Gravidez de risco: cuidados a ter

Gravidez de risco: cuidados a ter

Tudo o que precisa saber.

Uma gravidez de risco, apesar de ser pouco frequente, pode ter consequências graves para a saúde e vida da mãe e bebé.

Gravidez de risco: o diagnóstico



Numa consulta pré-concecional será possível identificar as circunstâncias que podem resultar numa gravidez de risco permitindo, logo à partida, controlar o risco.

Por isto, é muito importante ser acompanhada por um médico ainda antes de estar grávida ou assim que receba o positivo, para que tudo possa ser planeado a bem da sua saúde e do seu bebé.
 
Tome nota:
A ligação que existe entre uma mãe e um filho é a mais poderosa! Receba já todas as dicas para si e o seu bebé.

Numa primeira consulta de gravidez, seja de preparação ou já consumada, será solicitado pelo médico uma série de exames e feito um levantamento de informações clínicas sobre a mulher, o homem, bem como os antecedentes familiares de ambos.

Será feita uma observação geral, depois a obstétrica e ginecológica para determinar a saúde da mulher.

Ao ser diagnosticada uma gravidez de risco é fundamental seguir, à risca, todas as indicações do seu médico, para garantir que a sua gravidez chega a termo ou, pelo menos, até ao momento em que for seguro o nascimento do bebé.

 

Quando é considerada uma gravidez de risco?




Será uma gravidez quando se verificarem pela observação, resultados de exames e histórico clínico, razões que levem a algum dano, acidente, doença ou morte.

Determinadas condições podem, à partida, definir a sua gestação como uma gravidez de risco e que vão exigir, da sua parte e do seu obstetra uma vigilância mais apertada, nomeadamente:
  • Grávida em idades extremas da fertilidade (menos de 16 ou maior de 40 anos)
  • Doenças pré-existentes: diabetes, hipertensão, alterações de coagulação, cardiopatia, etc.
  • Infertilidade prévia
  • Abortos de repetição (pelo  menos três)
  • Feto com malformações
  • Morte fetal ou neonatal
  • Rh negativo
  • Diabetes gestacional anterior
  • Prê-eclâmpsia anterior
  • Adição (tabaco, álcool, drogas)
  • Mulher de estatura baixa (menos de 150 cm)
  • Classe social-económica baixa
  • Doenças sexualmente transmissíveis
  • Gravides gemelar anterior ou atual

De acordo com o número de fatores de risco identificados, no início da gravidez ou ao longo da gestação, será determinada uma gravidez de:
 
  • Baixo risco: a gravidez vai decorrer, à partida, sem sobressaltos e nascerá um bebé saudável
  • Médio risco: com vigilância programada e algumas chamadas de atenção para determinados cuidados
  • Alto risco: vigilância permanente pelo obstetra, com protocolo individual e, por vezes, determinação de repouso absoluto ou internamento hospitalar; elevado risco de mortalidade e morbilidade fetal e materna.
 

Como evitar uma gravidez de risco?



Por vezes, é impossível evitar uma gravidez de risco, assim, o foco centra-se nos cuidados que deve ter durante a gravidez, especialmente, quando confrontada com este diagnóstico. Contudo, como já referimos acima, para prevenir esta condição é importante um bom planeamento da sua gravidez.

Assim, consulte o seu médico de família, ginecologista ou obstetra, antes de avançar com as tentativas de engravidar para identificar quaisquer fatores que possam resultar numa gravidez de risco. Esta antecipação permite que sejam tomadas as medidas necessárias para prevenir uma doença ou dano ou, pelo menos, para diminuir as consequências para mãe e bebé.

 

Que cuidados deve ter numa gravidez de risco?




Após o diagnóstico, e sem pretender alarmar, a atenção ao seu corpo deve ser redobrada. O seu médico dir-lhe-á quais os cuidados que deve ter - os quais deve cumprir à risca - e quais os sinais aos quais deve estar atenta. Se os notar deve, imediatamente, contactar o seu médico ou dirigir-se a um hospital.

 

Alguns dos sinais de risco:

  • Hemorragia vaginal
  • Perda de líquido amniótico
  • Contrações uterinas
  • Dor de cabeça intensa e persistente
  • Tonturas ou sensação de desmaio
  • Falta de ar
  • Inchaço súbito da face ou das mãos
  • Dor abdominal
  • Dor no peito
  • Febre ou calafrios
  • Vómitos
  • Diminuição dos movimentos fetais
 
Receba aqui mais dicas para si e para o seu bebé !



Veja também: