Overtraining: mito ou realidade?

Overtraining: mito ou realidade?

Será mesmo possível entrar em overtraining?

O processo de overtraining pode mesmo acontecer? Consiste na fadiga muscular pós-exercício ou tem alguma outra causa ? Conheça as causas, os sintomas e saiba como previnir.

O overtraining surge, de acordo com os últimos estudos, de um excesso de treino (a elevados níveis de intensidade), aliado a baixos índices de repouso ou descanso e de uma dieta menos equilibrada ou adequada, levando à incapacidade do corpo de recuperar.

Os mesmos estudos sugerem uma teoria da sobrecompensação, fundamentada no princípio da sobrecarga progressiva, ou seja, as reservas musculares, que se repõem durante o descanso, não são repostas.

Note-se que a este estado apenas chegam atletas. Se é sedentário, a probabilidade de entrar em overtraining é, praticamente, nula uma vez que, mesmo que tenha alguns dos sintomas: fadiga muscular, desidratação ou outros; mesmo com pouco descanso ou uma dieta desadequada, os níveis de treino não serão, à partida, suficientes para desencadearem um processo de overtraining.
 

QUAIS AS CAUSAS METABÓLICAS E FISIOLÓGICAS DESTE PROBLEMA?

Quer receber um plano de treinos?
Obtenha já o seu plano de treinos personalizado e atinja os seus objectivos! Fale com o nosso personal trainer e receba o seu plano de treinos.

Existem, de facto, alguns indicadores metabólicos que podem traduzir este problema, entre eles:
 
  • Aumento dos níveis de cortisol;
     
  • Défice proteico;

  • Distúrbios hormonais.
 

SINTOMAS DE OVERTRAINING



Desidratação

Uma dieta deficiente ou u diminuto aporte de água e nutrientes são um dos principais sintomas de overtraining: o corpo entra num processo de catabolismo – de destruição molecular para produção de energia – superior ao anabolismo, levando a que a desidratação seja a consequência.

 

Dores musculares e articulares

Não confundir com SRDM – Sensação Retardada de Dor Muscular. Esta SRDM ocorre múltiplas vezes após o exercício intenso e pode durar até 72 horas, tendo o seu pico de dor pelas 36 horas após o exercício. Contudo, se esta dor ultrapassa as 72 horas e se mantém, a probabilidade de se encontrar num processo de overtraining é bastante elevada.

 

Alteração da Frequência Cardíaca de Repouso

Variações na frequência cardíaca de repouso podem indicar que o corpo de entrou em catabolismo e, consequentemente, poderá gerar um processo de overtraining.

 

Perdas de concentração, baixa motivação e baixa autoestima

Começa a sentir que perde o foco no treino? Que se perde durante o tempo de descanso e não cumpre o planeado? Quer inclusive faltar a alguns treinos que antes fazia? Começa a não sentir evolução? Desmotiva com facilidade?

O overtraing leva a alterações hormonais acentuadas que podem gerar estas perdas de motivação, autoestima e concentração. Estes níveis são tão aumentados quanto maior for o nível de stress a que se está sujeito, à falta de descanso (as insónias também são comuns no overtraining) e à dieta que tem.

 

Diminuição da performance

A diminuição da performance pode advir de todos os fatores anteriores, das dores articulares e outros, indissociáveis de overtraining. Porém, pode ainda surgir do aumento de lesões que, por norma, se registam num processo de overtraining.

 

COMO PREVENIR?


  • Diminuir o volume e intensidade do treino – em certos casos, deverá ser a abstenção total;
     
  • Aumentar níveis de descanso;
     
  • Respeitar eximiamente as recomendações do Personal Trainer;
     
  • Seguir uma dieta adequada;
     
  • Ingerir a suplementação adequada.
 
 
Receba aqui o seu plano de treinos!
 

Veja também: