Publicidade:

10 Plantas tóxicas para gatos: sabe quais são?

Sabia que existem plantas tóxicas para gatos? Determinadas plantas podem por em perigo o seu gato. Saiba quais são e proteja o seu felino destes perigos.

10 Plantas tóxicas para gatos: sabe quais são?
Cuidado com as plantas que coloca em casa pois podem ser prejudiciais ao seu felino

Os gatos adoram comer plantas, ou por vezes apenas mastigá-las. Mas será este hábito prejudicial à saúde do gato? Em determinados casos pode ser, pois existem certas plantas tóxicas para gatos que podem levar os felinos à morte caso as ingiram ou, em determinados casos, apenas entrem em contacto com as mesmas.

10 Plantas tóxicas para gatos


1. Flor – de – natal (Poiensétia)

plantas toxicas para gatos poinsetia

Esta é uma planta que apenas por contacto com a pele ou mucosas pode causar irritação ao gato. Se o gato se roçar na planta pode ficar com zonas de dermatite na pele e conjuntivites exuberantes nos olhos.

Caso o gato chegue a ingerir a planta podem surgir problemas gástricos com sintomas como vómitos e diarreias associados.

2. Jarro

plantas toxicas para gatos jarros

É uma planta muito tóxica devido aos seus cristais de oxalato de cálcio insolúveis. Quando ingeridos, estes cristais, são extremamente irritantes provocando salivação, vómitos, edema na região da fase, prurido (comichão) intenso na região da face e em alguns casos paralisia da língua.

3. Antúrio

plantas toxicas para gatos anturio

Estas belas plantas vermelhas são muito chamativas para os gatos, fazendo com que estes as mordisquem e brinquem com elas.  Os antúrios têm também cristais de oxalato insolúvel que provocam os mesmo sintomas que na intoxicação por ingestão de jarro.

4. Lírio

plantas toxicas para gatos lirioTodas as porções desta planta são altamente tóxicas para gatos, provocando uma insuficiência renal aguda após a sua ingestão.

Com a falha renal surgem sintomas como vómitos, depressão, letargia e anorexia.

5. Hera

plantas toxicas para gatos hera

Esta planta é muito irritante para as mucosas dos felinos. Quando o gato toca na planta surge um prurido intenso nos locais que lhe tocaram. Caso os olhos tenham estado perto da planta também podem ocorrer sinais de irritação oral como lacrimejar, fotofobia e inflamação.

Em casos graves pode surgir uma reação alérgica severa com dificuldade em deglutir e em respirar, que neste caso se torna uma emergência médica.

Esta planta se ingerida pode também causar alterações renais e neurológicas.

6. Túlipa

plantas toxicas para gatos tulipa

Os bolbos desta planta são o que causam uma forte irritação gastrointestinal, provocando vómitos e diarreia se ingerida por gatos. Mas o resto da planta também causa intoxicação.

7. Azáleas

plantas toxicas para gatos azaleas

Esta planta pode afetar o sistema digestivo causando vómitos e diarreia profusa, alterações respiratórias e no ritmo cardíaco. Pode também provocar alucinações e outros distúrbios neurológicos, podendo levar ao estado de coma e à morte, em quantidades elevadas.

8. Oleandro

plantas toxicas para gatos oleandro

Esta planta pode causar diferentes sintomas consoante a quantidade ingerida. Se o felino ingerir pouca quantidade os problemas serão sobretudo digestivos, podendo causar vómitos e diarreia.

Em maiores quantidades podem surgir problemas cardíacos como arritmias, dificuldade respiratória e paragem cardio-respiratória.

9. Mamona

plantas toxicas para gatos mamona

Toda a planta é tóxica, mas o maior problema são as suas sementes., provocando a morte das células. Os sintomas associados à ingestão desta planta surgem apenas após cerca de 3 dias, e incluem vómitos, diarreias, cianose (mucosas arroxeadas) e alterações neurológicas como convulsões.

10. Crisântemo

plantas toxicas para gatos crisantemo

Estas plantas são uma fonte natural de um inseticida, piretrina, que também esta presente em algumas pipetas e coleiras repelentes para cães, mas é altamente tóxico para gatos.

Os sintomas de intoxicação incluem vómitos, diarreia, salivação excessiva, tremores, convulsões e outros sinais neurológicos.

Plantas tóxicas para gatos: o que fazer em caso de intoxicação?


plantas toxicas para gatos veterinaria a observar gato

Se o seu gato ingerir alguma planta tóxica, ou no caso de haver alguma dúvida, a primeira coisa a fazer é levar o gato ao médico veterinário.

Enquanto leva o seu gato ao médico veterinário, deve remover qualquer parte de planta da boca ou pele do animal. É muito importante identificar a planta ou no caso de não saber a espécie da planta leve-a ou ligue com a loja onde a obteve para pedir informações, se possível.

Em nenhuma circunstância deve fazer o gato vomitar ou dar-lhe banho na tentativa de eliminar o composto, pois pode fazer com que a absorção do tóxico aumente ou causar lesões ao animal.

Plantas tóxicas para gatos: tratamento após ingestão


plantas toxicas para gatos gato hospitalizado

Depois de identificada a planta, ou mesmo não sendo possível identificar o composto, o animal deve ficar hospitalizado, sob vigilância médica e com fluidoterapia (soro) para ajudar a eliminar as toxinas.

Dependendo de há quanto tempo tiver ocorrido a ingestão, o médico veterinário pode administrar carvão ativado para absorver e eliminar o tóxico.

O tratamento será sintomático de acordo com os sintomas que o gato demonstrar, pois dependendo do tipo de tóxico os sintomas podem ser diferentes.

Quanto mais cedo for iniciado o tratamento melhor o prognostico e a probabilidade do animal recuperar aumenta, no entanto pode ficar com sequelas. Em casos de intoxicações graves ou tóxicos muito agressivos, mesmo com os cuidados médico-veterinário necessários o animal pode não recuperar.

O melhor é evitar ter plantas tóxicas para gatos se tem felinos em casa. Informe-se sempre que comprar ou pretender comprar alguma planta e na via das duvidas opte por não comprar ou por plantas artificiais.

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].