Publicidade:

5 Motivos pelos quais o cão não deve dormir na cama dos donos: conheça-os

O seu cão partilha a cama consigo? Conheça os motivos pelos quais o cão não deve dormir na cama dos donos e pense duas vezes antes de o fazer.

5 Motivos pelos quais o cão não deve dormir na cama dos donos: conheça-os
O cão deve ter uma cama própria para que sinta seguro.

Quem tem um cão sabe que é difícil resistir ao seu olhar de “cachorrinho abandonado” quando chega a hora de deitar e querer partilhar a cama consigo. Especialmente quando se trata de um cachorro ou um animal mais idoso, mais difícil ainda é resistir à tentação. No entanto, o cão não deve dormir na cama dos donos pois pode trazer problemas tanto ao tutor como ao cachorro.

5 Motivos pelos quais o cão não deve dormir na cama dos donos


cao nao deve dormir na cama dos donos dona e cao

1. Problemas para a saúde do tutor

Mesmo tendo todos os cuidados de higiene e saúde com o animal, vacinas e desparasitações em dia, existe algum risco de o animal poder trazer para a cama do tutor algumas bactérias ou parasitas como pulgas e carraças. No entanto, acredita-se que se o cão tem as vacinações e desparasitações em dia, partilhar a cama não é arriscado neste sentido, sedo equiparado a partilhar o sofá ou o colo.

Os cães não tomam, nem podem, tomar banho diariamente como as pessoas, portanto é mais provável que possam trazer lixo especialmente nas patas que depois irão estar em contacto direto com os lençóis.

Também no seu pelo podem transportar alergénios como o pó ou pólen, o que pode ser prejudicial a pessoas com alergias, rinite e asma.

Cães idosos ou cachorros podem não ter controlo de urina e fezes e podem ainda fazer necessidades na cama dos tutores.

2. O cão pode magoá-lo sem intenção

Mesmo sendo um animal meigo, pode acontecer que se assuste enquanto dorme ou até esteja a sonhar e acorde sobressaltado podendo morder ou arranhar a pessoa com quem estão a dormir.

No caso de ser um cão grande pode também magoá-lo a si ao mexer-se e movimentar-se na cama.

3. Pode magoar o seu cão

Também as pessoas durante o sono podem magoar os cães, especialmente se forem de porte pequeno ou cachorros. Tal como dormir com bebés pode ser arriscado, dormir com cães pequenos também o pode ser, correndo até o risco de asfixia ou esmagamento.

Caso a cama seja muito alta e o cão de tamanho pequeno, pode também correr o risco de cair da cama e magoar-se.

4. Problemas no sono

Dormir com o seu cão pode causar problemas no sono, especialmente se tem um sono leve. A preocupação de não se mexer muito para não magoar o cão pode fazer com que não consiga dormir bem.

Se o cão for muito irrequieto ou reativo aos barulhos, especialmente durante a noite no silêncio, pode ladrar e levantar-se rapidamente acordando-o a si também.

5. Problemas no comportamento do cão

O cão se for habituado a dormir sempre na cama pode desenvolver alguns distúrbios comportamentais. Dormir na cama com os donos pode gear um apego demasiado grande e criar ansiedade no animal.

Também poderá levar a episódios de agressividade, pois, o animal irá perceber a cama como sendo o seu território. Especialmente se tem mais do que um animal, pode levar a conflitos entre eles.

Outro problema, especialmente em machos, é que podem começar a marcar território através da urina.

Onde poderá dormir se o cão não deve dormir na cama dos donos?


Já vimos que o cão não deve dormir na cama dos donos pois pode não ser benéfico tanto para o cão como para os tutores. Sendo assim, qual será a melhor solução?

1. Cama para cães

cao nao deve dormir na cama dos donos cama do cao

Para escolher a cama do cão o critério é o seu próprio gosto, pois tal como as pessoas os cães também têm as suas preferências.

A cama irá funcionar como o seu próprio território onde poderá estar tranquilo e em segurança. Muitas vezes os cães acabam até por pedir para ir para a sua cama para descontraírem. Pois, apesar de os cães serem animais sociáveis e gostarem de andar sempre atrás do seu dono também gostam (e precisam) dos seus momentos de tranquilidade.

A cama deve estar num local tranquilo, onde não seja local de passagem para não incomodar o cão quando este estiver a descansar, de preferência num local resguardado tanto do frio como do calor.

2. Transportadora ou casota

cao nao deve dormir na cama dos donos casota do cao

Estes irão funcionar com o mesmo conceito do que a cama para cães, proporcionando ao cão um lugar seguro onde ele sabe que se pode refugiar.

As transportadoras têm o benefício de poderem ser utilizadas também para o transporte do cão, já que estará habituado e se sente tranquilo no seu interior, fazendo com que se sinta mais seguro e calmo durante a viagem.

Cão não deve dormir na cama dos donos: como ensinar o cão a dormir no local correto?


1. Ser firme

cao nao deve dormir na cama dos donos dona a ensinar cao

Se pretende que o seu cão não durma na sua cama a primeira coisa a fazer é ser firme e conciso acerca dessa proibição. Por exemplo, não deve por vezes permitir que suba para a cama e outras vezes repreendê-lo quando este sobe.

Se não for consistente, o cão irá ficar confuso e irá gerar mais ansiedade ao animal. O mesmo se aplica se não quer que o cão durma noutros locais, como por exemplo no sofá.

2. Incentive-o a usar a cama

cao nao deve dormir na cama dos donos cao a dormir na cama durante o dia

É normal que numa fase inicial o cão não dê preferência a cama para dormir, muito menos se estiver habituado a dormir na cama.
Incentive-o a utilizar a cama ou a transportadora começando por colocar um cobertor ou uma peça de roupa com o seu cheiro.

Deve também incentivá-lo a dormir nesse local ou apenas estar durante o dia em vários momentos, e não só durante a noite, para que se habitue gradualmente.

Recompense-o quando for para os locais pretendidos brincando com ele ou reforçando-o positivamente com snacks apetitosos.

Saiba mais sobre treino com reforço positivo >>

Veja também:

Dra. Patrícia Azevedo Dra. Patrícia Azevedo

Patrícia Azevedo é médica veterinária natural de Braga. Desde a sua infância que é apaixonada por animais e sempre teve a ambição de ser médica veterinária. Trabalhou como voluntária em associações de proteção e ajuda a animais errantes desde os 11 anos de idade . Iniciou o seu percurso como estudante desta área na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e concluiu os seus estudos no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Tem três gatos e uma cadela retirados da rua. Trabalha atualmente na sua cidade natal, em medicina e cirurgia de pequenos animais.

O Vida Ativa disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento nutricional, de saúde ou de treino. O Vida Ativa não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui nem dispensa a assistência profissional qualificada e individualizada. Caso pretenda sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].