O que sabe sobre a Pancreatite Aguda?

Sente-se enjoado e com vómitos? Tem o coração acelerado e não pára de suar? O ideal é consultar o médico, pois pode estar a sofrer de pancreatite aguda.

O que sabe sobre a Pancreatite Aguda?
O principal sintoma é uma dor intensa no abdómen.

O pâncreas é um orgão que se localiza atrás do estômago e tem como função a produção de enzimas digestivas e de hormonas. À inflamação do pâncreas chamamos pancreatite. Se o problema surge abruptamente, estamos perante uma pancreatite aguda.

O que é a pancreatite aguda?


A pancreatite aguda é uma inflamação repentina do pâncreas provocada pela activação das enzimas pancreáticas dentro do próprio órgão. Como consequência, inicia-se um processo de digestão do mesmo.

Quais são as causas de pancreatite aguda?


pancreatite aguda e diabetes

Em cerca de 15% dos casos de pancreatite aguda as causas são desconhecidas. No entanto, a patologia aparece, normalmente, associada a:

  • Cálculos biliares;
  • Consumo excessivo de bebidas alcoólicas;
  • Traumatismos;
  • Infeções;
  • Alguns medicamentos;
  • Cirurgias abdominais;
  • Doenças metabólicas (diabetes, por exemplo);
  • Formação de quistos, abcessos ou tumores do pâncreas;
  • Acumulação de líquido intra-abdominal (ascite).

 

Quais são os sintomas de pancreatite aguda?


dor forte abdominal

O principal e mais frequente sintoma da pancreatite aguda é uma dor intensa na zona superior do abdómen que irradia para as costas e que piora após a ingestão de alimentos, principalmente gorduras. O doente também pode manifestar outros sintomas como:

  • Náuseas e vómitos;
  • Febre e sudação;
  • Taquicardia (aumento da frequência cardíaca);
  • Icterícia (cor amarelada dos olhos e da pele).

 

Como se diagnostica a pancreatite aguda?


exames laboratoriais

No caso de existir suspeita clínica de pancreatite aguda, a confirmação do diagnóstico é feito através da realização de exames laboratoriais para dosear os níveis séricos das enzimas pancreáticas. Esta análise analítica pode ser complementada pela avaliação morfológica do pâncreas.

O exame mais adequado para a abordagem inicial do problema é a ecografia abdominal uma vez que é económico, acessível e, normalmente, permite uma observação do órgão na sua totalidade assim como despistar a eventual presença de litíase (pedras) da vesícula.

Para uma observação mais pormenorizada, com avaliação real dos danos pancreáticos e envolvimento regional é obrigatória a realização de tomografia axial computorizada (TC).

Como é feito o tratamento para a pancreatite aguda?


soro hospitalar

O tratamento das formas ligeiras da doença é feito apenas com um curto período de internamento com jejum inicial, administração de soros e analgésicos. Existem alguns casos em que há necessidade de recorrer à colocação de uma sonda gástrica para aspiração do conteúdo do estômago.

Nas formas mais graves da pancreatite aguda o tratamento é complexo, e depende do grau e do atingimento multiorgânico e requer internamento em unidades de cuidados intensivos. O tratamento do episódio passa também por resolver a causa da pancreatite aguda.

Quando a origem do episódio agudo está na ingestão de bebidas alcoólicas é essencial promover a abstinência alcoólica permanente. Se a origem é litiásica, ou seja, devido a presença de “pedras” que obstruem os canais biliares, a opção terapêutica é tomada tendo em conta as características da doença e do doente. Neste caso as opções são a realização de colangiopancreatografia retrograda endoscópica com esfincterotomia (CPRE) e/ou cirurgia.

As causas menos frequentes também devem ser detectadas e solucionadas com o objetivo de evitar as recidivas. A resolução de algumas complicações decorrentes da pancreatite aguda (como abcessos e pseudo-quistos) têm tratamentos cirúrgicos ou endoscópicos específicos a adoptar para cada caso.

Em suma


O indivíduo com sintomas de pancreatite aguda deve consultar um médico ou gastroenterologista o mais rapidamente possível para a realização de exames de sangue e de tomografia axial computarizada. Desta forma, é possivel diagnosticar o problema atempadamente e iniciar o tratamento mais adequado para prevenir o agravamento da doença.

Veja também:

Enfª Isabel Silva Enfª Isabel Silva

Isabel Silva é enfermeira por paixão, licenciada pela Escola Superior de Enfermagem do Porto. Sempre quis seguir a área da saúde e acredita que a informação é uma ferramenta essencial para a saúde da população, e que cabe aos profissionais de saúde transmiti-la de forma relevante e fidedigna para que cada indivíduo seja capaz de tomar decisões importantes relativamente à sua saúde e ao seu bem-estar.