Halterofilismo: quais os benefícios?

O halterofilismo pode ser uma prática benéfica para si. Veja alguns dos benefícios no nosso artigo e pondere iniciar esta prática desportiva.

Halterofilismo: quais os benefícios?
Praticar Halterofilismo é benéfico para a saúde?

O halterofilismo é a prática de musculação mais antiga, estando presente desde os jogos olímpicos modernos de Atenas em 1869, até então.

O halterofilismo tem evoluído ao longo dos anos sendo atualmente praticado por homens e mulheres com o objetivo de competir, mas também com objetivos estéticos, de aumento de massa muscular e definição.

Halterofilismo: em que consiste?


halterofilismo em que consiste

O halterofilismo é um desporto de força e que consiste no levantamento de pesos.

Troque uma caipirinha por uma ida ao ginásio
Treine no Solinca por apenas 3,99€ por semana e volte a ficar em forma. Aproveite já!

A modalidade divide-se em duas categorias: a prova de arranque denominada de “Snatch”, e a prova de arremesso denominada de “Clean and Jerk”.

Snatch

Na prova de arranque “Snatch” o atleta deve levantar uma barra com pesos laterais, e impulsioná-la até ficar numa posição sobre a cabeça, durante apenas um movimento.

Clean and Jerk

Na segunda categoria denominada “Clean and Jerk”, o atleta tem dois movimentos para levar o peso: dos pés para o peito e do peito para a posição sobre a cabeça.

Halterofilismo: é benéfico ou não?


Normalmente o halterofilismo é visto como uma modalidade perigosa do ponto de vista das lesões, no entanto os atletas que praticam esta modalidade, sejam do sexo masculino ou feminino, apresentam a mesma possibilidade de sofrer situações de lesões em relação aos praticantes de outras modalidades e à população em geral.

Existem vários estudos que apresentam a incidência de lesões em diferentes modalidades, sendo que o futebol é a modalidade com mais risco de lesões e o halterofilismo aparece em 16º lugar.

O risco de lesão  vai sempre existir em qualquer situação, modalidade ou mesmo no lazer. Claro que o risco será acrescido em função da pouca experiência e dependendo do acompanhamento profissional, sendo isto aplicável para todas as áreas.

Como em todas as atividades nas quais há competição, as alterações mais frequentes são as lesões do sistema músculo-esquelético.

O halterofilismo é um desporto individual, no qual não há confronto direto como existe noutras modalidades, portanto as lesões provocadas por fatores externos surgem se o atleta deixar cair a barra sobre alguma parte do corpo, o que acontece em poucos casos, quando os atletas têm pouca experiência e não são acompanhados.

As lesões provocadas por movimentos anormais forçados, lesões musculares, erros de planeamento de treino, modificações extremas do meio ambiente, deficiente nutrição, têm também probabilidade de ocorrer em todas as outras modalidades.

Halterofilismo: verdades e mitos


1. Halterofilismo: faz mal ás costas?

halterofilismo e coluna

Uma das ideias que se tem é que o halterofilismo é prejudicial para as costas devido às cargas. Contudo, num estudo publicado no American Journal of Sports Medicine, que compara a incidência e prevalência de dores na zona lombar entre a população normal, ex-lutadores e aqueles que faziam halterofilismo, comprovou que a dor na zona lombar foi maior nos ex-lutadores (53%), seguindo-se a população normal (31%) ficando por último, o grupo que fez halterofilismo (23%).

Claro que, para se executar levantamento da barra, é necessário treino, consciência corporal, um bom acompanhamento e as cargas proporcionais às capacidades individuais.

2. Halterofilismo no corpo humano 

halterofilismo no corpo humano

Outro benefício do halterofilismo é a quantidade de músculos utilizados por treino. Os levantamentos utilizam movimentos intensos e multiarticulares que envolvem basicamente todos os músculos do corpo humano, desenvolvendo a musculatura de forma a estabilizar os músculos com o intuito de suportar a carga adicional.

Em vários estudos também se observa uma diminuição da frequência cardíaca em repouso, diminuição da pressão arterial sistólica, aumento da massa muscular e diminuição da massa gorda.

3. Halterofilismo e a osteoporose

halterofilismo e osteoporose

O treino de força é o tipo de treino mais adequado para prevenir a osteoporose (não tendo em conta a alimentação).

Para aumentar a densidade mineral óssea é necessário levantar cargas fortes em planos estáveis. Portanto, o treino aeróbico de longa duração não vai ajudar as pessoas a ficar com ossos mais fortes.

NOTA final


O halterofilismo requer técnica, prática e disciplina, no entanto pode promover grandes benefícios, desde a melhoria da composição corporal, aumento da densidade óssea, etc. No entanto, é muito importante ser bem ensinado, orientado e respeitar a técnica e evolução.

Troque uma saída à noite por uma ida ao ginásio. Inscreva-se já no Solinca por apenas 3,99€ por semana!

Veja também:

Ler mais
Sara Tomás Sara Tomás

Sara Tomás, Personal Trainer, trabalha atualmente no Health club Welldomus Fitness and Spa. Colabora na Clínica Bússola da Saúde no Marco de Canavezes. Licenciada em Ciências do Desporto na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, pós-graduada em Atividade Física e Saúde pela mesma instituição. Pós graduada em Reabilitação em Medicina do exercício e Desporto pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.