Pré-eclâmpsia: descubra quais são os riscos

A pré-eclâmpsia ocorre somente na gravidez, é um transtorno caracterizado pelo aumento da pressão arterial geralmente na segunda metade da gestação.

Pré-eclâmpsia: descubra quais são os riscos
A pré-eclâmpsia leve afeta até 6% das mulheres grávidas.

Os primeiros sinais de pré-eclâmpsia incluem pressão alta (hipertensão) e a presença de proteínas na urina (proteinúria). É improvável que se aperceba destes sinais, no entanto são frequentemente descobertos nas suas consultas pré-natais de rotina.

Podem, no entanto, surgir outros sintomas tais como:

  • Inchaço dos pés, tornozelos, rosto e mãos causados pela retenção de líquidos (edema);
  • Dor de cabeça severa;
  • Problemas de visão;
  • Dor no fundo das costas.

O principal sinal de pré-eclâmpsia no feto é um crescimento lento, causado por um baixo suprimento de sangue através da placenta para o bebé.

O bebé em crescimento recebe menos oxigênio e menos nutrientes do que deveria, o que poderá vir a afetar o seu desenvolvimento.

QUAIS SÃO OS FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE PRÉ-ECLÂMPSIA?


diabetes e pre eclampsia

Existem diversos fatores que podem aumentar a probabilidade de vir a desenvolver pré-eclâmpsia durante a gravidez, tais como:

  • Ter diabetes, hipertensão arterial ou doença renal antes da gravidez;
  • Ter outras doenças subjacentes, como o lúpus ou síndrome antifosfolipídico;
  • Ter desenvolvido esta condição numa gravidez anterior;
  • Ter antecedentes familiares neste sentido;
  • Ter mais de 40 anos;
  • Ter uma gravidez múltipla (gémeos ou trigémeos);
  • Ter um índice de massa corporal (IMC) de 35 ou superior;
  • Primeira gravidez – a pré-eclâmpsia é mais provável de ocorrer durante a primeira gravidez do que durante qualquer gravidez subsequente.

Se tiver na presença de 2 ou mais destes fatores, poderá estar em alto risco e vir a desenvolver pré-eclâmpsia. Como tal, é importante que alerte o médico que a acompanha, pois existe medicação preventiva que deve tomar diariamente a partir da 12.ª semana de gravidez com efeito preventivo.

QUAIS AS POSSÍVEIS COMPLICAÇÕES?


Possíveis complicações para a mãe:

enfarte do miocardio e pre eclampsia

  • Convulsões (eclâmpsia);
  • Descolamento da placenta;
  • Insuficiência renal;
  • Edema pulmonar;
  • Descolamento da retina;
  • Enfarte do miocárdio;
  • Pancreatite;
  • Acidente vascular cerebral;
  • Morte.

Possíveis complicações para o bebé:

restricao do crescimento fetal e pre eclampsia

  • Restrição do crescimento fetal;
  • Morbilidade neurológica a longo prazo;
  • Hipoxia (défice de oxigénio);
  • Morte fetal.

 

PREVENÇÃO E TRATAMENTO


Tratamento

tratamento pre eclampsia

Por norma, se estivermos perante um caso de pré-eclâmpsia grave e a data do parto está próxima, este poderá ser induzido. Se for ligeira e ocorrer no inicio da gravidez, poderá ser administrada medicação para ajudar a baixar e controlar a pressão arterial.

Esta última solução é sempre equacionada com muita cautela pelo risco de toxicidade que os fármacos poderão ter para o feto.

Na maioria dos casos de pré-eclâmpsia, recomenda-se que o trabalho e parto seja induzido artificialmente a partir das 37 a 38 semanas de gestação.

Tal é recomendado uma vez que estudos provam que não há qualquer benefício em esperar que o trabalho de parto se inicie naturalmente a partir deste ponto. Pelo contrário, são reduzidos assim os riscos de complicações para a mãe e bebé.

Embora a pré-eclâmpsia geralmente melhore logo após o nascimento do bebé, complicações podem desenvolver-se alguns dias depois. E para tal, pode ser importante permanecer no hospital para ser monitorizada.

Caso o bebé também precise de ser monitorizado após o nascimento, por ter nascido prematuramente, por exemplo, a mãe pode ficar tranquila. As unidades de neonatologia hospitalares possuem hoje em dia instalações que permitem replicar as funções do útero, permitindo assim que o bebé se desenvolva completamente.

O único cuidado após ter alta hospitalar poderá ser vigiar a pressão arterial regularmente e, talvez seja necessário continuar a tomar medicação para diminuir a pressão arterial durante várias semanas.

Prevenção

vitamina c e pre eclampsia

Doses reduzidas de aspirina ou, vitaminas C e E, e ácido fólico, podem ajudar a prevenir a pré-eclâmpsia e, consequentemente, a eclâmpsia (convulsões).

Veja também: