Publicidade:

Endometriose: o que é, como se manifesta e qual o tratamento

O que é a Endometriose? Quais as causas mais comuns e os sintomas? Fique ainda a par do tratamento possível desta doença que afeta tantas mulheres.

 
Endometriose: o que é, como se manifesta e qual o tratamento
Saiba mais sobre esta doença

O endométrio é uma das camadas que constitui o útero e corresponde ao seu revestimento interno. Durante o ciclo menstrual, o endométrio é regenerado ciclicamente através de um processo de descamação e regeneração. Esta descamação corresponde à menstruação e ela permite a renovação de todos os elementos do tecido do endométrio.

Ora, a Endometriose é uma doença inflamatória, crónica e benigna, que resulta da presença de tecido endometrial fora da cavidade uterina. Durante o ciclo menstrual as células, glândulas e vasos sanguíneos proliferam, como se estivessem no útero. Estima-se que a endometriose afete 10% das mulheres em idade fértil e em Portugal, estima-se que existam 350.000 mulheres com esta doença.

Em 93% dos casos a Endometriose localiza-se na zona pélvica, ou perto, mas é possível encontrar em outras zonas, como por exemplo:

  • Parede do útero;
  • Trompas de Falópio;
  • Ovários;
  • Bexiga;
  • Intestinos;
  • Umbigo;
  • Pulmões.

Endometriose: principais causas


 Endometriose

A origem da Endometriose não é totalmente conhecida e, por isso, são apontadas várias possíveis causas, nomeadamente:

  • Refluxo do conteúdo menstrual;
  • Componente genética, se a mãe e a tia têm, o mais provável é a mulher da geração seguinte também ter (em caso de irmãs gémeas, a doença manifesta-se em ambas);
  • Fatores hormonais (níveis elevados de estrogénios), raciais (risco mais elevado na mulher caucasiana), ambientais (substâncias tóxicas) ou sociais (stress);
  • Disfunção do sistema imunitário;
  • A menstruação retrógrada através das trompas, fenómeno comum em muitas mulheres, pode facilitar a implantação de tecido do endométrio na zona pélvica e, por isso, desenvolver a Endometriose.

Como se manifesta a Endometriose?


endometriose

A Endometriose, de uma forma geral, provoca o aparecimento de sintomas, sendo que a dor é a principal manifestação da doença. A dor da Endometriose é incapacitante e tem um impacto negativo socioeconómico na mulher.

A sua forma de apresentação é muito variável e depende da gravidade da doença e da localização dos focos de endometriose, podendo manifestar-se como:

  • Dismenorreia (dor menstrual) ou dor pré-menstrual;
  • Dispareunia (dor na relação sexual);
  • Disquézia (dor ao evacuar);
  • Disúria (dor ao urinar);
  • Dor inguinal (canal de Nuck);
  • Dor torácica;
  • Dor difusa ou crônica na região pélvica;
  • Fadiga crónica e exaustão.

Outros sintomas para além da dor, que podem manifestar-se isoladamente ou ao mesmo tempo, são as hemorragias e a infertilidade.

Cada mulher é única e difere nas formas de apresentação e sintomatologia da doença, sendo importante salientar que não existe uma correlação entre a intensidade ou a tipologia dos sintomas e o grau de gravidade da doença.

Como se diagnostica a Endometriose?


endometriose

A história clínica da mulher, os sinais e sintomas e o exame médico são importantes no diagnóstico da Endometriose. No entanto, na ausência de lesões localizadas de Endometriose, são poucos os métodos de diagnósticos não invasivos capazes de detetar a doença.

A ecografia transvaginal (ETV) e a ressonância magnética são os mais eficazes. Estes exames de diagnóstico complementar, têm como objetivo o diagnóstico, a localização e extensão da endometriose, de forma a promover um melhor planeamento da terapêutica à mulher.

Dependendo das queixas e da localização da endometriose, pode ser necessário efetuar uma cistoscopia, retosigmoidoscopia, um clister opaco ou uma tomografia computorizada. Contudo, o método ideal, quer para o diagnóstico quer para o tratamento da doença, é a laparoscopia.

Com uma adequada preparação e planeamento cirúrgico, o médico poderá identificar e tratar a endometriose realizando apenas uma cirurgia.

Como se previne a Endometriose?


 O desenvolvimento da Endometriose não é possível de prevenir, mas essa possibilidade pode ser diminuída através de uma redução dos níveis de estrogénios no organismo.

Nesse sentido, é importante escolher o método de contraceção mais adequado a cada mulher, praticar exercício físico regularmente, de modo a reduzir a massa gorda (fonte de estrogénios) e evitar o consumo excessivo de álcool e de cafeína.

Tratamento


endometriose

A Endometriose é uma doença em que o tratamento é orientado para o alívio da dor e dos outros sintomas, aumentar as possibilidades de gravidez e reduzir o aparecimento dos focos de Endometriose.

O tratamento médico consiste no controlo da dor, com a utilização de analgésicos, anti-inflamatórios ou terapêutica hormonal.

O tratamento cirúrgico consiste na remoção dos focos de Endometriose por laparoscopia. Sempre que possível, tenta-se eliminar apenas esses focos. Quando não é possível, como acontece nos casos mais extensos, a cirurgia implicará a excisão dos órgãos pélvicos afetados. Em alguns casos, é possível recorrer ao tratamento por laparoscopia, com laser.

Na mulher grávida a doença desaparece, podendo ficar inativa ou reaparecendo num ano e meio depois. Na menopausa, a endometriose tende a ficar inativa, pois a concentração de estrogénio como de progesterona diminuem.

Para além do tratamento convencional, é importante referir a importância da intervenção  de outras especialidades, nomeadamente a nutrição, a psicologia, a fisioterapia do pavimento pélvico e as terapias complementares.

Nos casos de infertilidade em que a paciente deseje engravidar, a fertilização in vitro é o método mais eficaz.

A Endometriose, quando não diagnosticada e tratada, tem tendência a progredir, invadindo outros tecidos, por isso é importante salientar e reforçar a necessidade de um diagnóstico e tratamento precoce, para evitar complicações.

Veja também:

Fontes

CUF. Disponível em: https://www.saudecuf.pt/mais-saude/doencas-a-z/endometriose
Hospital Lusíadas. Disponível em: https://rotasaude.lusiadas.pt/doencas/sintomas-e-tratamentos/6-factos-importantes-endometriose/
Sociedade Portuguesa de Ginecologia. (2015). “Consenso sobre Endometriose”. DisponÍvel em: http://www.spginecologia.pt/noticias-da-spg/consenso-livro-endometriose-2015.html

Enfermeira Filipa Pinto Enfermeira Filipa Pinto

Licenciada na Escola de Enfermagem do IPB (Instituto Politécnico de Bragança), tem formação em feridas na APTF (Associação Portuguesa de Feridas); Curso de Hemodiálise, certificado pela SIGO (Sistema de Informação e Gestão da Oferta Educativa), na Foramplus; Pós Graduação em Cuidados Paliativos no Instituto Português de Psicologia. Atualmente trabalha na Santa Casa Misericórdia de Vizela, como responsável pela área de Enfermagem no Lar Torres Soares e é formadora convidada na Universidade Senior de Vizela.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].