Publicidade:

É possível ensinar um cão mais velho? A resposta é sim!

Ensinar um cão mais velho pode ser uma tarefa mais complicada do que ensinar um cachorro. No entanto, seguindo algumas dicas é possível treinar um cão já adulto. Saiba como.

 
É possível ensinar um cão mais velho? A resposta é sim!
Sabe como ensinar um cão adulto?

Ensinar um cão é muito importante, independentemente da sua idade, uma vez que os cães necessitam de ter regras e saber estar com os outros, sejam pessoas ou animais. O ideal é iniciar o treino logo desde cachorro, o mais cedo possível, no entanto, em caso de impossibilidade é possível ensinar um cão mais velho.

Qual a melhor altura para ensinar um cão?


ensinar um cão mais velho

Antigamente, pensava-se que os cachorros não poderiam começar logo a ser ensinados. Porém, hoje em dia sabe-se que os cães devem começar a ser ensinados logo que chegam a casa dos seus tutores.

Os cachorros, entre os 2 e os 6 meses, absorvem muito facilmente a informação, tal como as crianças até uma certa idade, e é mais fácil adquirirem novos hábitos. Acontece que, se durante este período, os cachorros não forem ensinados, não vão ter regras e vão adquirir os seus próprios hábitos e comportamentos, sendo mais difícil depois conseguir mudá-los.

É muito importante nesta fase inicial os tutores estarem atentos à forma como interagem com o cão, permitir que haja socialização, conhecimento de diferentes ambientes, para que o cão se torne num cão adulto equilibrado.

Como ensinar um cão mais velho?


Então, se um cachorro deve ser ensinado antes dos 6 meses de idade, pois é durante este período em que absorve mais conhecimento, e caso não seja ensinado pode apresentar comportamentos inadequados na idade adulta, como é possível ensinar um cão mais velho?

A resposta é simples: é possível, no entanto requer do tutor mais paciência, tempo e dedicação. Quanto mais velho é o cão, piores hábitos pode ter enraizados e, ao contrário dos cachorros que são ensinados desde cedo, estes cães para aprenderem novos comportamentos têm que “desaprender” os comportamentos antigos.

Muitas vezes, por variados motivos, não é possível ensinar o cão antes dos 6 meses de idade, seja porque foi adoptado já adulto, falta de conhecimento e disponibilidade na altura, entre outros. Ainda assim, nunca é tarde para aprender, e também é possível ensinar um cão mais velho.

Reforço positivo

Ensinar um cão mais velho

A técnica de treino de reforço positivo deve ser sempre o método utilizado para treinar tanto um cachorro como um cão adulto. Este método de treino, consiste na utilização de recompensas (reforço positivo) para que o cão seja levado a fazer determinado comportamento.

Este método pode ser utilizado para todo o tipo de comportamentos que quer ensinar ao cão, quer seja para o ensinar a fazer as necessidades no local apropriado ou para o treinar a saber sentar, deitar e outros truques.

Não utilizar castigos

ensinar um cão mais velho

Os castigos físicos e verbais devem ser evitados quando estamos a ensinar um cão, principalmente um cão adulto, que não sabendo o seu historial já pode ter alguns medos e traumas, e podemos estar a prejudicar quer a aprendizagem do animal, quer a nossa ligação com ele.

Cães adultos, se forem repreendidos, especialmente com castigos físicos, podem também reagir de uma forma agressiva. Assim, a melhor forma de ensinar um cão mais velho é utilizar reforços positivos quando o cão tiver um comportamento adequado, e ignorar o comportamento inadequado.

Seja constante

ensinar um cão mais velho

Principalmente com cães que já têm os seus hábitos, deve ser constante no que toca à sua educação. Ou seja, não deve por vezes reagir de uma forma e, outras vezes de outra, pois o cão irá ficar confuso e não irá aprender.

Por exemplo, se está a ensinar o cão que não pode subir para o sofá, não deve, algumas vezes permitir, e outras não. Desta forma, se já tem por hábito ir para o sofá, não vai compreender porque é que por vezes o tutor não lhe permite fazê-lo, criando frustração.

Seja paciente

ensinar um cão mais velho

Ensinar um cão mais velho dá mais trabalho do que ensinar um cachorro, e por vezes a paciência pode chegar ao limite. No entanto, é importante compreender o seu cão e lembrar-se que durante o tempo em que não foi possível ensiná-lo ele teve que aprender sozinho determinadas coisas – e desaprender tudo o que aprendeu para voltar a aprender de uma forma diferente leva tempo.

Procure ajuda de um especialista

ensinar um cão mais velho

Se o seu cão nunca foi ensinado, nunca teve regras e está a desenvolver comportamentos anormais ou agressivos, antes de mais deve procurar ajuda de um especialista em comportamento animal, como um médico veterinário especialista em comportamento animal ou um treinador certificado, que muitas vezes acabam por trabalhar em conjunto para conseguir modificar hábitos e melhorar o comportamento do cão.

Mesmo em situações menos graves, se não se sente capaz de ensinar um cão mais velho sozinho, deve sempre recorrer a apoio especializado, pois muitas vezes para além de ensinar o cão é necessário que o tutor também aprenda a lidar com o seu cão.

Veja também:

Fontes

1. Majecka, K.; Pąsiek, M.; Pietraszewski, D.; Smith, C. “Behavioural outcomes of housing for domestic dog puppies (Canis lupus familiaris). Elsevier – Applied Animal Behaviour Science.
Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0168159119301613
2. Battaglia, C. L. “Periods of Early Development and the Effects of Stimulation and Social Experiences in the Canine”. Elsevier – Journal of Veterinary Behavior – Carmen L.Battaglia. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S1558787809001555?via%3Dihub

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].