Publicidade:

Praganas: um perigo iminente para o seu melhor amigo

As praganas são partes de plantas secas que ficam presas no pelo do cão e causar danos sérios. Saiba mais sobre este perigo e como proteger o seu animal.

Praganas: um perigo iminente para o seu melhor amigo
Estas pequenas espigas podem espetar-se na pele do seu cão

Com a chegada do bom tempo é muito comum as praganas começaram a causar estragos. Estes pequenos fragmentos de plantas podem espetar-se na pele dos nossos animais e causar feridas graves.

O que são as praganas?


praganas

As praganas são pequenas espigas triangulares, resultantes de fragmentos de plantas que secaram devido ao calor. Por terem um formato triangular e pontiagudo espetam-se facilmente no pelo e pele dos animais sendo difícil retirá-las.

Os animais de pelo longo são normalmente os mais afetados, uma vez que estas ervas passam despercebidas no meio do pelo e vão migrando, penetrando na pele. A ferida é formada mas o denso pelo esconde-a, assim o tutor só repara quando o animal começa a dar sinais de dor mais específicos.

Qualquer orifício pode ser uma porta de entrada para as praganas. Sendo que os mais comuns são os seguintes:

  • Pele, especialmente na zona das patas, nas membranas interdigitais, axilas e zona abdominal;
  • Pelo;
  • Narinas;
  • Ouvidos;
  • Olhos.

É importante saber que as praganas vão progredindo, furando a pele devido à sua aguçada forma. Podem inclusive chegar a perfurar órgãos se não forem retiradas numa fase inicial.

Sinais que o animal apresenta na presença de praganas


praganas cao com pata magoada

Numa fase inicial, se a pragana estiver apenas no pelo, o animal pode não manifestar nenhum sinal, daí que seja importante, sempre que o cão vai à rua e, especialmente se passeia no meio das ervas, fazer uma vistoria em todo o corpo do animal.

Caso afete a pele, pode causar infeções e abcessos. O animal irá manifestar sintomas como:

  • Dor no local afetado;
  • Claudicação (mancar) caso a pragana esteja espetada no espaço interdigital;
  • Rubor (vermelhidão);
  • Ferida no local em que a pragana perfurou, mas nem sempre é visível;
  • Inchaço no local onde se inseriu a pragrana, no caso de ocorrer abcesso e pode não ser perceptível nenhum buraco de entrada, neste caso.

Caso a pragana afete um ouvido, o animal irá desenvolver uma otite com aparecimento de cerúmen muito escuro. Pode provocar dor, mau-estar e desconforto. Neste caso pode, até, perfurar o tímpano e causar complicações muito graves.

Se a pragana se alojar no olho do animal, pode cegá-lo. Vai provocar uma reação de corpo estranho no olho fazendo com que tenha os seguintes sinais:

  • Inflamação do olho;
  • Lacrimejamento;
  • Vermelhidão;
  • Prurido no olho, comichão;
  • Fotossensibilidade (sensibilidade à luz).

Todos estes sintomas podem surgir numa conjuntivite com outra causa. No entanto, neste tipo de conjuntivite por corpo estranho, a praga, sem retirar o agente causador o olho terá sempre tendência a piorar.

Muitas vezes é difícil perceber se a pragana está presente ou não no olho, pois pode sair entretanto e fazer com que o olho fique inflamado. Pode também ficar por baixo das pálpebras, sendo difícil perceber se está presente.

Assim, qualquer conjuntivite necessita de um exame minucioso realizado pelo médico veterinário para avaliar a presença de corpo estranho, correndo o risco do animal ficar cego.

Nas narinas, a pragana pode alojar-se e causar uma sensação de desconforto ao animal, fazendo com que espirre frequentemente para a tentar expulsar. Os espirros podem ter presença de sangue. Pode também, neste caso, coçar o focinho com muita intensidade.

Diagnóstico e tratamento da presença de praganas


praganas medico a ver pata do cao

Não existe nenhum exame específico para a deteção de praganas.

Por vezes, dependo do local onde se encontram, é fácil encontra-las e retirá-las. No entanto, é necessário uma exame macroscópico minucioso, realizado pelo médico veterinário para observar a presença destas ervas.

Independentemente do local onde as praganas estejam alojadas, o tratamento passa sempre por retirá-las. Em alguns casos pode ser necessário recorrer a cirurgia para proceder à remoção das praganas.

Se vir uma pragana espetada no seu cão, caso esteja na pele, pode retirá-la. No entanto, convém sempre levá-lo ao médico veterinário para verificar se existem outras, ou se no local onde retirou existe alguma ferida que necessite de cuidados.

Se a pragana estiver em algum orifício, como nariz, ouvidos ou olhos não deve em nenhuma circunstância retirar a pragana sem supervisão do médico veterinário.

Caso existam feridas o médico veterinário irá prescrever-lhe medicação como antibióticos e anti-inflamatórios.

Como proteger o seu cão das praganas?


praganas cao a passear

Uma vez que as praganas estão presentes em locais com muita vegetação, é aconselhável que, em alturas de calor, não permita que o animal esteja nesses locais. Para além das praganas, essas vegetações também são locais ideias para apanhar parasitas como pulgas e carraças.

No final de cada passeio deve também verificar o pelo do animal minuciosamente, principalmente nas zonas onde as praganas costumam penetrar.

Se o cão tiver um pelo muito denso e comprido, escová-lo depois dos passeios pode ser uma boa ideia, pois irá ajudar a remover praganas caso existam e também a verificar a existência de pulgas e carraças.

Também em cães de pelo comprido pode optar por fazer tosquias durante o período de maior calor para evitar que as praganas fiquem presas no pelo.

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].