Lagarta do pinheiro: sintomas nos cães a que deve estar atento

Entre janeiro e abril há que ter mais cuidado com a lagarta do pinheiro e os sintomas nos cães. Saiba mais sobre esta ameaça e proteja o seu melhor amigo.

Lagarta do pinheiro: sintomas nos cães a que deve estar atento
Conheça os perigos que o seu animal enfrenta.

A lagarta do pinheiro e os sintomas nos cães é algo que em muito deve preocupar os donos dos patudos, pois o simples contacto ligeiro com este animal pode desencadear reações graves que podem levar à morte.

Este é o inseto que mais desfolha pinheiros e cedros em Portugal e que se revela muito perigoso, seja para pessoas, animais e até para as próprias árvores.

E por que motivo é um inseto tão perigoso? A lagarta do pinheiro liberta milhares de pelos que são uma ameaça à saúde pública, sendo, assim, necessária uma vigilância e cuidados constantes, dado que os pelos provocam reações alérgicas ao ser humano e animais domésticos, ao nível da pele, olhos e aparelho respiratório.

Lagarta do pinheiro: sintomas nos cães


lagarta do pinheiro e os sintomas nos caes

A lagarta do pinheiro e os sintomas nos cães diferem em gravidade e intensidade, o que se relaciona pela forma e meio de exposição, bem como pela sensibilidade do animal.

Deverá estar particularmente atento, visto que os cães são animais altamente curiosos por tudo o que os rodeia, que pelo poderão facilmente sentir-se atraídos pela lagarta do pinheiro, ficando, assim, exposto aos pelos tóxicos.

Quando cheiram ou mordem os insetos, os cães ficam expostos à toxicidade do pelo e isso reflete-se quase de imediato na língua, cujo volume aumenta e a sua cor altera para um tom azulado. Se não levar o animal ao veterinário e deixar passar alguns dias, saiba que está a cometer um erro grave, pois os tecidos poderão começar a ficar necróticos, obrigando à amputação, algo que pode acontecer entre 6 a 10 dias após o contacto. Além disso, a infeção poderá expandir-se para os lábios e garganta.

Apesar deste ser um dos sintomas mais graves e evidentes, há outros aos quais deve estar atento:

  • Urticária;
  • Prurido;
  • Falta de apetite;
  • Salivação excessiva;
  • Vómito;
  • Disfagia – dificuldade em deglutir;
  • Apatia;
  • Edema da face – focinho inchado;
  • Choques anafiláticos;
  • Tremores musculares.

 

Lagarta do Pinheiro: tratamento do animal afectado


tratamento do cao

Se desconfia que o seu cão entrou em contacto com a lagarta do pinheiro, deverá levar de imediato ao médico veterinário, visto que quanto mais cedo for aplicar o tratamento ao animal, mais favorecido será o prognóstico.

Não existe propriamente um antídoto, pelo que o tratamento passa por resolver os sintomas à medida que forem aparecendo. A zona afetada é lavada e devem ser removidos todos os pelos. Em seguida aplica-se anti-inflamatórios, analgésicos e antibióticos, de modo a prevenir infeções secundárias.

O prognóstico é geralmente reservado, de acordo com a gravidade da situação:

  • Casos ligeiros: recuperação em 10 dias;
  • Casos graves: pode levar à hospitalização do animal e a recuperação pode ser demorada;
  • Casos muito graves: o animal deve ser hospitalizado, pode haver necessidade de remover tecidos mortos, que podem comprometer a qualidade de vida do animal e, infelizmente, levar à morte.

 

Lagarta do pinheiro: como prevenir?


lagarta em tronco de pinheiro

É entre janeiro e abril que a lagarta do pinheiro desce das árvores para se enterrar no solo, algo que faz parte do seu ciclo de desenvolvimento, fazendo em fila, como se fosse uma procissão, daí ser conhecida como processionária.

Assim, caso tenha pinheiros em casa, ou seja, habitual passear com o seu animal em zonas com pinheiros, deverá ter alguns cuidados, para evitar os problemas graves de saúde que lhe referimos.

Além disso, deve tomar medidas para acabar com a lagarta do pinheiro e os respetivos ninhos, bem como realizar tratamentos para prevenir a sua proliferação.

Veja também: