Publicidade:

Como habituar o cão a ficar sozinho em casa em 6 passos

Habituar o cão a ficar sozinho em casa não é uma tarefa fácil. Saiba como ensinar o seu patudo a ficar em casa quando precisar de sair, sem o fazer sofrer.

Como habituar o cão a ficar sozinho em casa em 6 passos
É importante habituar desde cedo o cachorro a estar sozinho

Para habituar o cão a ficar sozinho em casa e fazer com que ele próprio desfrute desse tempo, é preciso ter em consideração alguns fatores.

O cão nunca deve associar o “ficar sozinho” a algo negativo. Deve sim aprender a estar apenas consigo mesmo e a sentir-se bem e tranquilo.

6 Passos para habituar o cão a ficar sozinho em casa


habituar o cao a ficar sozinho em casa mulher a ensinar cao

1. Ensine-o desde pequeno a estar sozinho

Para habituar o cão a ficar sozinho em casa deve iniciar um treino logo em cachorro. Se não forem habituados numa fase inicial, os cães podem desenvolver stress e ansiedade quando estão isolados.

Uma vez que a vida da maioria das pessoas não permite estar sempre perto do seu patudo, o melhor é garantir que quando chegar o momento de estar sem o tutor não irá entrar em pânico. Portanto, é muito importante que sejam ensinados desde cedo a ficarem sozinhos.

Quando o cão é ainda cachorro, deve começar a deixá-lo sozinho progressivamente por períodos mais longos. Numa primeira fase pode isolá-lo durante apenas alguns minutos e ir aumentando o tempo de isolamento gradualmente até chegar ao pretendido, ou seja, o tempo que irá ficar fora de casa no seu dia-a-dia.

O objetivo deste treino, é que o cachorro aguente ficar sozinho o máximo de tempo sem ficar ansioso e demonstrar comportamentos como arranhar a porta, latir, uivar, urinar, defecar ou destruir objetos.

Quando estiver a ensinar o seu cão a ficar sozinho, nunca vá ao seu encontro quando estiver a chorar ou a ter algum comportamento de ansiedade. Deve sim, ir ter com ele quando estiver calmo, caso contrário pode começar a associar esse comportamento à chegada do dono.

Com este treino, logo desde cedo, o seu cachorro irá habituar-se a ficar em casa e a probabilidade de vir a desenvolver distúrbios como ansiedade de separação diminui.

2. Ensine-o a gostar de estar sozinho

Os cães devem saber estar sozinhos, da mesma forma que as pessoas o devem saber fazer. Devem conseguir desfrutar desse tempo relaxados e tranquilos, e portanto, é muito importante que sejam ensinados logo cedo a passarem tempo consigo mesmos.

Para esta situação pode ser oportuno definir um local para o cão ficar quando ficar sozinho, como uma transportadora ou uma cama. Assim, irá associar esse local a tranquilidade e calma, e quando se sentir cansado, com medo, desconfortável ou simplesmente lhe apetecer estar sozinho sabe que poderá ir para esse local.

Para o habituar, pode colocar nesse local recompensas na forma de comida ou snacks saborosos, brincar e acaricia-lo. Dessa forma, irá associar esse local a coisas positivas.

Vai ver que num instante o seu melhor amigo estará grande parte do tempo na sua cama ou transportadora.

É também uma dica importante se preferir que o seu cão não durma consigo na cama ou no quarto, pois é também uma situação em que fica sozinho e pode gerar ansiedade.

Saiba mais sobre se o cão deve dormir na cama ou não aqui >>

habituar o cao a ficar sozinho em casa cao com brinquedo

3. Arranje-lhe entretenimento

Se o seu cão vai ficar em casa um dia inteiro tem que lhe dar alguma coisa para se entreter, caso contrário este vai arranjar sozinho, e o tutor pode não gostar. Se ficasse um dia inteiro em casa sem qualquer forma de entretenimento também se aborrecia, certo?

Então a melhor maneira é criar jogos para estimular o cão e o ocupar grande parte do dia. Brinquedos com comida como os kongs, deixar comida espalhada e escondida de forma a que tenha que procurar, são bons exemplos de entretenimento para os cães.

Se o seu cão ainda for cachorro cuidado com o que deixa ao seu alcance. Os cachorros têm ainda mais energia do que os cães mais velhos, e podem estragar muitas coisas importantes para si.

O ideal, enquanto cachorro, é delimitar o espaço onde fica e inspecionar se existe nesse local forma de estragar alguma coisa.

4. Deixe-o com o seu cheiro presente

Habituar o cão a ficar sozinho em casa não é fácil, pois, regra geral, os cães são muito ligados aos seus tutores e sentem muito a sua falta.

Por isso, experimente quando sair de casa deixar uma peça sua de roupa ou algo com o seu cheiro. Assim, o seu cão irá ficar muito mais tranquilo.

habituar o cao a ficar sozinho em casa cao a dormir em casa

5. Nunca se despeça do seu cão quando sai

O problema de fazer um grande alarido quando sai de casa é que o cão vai encarar isso como um acontecimento e dar-lhe demasiada importância. Desvalorizar o acto de sair de casa, vai fazer com que o cão não se sinta tão triste.

Assim, quando sair de casa, por muito que lhe custe olhar para aquela carinha de “cachorro abandonado” evite dar muita importância. Em poucos dias o cão irá encarar a sua saída como algo banal.

6. Ignore o cão quando chegar a casa

Pela mesma razão que não deve dar importância à saída, também não deve dar à sua chegada. Se o cão salta, chora, corre e, por vezes, até urina, ignore-o, afaste-se e só vá junto dele quando estiver calmo e tranquilo. Nessa altura pode (e deve) dar-lhe todos os mimos que merece.

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].