas pessoas de modo a encontrar uma relação entre a dieta e a doença – em particular doença cardiovascular e doença oncológica.

Resultados do estudo


Alimentação japonesa e doença cardiovascular

doencas cardiovasculares e alimentação japonesa

Pessoas com pontuações mais elevadas tiveram uma taxa de mortalidade 15% mais baixa, em grande parte devido a uma redução da morte causada por doença cardiovascular.  Os autores do estudo atribuíram isto a uma dieta rica em vegetais, fruta e peixe.

As pessoas com pontuações mais elevadas demonstraram ser as mulheres, sendo que bebiam mais chá verde e consumiam mais calorias (surpreendentemente).

Alimentação japonesa e cancro

cancro e alimentação japonesa

A relação entre alimentação e morte causada por cancro não mostrou ser tão clara.

Manter uma dieta saudável mostrou ser benéfico para pessoas com peso corporal dentro dos parâmetros considerados normais, mas a mesma relação não foi significativa em pessoas com excesso de peso ou obesas.

Deste modo, tornou-se evidente que são necessários mais estudos para entender quem beneficia e porquê.

Outras considerações


Os investigadores também pretendem averiguar se certos alimentos, como peixe, merecem mais crédito que outros (como a carne vermelha). De modo a poderem fazê-lo, os investigadores criaram uma pontuação alimentar modificada que diferenciava carne e peixe, mas fazer isto teve pouco impacto na mortalidade.

Tal pode provavelmente ser justificado pelo facto de os japoneses consumirem mais peixe e muito menos carne vermelha (vaca e porco) do que população ocidental.

A reter…


Resumidamente, os japoneses que participaram no estudo mostraram uma boa adesão às guidelines alimentares do governo; a média da pontuação alimentar foi 47 em 70.

Estes resultados contrastam vivamente com os de algumas populações ocidentais, que, por sua vez, têm um longo caminho até seguir as recomendações de alimentação saudável e  guidelines governamentais.

Imitar os hábitos alimentares dos japoneses não consiste apenas em consumir a fatia ocasional de sashimi. Mas adicionar mais vegetais (e fruta!) à alimentação pode ser um bom primeiro passo para tornar a vida de cada um mais saudável.

Veja também: