O leite faz mal á saúde?

O leite faz mal? Conheça os argumentos que aplaudem e os que contestam o consumo desta bebida no nosso artigo!

O leite faz mal á saúde?
As opiniões dividem-se e a resposta está cada vez mais longe de ser unânime.

«É o alimento mais completo», «protege a saúde dos ossos», “ajuda a crescer”... Estas são algumas das mais-valias do leite que, desde sempre, ouvimos falar.

Além disso, existem ainda as recomendações dos mais reputados organismos nacionais e internacionais que incentivam o consumo diário deste alimento.

No entanto, a verdade, é que, atualmente, este tema já não é consensual entre a comunidade científica, existindo uma corrente de especialistas que aponta riscos ao seu consumo e afirma que o leite faz mal

Com efeito, o resultado de artigos sobre se devemos ou não beber leite é muitas vezes este: uma no cravo, outra na ferradura. Por cada investigação científica que aponte para um benefício ou para um malefício, aparecerá outra para desdizer. 

Troque uma caipirinha por uma ida ao ginásio
Treine no Solinca por apenas 3,99€ por semana e volte a ficar em forma. Aproveite já!
E o leite não é exceção. Como resultado, muitos especialistas defendem, atualmente, que os adultos devem moderar a ingestão de leite, uma vez que existem estudos que associam o seu consumo a problemas de saúde, como doenças coronárias, diabetes e cancro.

Contudo, antes de avançarmos mais a fundo nesta questão, é necessário salvaguardar que os malefícios apontados ao leite são proporcionais à quantidade ingerida.
 

A constituição do leite


Atualmente, e na típica dieta ocidental (pobre em nutrientes), o leite é a principal fonte de cálcio e contribui significativamente para o aporte de outros minerais, nomeadamente o fósforo, potássio, magnésio e ferro, e das vitaminas B1, D e A, embora no caso destas últimas, seja essencial a sua fortificação. 

Além disso, é um alimento que possui proteína de elevado valor biológico, em quantidades significativas. Estas proteínas são completas e fornecem todos os aminoácidos essenciais que o organismo necessita à renovação dos seus tecidos.

Dentro das proteínas lácteas, salienta-se a proteína do soro, vulgarmente designada por Whey, que, devido à sua fácil e rápida digestão e absorção, é a proteína mais consumida no mundo do fitness e desporto para aumento e manutenção da massa muscular. 

Todavia, também os seus derivados, como o queijo e o iogurte, assim como carne, peixe e ovo, as possuem.
 

A questão do cálcio


calcio

O aporte de cálcio está na raiz das recomendações para a ingestão de leite. 

O cálcio existente no leite é bem absorvido no intestino, sendo o leite de vaca um dos alimentos cujo cálcio tem melhor biodisponibilidade. 

Por esse motivo, o consumo diário de leite, nas quantidades recomendadas, poderá contribuir para a prevenção de doenças ósseas, como a osteoporose, para a manutenção do esmalte dos dentes e prevenção de caries dentárias, quando combinada com uma boa higiene oral.

Note-se, porém, que a absorção de cálcio depende de outros fatores, principalmente da ingestão de vitamina D ou da promoção da sua síntese através da exposição solar.

Contudo, é necessário salientar que uma elevada ingestão de proteína (quer animal, quer vegetal) aumenta a produção de ácidos, o que, por sua vez, promove a excreção urinária de cálcio. 

Como tal, há quem defenda que quando se junta outras fontes de proteína a quantidades generosas de hortícolas e sementes (por exemplo chia), mantém-se um adequado balanço de cálcio.
 

A famosa intolerância à lactose


O leite possui, na sua composição, lactose, um hidrato de carbono que para ser digerido necessita de uma enzima intestinal, denominada lactase. No entanto, com o avançar da idade, muitas pessoas vão deixando de produzir essa enzima e tornam-se intolerantes à lactose.

Quando a lactose não é digerida, permanece no intestino sujeita à ação de bactérias fermentadoras, causando náuseas, flatulência, distensão e cólica abdominal ou diarreias que se manifestam entre 30min a 2 horas após a sua ingestão. 

Algumas pessoas possuem intolerância total à lactose, ou seja, sentem os sintomas logo após o seu consumo, mesmo em pequenas quantidades, enquanto outros têm uma intolerância apenas parcial. Neste último caso, conseguem digerir pequenas quantidades de lactose provenientes de alimentos como iogurte e queijo. 

Segundo a Sociedade Portuguesa de Gastroenterologia, cerca de um terço da população portuguesa sofre de algum tipo de intolerância à lactose. No entanto, esta pode quase não se notar, o que faz com que muitas pessoas vivam com ela. 



Como contornar o problema?

Para contornar esse problema, há cada vez mais pessoas a procurar outras opções para substituir o leite, nomeadamente bebidas vegetais de sojaarroz ou amêndoa.

Contudo, essas bebidas vegetais são um substituto mais cultural do nutricional, pois não têm as vitaminas, minerais e proteínas do leite e para serem palatáveis é-lhes adicionado açúcar. Na verdade, aproximam-se mais de sumos do que de leite.

Em termos proteicos, a bebida de soja é a que se aproxima mais, quer em termos de qualidade quer de quantidade. 

Porém, a maioria da soja é geneticamente modificada e tem muitos anti -nutrientes (como os fitatos) que impedem a absorção de alguns nutrientes. Por isso, não vale a pena deixar de beber leite para passar a exagerar na bebida de soja. 

Por outro lado, importa não esquecer que a lactose está presente em muitos outros alimentos, como as salsichas, patês, presunto, mortadela, molhos, entre outros, e na composição de muitos medicamentos.

Importa também salientar que além da intolerância à lactose, existe também a alergia às proteínas do leite, uma situação bem mais rara e geralmente hereditária. 

Ocorre quase sempre em crianças pequenas, traduz-se por sensibilidade a diferentes proteínas do leite. Expressa-se através de pequenas manifestações alérgicas, ocorrendo igualmente perturbações respiratórias. 

Portanto, para os intolerantes à lactose ou alérgicos às suas proteínas, o leite faz efetivamente mal. 


A questão das hormonas e do cancro


cancro

Devido ao tipo de proteínas que possui, muito diferentes de outras fontes de proteicas, o leite é capaz de induzir uma forte produção de insulina

Embora este aumento dos níveis de insulina seja benéfico em alguns casos, como por exemplo, logo após o exercício, a existência recorrente de níveis de insulina no sangue acima do normal é um fator de risco para diabetes, doenças cardiovasculares, cancro, entre outras. 

Por essa razão, o leite é muitas vezes associado a inúmeros malefícios, o primeiro dos quais ao aparecimento de cancro.

Com efeito, existe uma enorme discussão sobre a relação entre leite e doenças oncológicas, sendo a principal resposta à pergunta “Porque é que o leite faz mal?” a sua aparente relação com o aparecimento de cancro.

No entanto, a verdade é que o consumo moderado de leite parece ser protetor, enquanto em excesso é que poderá ter um efeito negativo, como também acontece com muitos outros alimentos.


Problema: Hormonas

Recentemente, a Universidade de Harvard manchou (ainda mais!) a reputação do leite, quando, aparentemente, excluiu os lacticínios do seu guia alimentar, colocando em causa o benefício destes e reforçando o aumento do risco de alguns tipos de cancro associado ao seu consumo.


De facto, a exclusão foi apenas aparente, visto que apesar dos lacticínios não estarem presentes no guia, os autores referem que poderão ser ingeridas 1 a 2 porções diariamente. 

O argumento para a limitação deste valor passa pelo aumento do risco de cancro da próstata (que foi verificado após o diagnóstico da doença e para ingestões elevadas de leite gordo) e de cancro do ovário (risco modesto e apenas para a ingestão de lactose equivalente a 3 ou mais porções diárias de lacticínios). 

Efetivamente, quando se faz uma revisão da evidência científica existente, conclui-se que o leite, apesar de possuir na sua composição hormonas como o IGF-1 (substancialmente reduzido em iogurtes) promotoras do desenvolvimento tumoral, este alimento não aumenta o risco de cancro da próstata (sobretudo na sua versão magra) e pode inclusive ter um efeito protetor no cancro da bexiga, mama e colon, quando consumido até 3 porções diárias. 

No entanto, note-se que o cálcio presente no leite torna-o um alimento protetor do cancro do cólon.

Em relação à hormona de crescimento presente no leite de vaca, esta perde a sua funcionalidade biológica no organismo humano, tornando-se inofensiva. 

Já os estrogénios presentes no leite parecem induzir algumas alterações hormonais no organismo, existindo alguns indícios de que um consumo elevado de leite na adolescência pode potenciar o surgimento de menarca precoce ou aumentar o risco de cancro da próstata na idade adulta. 

Porém, as investigações que apontam para resultados deste género fazem-no com base no consumo de três ou mais porções de leite por dia. 

Por outro lado, antes de substituir o leite de vaca por bebida de soja, lembre-se que a soja possui isoflavonas, substâncias semelhantes ao estrogénio, cujo impacto na saúde apesar de, aparentemente, pouco relevante em consumos moderados, ainda não está totalmente esclarecido. 

Assim, e sendo o cancro uma doença multifatorial, a quantidade de hormonas presentes no leite não parece ser suficiente para, por si só, induzir o desenvolvimento tumoral.
 

Leite e outras doenças


diabetes


1. Doenças cardiovasculares

Relativamente à associação entre a ingestão de leite e doenças cardiovasculares, esta tem sido nula ou até negativa, o que reflete o seu papel benéfico na redução da pressão arterial (em associação com fruta e hortícolas) e a falta de relação entre as gorduras saturadas presentes no leite e o aumento do risco cardiovascular.  

 


2. Acne

Existe evidência científica que revela uma relação entre o consumo de leite e acne. De facto, o leite faz mal ao acne, possivelmente pelo aumento dos níveis de IGF-1, uma hormona que também conduz a uma maturação sexual mais prematura.
 
 


3. Diabetes

Existem estudos que associam a ingestão de laticínios, especialmente nas versões magras, a menor incidência de diabetes tipo 2 e síndrome metabólica.

Se é certo que a IGF-1 não é benéfica para a diabetes, é igualmente certo que o leite, no conjunto dos seus outros componentes, tem um efeito protetor. Aliás se comparar a carga glicémica de alguns alimentos, rapidamente constata que os lacticínios têm dos valores mais baixos.

Pelo contrário, existem outros a mostrar um papel promotor da diabetes tipo 1 e outras doenças autoimunes.
 
Em caso de resistência à insulina e síndrome metabólica, é recomenda a substituição do leite por queijo com baixo teor de lactose.


Em suma


O consumo de leite e derivados, particularmente de iogurtes nas versões magras, tem mais benefícios do que malefícios, embora não seja um alimento essencial.

Portanto, se a sua pergunta é “o leite tem de estar presente na alimentação”? A resposta não é “tem”, é “pode”!

Troque uma saída à noite por uma ida ao ginásio. Inscreva-se já no Solinca por apenas 3,99€ por semana!

 

Veja também:

Ler mais
Rita Lima Rita Lima

Rita Lima é nutricionista e trabalha, atualmente, nos ginásios Urban Fit de Ermesinde, Antas Prime Fitness e CulturaFit Club no Porto. Durante 2 anos colaborou no projeto Dragon Force do Futebol Clube do Porto e com o Boavista Futebol Clube. É licenciada em Ciências da Nutrição pela Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto e frequentou o Curso de Nutrição no Desporto na mesma faculdade.