Temos de falar sobre isto: gases vaginais!

É mais comum do que possa pensar e sim, também é algo constrangedor. Mas isso não implica que os gases vaginais sejam colocados numa gaveta secreta, como se fosse algo que não acontece nunca, tornando-se num tema bastante constrangedor. Sem tabus, falamos no assunto, explicamos o que é e por que motivo aparecem. Saiba tudo.

Temos de falar sobre isto: gases vaginais!
O que são e por que aparecem?

Os gases vaginais referem-se ao ar que fica preso dentro da vagina e que, quando é libertado, pode causar um som semelhante à flatulência comum do reto. Normalmente, é uma ocorrência normal e raramente deve ser interpretada como um sinal de que algo de grave se passa com a saúde da mulher. Todavia, pode também ser um sintoma de uma condição médica que precisa de ser tratada.

Fique atento às causas dos gases vaginais, saiba como prevenir e em que situações deve procurar ajuda médica.

Causas dos gases vaginais


gases vaginais e atividade sexual

Existem várias causas diferentes para o aparecimento de gases vaginais. Saiba quais são:

1. Atividade sexual

Isto acontece porque o movimento do pénis para dentro e para fora da vagina pode, por vezes, fazer com que o ar entre e fique preso. Desta forma, quando os músculos se contraem pela ocorrência de um orgasmo ou quando o pénis é removido, o gás é libertado.

Da mesma forma, o sexo oral ou a prática de sexo mais violento também podem causar gases vaginais.

2. Disfunção do assoalho pélvico

Existem algumas condições do assoalho pélvico que estão associadas a um risco aumentado de ocorrência de gases vaginais, nomeadamente:

  • Incontinência urinária;
  • Incontinência fecal;
  • Prolapso de órgão pélvico;
  • Músculos fracos do assoalho pélvico, o que pode ser provocado pelo parto, excesso de peso, idade ou tensão excessiva no intestino.

3. Fístula vaginal

A fístula vaginal é um trato oco anormal entre a vagina e outro órgão abdominal ou pélvico interno. Não está associado a nenhuma prática sexual e é algo que precisa de ter acompanhamento médico.

Existem vários tipos de fístula:

  • Fístula ureterovaginal: ocorre entre a vagina e o ureter;
  • Fístula retovaginal: ocorre entre a vagina e o reto e pode ser provocada pelo parto, cirurgia pélvica, cancro pélvico, tratamentos de radioterapia, doença de Crohn ou colite ulcerativa;
  • Fístula enterovaginal; ocorre entre o intestino delgado e a vagina;
  • Fístula colovaginal: ocorre entre o cólon e a vagina, sendo este o tipo mais raro de fístula e geralmente causado por doença diverticular.

– Sintomas de uma fístula –

Para saber se possui uma fístula vaginal, deverá estar atento aos seguintes sintomas:

  • Fezes soltas junto com a urina;
  • Irina ou corrimento vaginal com um forte odor desagradável;
  • Vaginite ou infeções do trato urinário frequentes;
  • Incontinência fecal ou urinária;
  • Diarreia;
  • Desconforto ou dor na zona da vagina e reto;
  • Dor durante o sexo;
  • Náusea;
  • Dor abdominal.

4. Produtos de higiene feminina

Se usa tanto tampões como copos menstruais, saiba que estes são produtos que mais facilmente podem permitir a acumulação de bolhas de ar dentro do corpo.

5. Músculos tensos

Algumas atividades, como sexo ou exames ginecológicos, podem causar tensão nos músculos pélvicos, logo levar à acumulação de bolsas ou bolhas de ar na vagina.

6. Exercícios de alongamento

Determinados exercícios que envolvem o alongamento da região pélvica, comuns com a prática de ioga, por exemplo, muitas vezes estimulam a vagina a abrir ou relaxar, permitindo a entrada de mais ar.

7. Exames ginecológicos ou procedimentos

O exame físico ginecológico e a habitual inserção de um espéculo durante o mesmo, bem como outros procedimentos, podem fazer com que o ar fique preso na vagina.

Prevenção de gases vaginais


ginecologista

Não há muito a fazer no que à prevenção diz respeito, dado que é uma ocorrência provocada por uma situação específica e, quando a mesma termina, o ar acumulado na vagina é imediatamente libertado.

Contudo, se for algo muito recorrente e incómodo, existem tratamentos e procedimentos cirúrgicos que podem corrigir a causa.

Gases vaginais: quando se torna preocupante


parto recente

Se a ocorrência de gases vaginais for frequente e sem estar diretamente relacionada com algumas das situações previamente referidas, então deverá consultar um médico.

Atente ainda às seguintes situações que podem provocar gases vaginais e que devem ter acompanhamento médico:

  • Parto recente ou complicado;
  • Radioterapia envolvendo a pelve;
  • Cirurgias ginecológicas, pélvicas ou abdominais;
  • Dor ou desconforto sem motivo aparente;
  • Vazamento de urina ou mais quantidade de urina;
  • Fezes ou outros resíduos que sejam libertados juntamente com a urina;
  • Odor fétido;
  • Sangue;
  • Inflamação ou inchaço dos tecidos vaginais.

Veja também: